Memória dos anos negros

O que houve entre meu pai e o [Jacob] Gorender começa em 1949. O Gorender era da direção estadual do PCB e meu pai da direção regional, em Tupã. Pela participação de meu pai em uma mobilização de camponeses, ele passou a ser perseguido pelo DOPS − saiu na imprensa, na época, com a manchete na Folha da Manhã anunciando: “Incrementada a repressão ao comunismo em SP”, e o nome de meu pai era citado. Meu pai foi para a clandestinidade e por indicação de Gorender passou a compor a direção estadual do PCB.