Da Existência de uma Literatura Rock

A rock music se faz soar, guitarras elétricas, palavras e o garoto se contorcendo na cadência. Tamina olha para ele com repugnância: o garoto se torce com movimentos que imitam um adulto com ares de janota que, para ela, são obscenos. A moça baixa os olhos, para não ser obrigada a ver. Neste momento, o rapaz aumenta o som e começa a cantar junto. Um instante depois, quando Tamina direciona os olhos para ele, pergunta:

  • — Por que você não canta ?
  • — Eu não conheço essa música.
  • — Como é que não conhece? Mas todo mundo conhece!

Se a época em que vivemos se singulariza como uma civilização barulhenta, (muito) sonora, existem muitos pensadores contemporâneos que estigmatizam essa sonoridade total, em detrimento de algo todo musical. O sentido do rock é o padrão manifesto desta sociedade barulhenta, onipresente e dominante. Citado em epígrafo, o extrato de um livro de piadas. “Cidade em Epígrafo”, extrato de um livro de Milan Kundera, para rir a respeito, e depois esquecer, condensa perfeitamente as diferentes características ridicularizadas por vários outros escritores: obscenidade, ficção de Universidade, música para adolescentes, que deve ser ouvida, necessariamente, de forma muito ruidosa.