A ERA DOS MUSEUS

Os museus como diria Walter Benjamim “espaços que suscitam sonhos” e as atividades museológicas, nos últimos anos, passaram por transformações conceituais, ganharam importância e complexidade, entraram no século XXI como a instituição cultural, por excelência, da cidade contemporânea. Nos grandes centros urbanos do mundo, aquele lugar ocupado pela igreja, desejado pelo teatro há algum tempo atrás, é hoje disputado pelo museu. Criou-se uma cultura de consumo do museu, paralelo ao retorno de um desejo reprimido de ocupar o antigo centro da cidade, abandonado pela sua incompatibilidade com determinado modelo de publicidade de consumo do espaço urbano.

A BIENAL DE SÃO PAULO E O VAZIO DA ARTE CONTEMPORÂNEA

Depois que o entretenimento passou a ser um requisito de fácil utilização da arte contemporânea mais difundida, o olhar foi surpreendido pela ausência de raciocínio. A 28ª Bienal de Arte de São Paulo está vazia de obras e idéias. Difícil até de fotografar como constata o fotógrafo Thomas Milz ao fazer uma viagem com sua […]