Paraguai: de Stroessner a Lugo

Como no verso de meu amigo Vinicius de Moraes, “de repente, não mais que de repente”, alguns governos latino-americanos redescobrem o velho e sofrido Paraguay e resolvem salvar uma democracia que teria sido ferida de morte com a queda de seu presidente. Começa aí um engano, uma sucessão de enganos, mentiras e desilusões, em proporção e intensidade que bem servem a que se acompanhe uma melodiosa guarânia, mas de gosto  duvidoso.