Dois poemas

Ela participou, no entanto, durante a década de 1960, da aventura da revista Siècle à Mains, que ela fundou com Michel Couturier e Claude Royet-Journoud, o qual foi, até o fim, um de seus companheiros mais próximos de criação e de vida. Entre 1963 e 1970 saíram doze números da revista, em que podiam ser encontrados tanto Jean Daive e Alain Veinstein quanto o americano Louis Zukofsky, que ela traduziu (em Vingt poètes américains, Gallimard, 1980). O nome dela poderá ser encontrado, durante anos, no sumário de numerosas outras revistas, como Action Poétique, The American Poetry Review, Bulletin Orange Export Ltd, Cahiers de l’Herne, Change, Esprit ou Nioques. Publicou poucos livros, uns doze em quatro décadas, de Flammigère (Siècle à Mains, 1967; reed. Al Dante, 2006) a Figurations de l’image (Flammarion, 2004), passando por Figure vocative (Lettres de Casse, 1985; reed. Al Dante, 2006) ou Travail vertical et blanc (Spectres familiers, 1989). Quando, em 1971, saiu Etat (Mercure de France), Claude Royet-Journoud escreveu que Anne-Marie Albiach acabava de “mudar o rosto da poesia”.