Prefácio a Ponte Preta − a torcida que tem um time, de André Pécora

A marca dessa torcida fica. É comum nos depoimentos um jogador dizer que ainda vai ao estádio, leva seus filhos e torce pela Ponte. Oscar chega a declarar: “Meus melhores anos não foram no São Paulo, foram na Ponte”. É isso que faz da Ponte um time diferente. É isso que faz de Ponte Preta – a torcida que tem um time um livro diferente. E bom. Agradeço ao André Pécora ter me proporcionado belos momentos lendo este livro. De repente, como já disse antes, me pareceu que eu mesmo era um torcedor da Ponte.

O cinema não faz mais a diferença

Ugo Giorgetti é diretor e roteirista de cinema, nascido em 1942 em São Paulo. Iniciou a carreira dirigindo filmes publicitários para a televisão. Em 1973, dirigiu o curta Campos Elísios (1973). Dois anos depois, passou ao média-metragem, dirigindo Prédio Martinele. Seu primeiro longa foi Quebrando a cara (1977), um documentário sobre o pugilista Eder Jofre.