DELÍRIO CONTROLADO:

ENTREVISTA DE J.A. MANNIS A RÉGIS BONVICINO

Régis Bonvicino: O que pensa sobre a geração de Gilberto Mendes e Rogério Duprat?

José Augusto Mannis: Fizeram tudo com quase nada. São pescadores artesanais de informação (na época em que começaram não existiam redes/web), digerem o que tomam em suas mãos e selecionam com calma. Bons exemplos de antropofagia saudável.


RB: Quanto a este último: foi um erro ou um acerto ele ter participado da Tropicália?

Mannis: Não vejo erro nem acerto em arte. Vejo mais criações bem ou mal sucedidas. Nas obras mais densas a diferença aparece quando temos aquelas que são complexas e outras que só são complicadas, como dizia Michel Philippot. Quanto à opções de postura, gênero e estilo, acho que nada acontece por acaso no trajeto de uma pessoa, sobretudo de um artista. Os caminhos são infinitos e os atalhos entre os caminhos, igualmente. Tomar um caminho diferente de um itinerário estabelecido anteriormente sempre é algo tentador quando somos atraídos pelo horizonte que ele (parece) anuncia(r). Rogério Duprat fez o que tinha que fazer e com sucesso. O que pode aguçar a curiosidade é tentar imaginar como seria se o caminho escolhido não fosse esse que passou pela Tropicália.

RB: Quais são os compositores brasileiros atuais que você aprecia e por quê?

Mannis: Almeida Prado: transpira música. Ouvi um dia Rodolfo Coelho de Souza falar isso e nunca mais esqueci.

Willy Corrêa de Oliveira: genialidade inventiva, concisão, coerência.

Gilberto Mendes: realizou em música o que na pintura foi o cubismo.

Kilza Setti: através de suas composições conhecemos as tradições ancestrais brasileiras.

Marisa Rezende: fino manejo de figurações musicais, unidade e coesão da escrita.

Rodolfo Caesar: mestre e poeta dos sons. As formas de suas músicas brotam do material. Dos compositores que estiveram no Groupe de Recherches Musicales (INA/GRM) é, para mim, o que realizou essa proposta de forma mais tocante, com simplicidade e elegância.

Denise Garcia: sensibilidade de escuta, domínio do material, delicadeza de escrita.

Eli-Eri Moura: garimpeiro de sons preciosos e exímio lapidador.

Lelo Nazário: admirável e generoso compositor em partituras e em performance.

Paulo Álvares e Arthur Kampela: gestos vicerais na expressão musical.

Tato Taborda e compositores do grupo Ex-Machina: Yanto Laitano, Alexandre Birnfield, Martinez Nunes e Adolfo Almeida Jr.: ousadia, originalidade e invenção musical. Fazem ruídos cantarem.

Jonatas Manzolli: composição com criação de sistemas tecnológicos que suscitam novas idéias e situações musicais.

Roberto Victorio e Antonio Carlos Borges Cunha: domínio da escrita instrumental e controle formal.

Silvio Ferraz: fantasias e derivações musicais múltiplas resultantes de escrita musical decorrente da análise do material (fragmentado, estendido/contraído, distorcido, invertido, deformado, transposto, etc.) Uma música que quando ouvimos temos idéias a partir dela.

Guilherme Nascimento, Rogério Vasconcelos, Paulo Zuben, Marcus Bittencourt, James Correa e Januibe Tejera: domínio de métier e jovens artistas que definitivamente têm algo a dizer.

RB: O acha desse conceito de MPB, que se situa entre a cultura popular e a alta, representado por Caetano Veloso, Tom Zé, Smeták, Chico Buarque e outros?

Mannis: Colocaria os ‘ETelúricos’ Tom Zé e Smeták num patamar experimental, consequentemente de maior risco, que me atrai bastante. Não se avança na estabilidade e na ordem, mas na flexibilidade dos transitórios e nos estados de indefinição. Estes, próprios à criação artística, caracterizam a arte como uma espécie de ciência especulativa, como diz Silvio Ferraz. Caetano Veloso e Chico Buarque fazem uma música depurada com refinado acabamento. São muito mais clean e estão em coordenadas diferentes das de Tom Zé e Smeták com seus ricos e imprescindíveis ruídos. As regiões limítrofes que separam esses pólos, que o ser humano inventa como cultura popular e alta, musica popular e erudita, chegam a ser muito amplas e indefinidas. Se por acaso a separação tivesse que ser uma linha, esta seria muito desfocada. As soluções possíveis nesse miolo ambíguo são muitas e há brechas tanto para tradições escritas como para tradições orais e populares autênticas. Por essa larga palheta heterogênea de materiais e referências culturais, flexibilidade de criação sem modelos pressupostos e pela indefinição de classificações e categorias, trata-se de uma zona fértil com alto potencial de inovação. Lelo Nazário, Carlos Stasi, Aldo Brizzi e Lulu Pereira estão aí.

RB: Há crítica de música erudita no Brasil?

Mannis: Apesar de exemplos isolados de críticos a meu ver bem sucedidos como Carlos Haag e Enio Squeff, não posso dizer que vejo claramente uma tradição estabelecida de crítica de música erudita no Brasil. O que li mais frequentemente foram descrições de escuta tomadas como crítica. Há sem dúvida exemplos de descrições maravilhosas como as cartas de Rainer Maria Rilke quando descreve sua leitura como observador de telas de pintura com elegância e poética. Mas, apesar de não ser corriqueiro nos depararmos com uma anunciada critica, muitas vezes o que encontramos é uma descrição linear e ingênua, não passando de uma narração subjetiva de um acontecimento. Pessoalmente preferiria que o acontecimento fosse assimilado, degustado, digerido, analisado e, em seguida, ressintetizado com elementos construtivos subjetivos, de forma coerente e equilibrada, revelando, ainda, uma observação notável. Não somente a obra de arte, mas também a crítica deve surpreender o leitor.