O estado das coisas

o que se pode esperar de um poema: que fique de pé e ande sem muletas mesmo sendo coxo como byron que não faça ver o pior cego mesmo sendo um glauco mattoso que não tenha pena de seus leitores como dylan thomas mas que também não seja sádico com eles como ninguém que eu […]

O reggae no Maranhão

Um dos desfalques entre os lançamentos da 9ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) foi o livro Da Terra das Primaveras à Ilha do Amor, do antropólogo Carlos Benedito Rodrigues da Silva. Publicada em 1992 como dissertação de mestrado em antropologia cultural, a obra, que traz como subtítulo “reggae, lazer e identidade em São Luís do Maranhão”, foi a primeira tentativa de compreender um fenômeno de dimensões épicas: a migração do gênero musical da ilha caribenha da Jamaica para São Luís do Maranhão. Grande feito, numa época em que a ordem na academia era ignorar uma realidade que então já entrava por olhos e ouvidos de todos.
Durante a FeliS de 2014, por ocasião de uma mesa de debates da qual ele participava ao lado dos jornalistas Otávio Rodrigues e Karla Freire, provoquei Carlão, como é conhecido o antropólogo – um simpático rasta de porte avantajado – para que republicasse a obra pioneira na Feira.