Fall 2015 | Highlights

Eduardo Kac Fall 2015 | Highlights Eduardo Kac, Tesão, 1985. Minitel artwork, 9.64 x 9.8 x 9.64 in (24,5 x 25 x 24,5 cm). Edition of three. Electronic Superhighway Whitechapel Gallery, London January 29 – May 15, 2016   Kac’s Minitel artworks (pre-web digital network) will be featured in Whitechapel Gallery’s landmark exhibition that highlights the impact of computer and internet technology on art. Eduardo Kac, Que vai fazer?, 1982. Electrostatic monoprint, 4.9 x 7 in (12,5 x 18 cm) [right]. Art in America magazine November 2015 The Movimento de Arte Pornô (Porn Art Movement), 1980-1982, is featured in an article by Zanna Gilbert in the current issue of Art in America magazine. TEDx, Vienna October 2015 Eduardo Kac gave a TED talk in Vienna in which he discussed his development of Bio Art from the 1990s to the present. Eduardo Kac, Lagoglyph Animation. Real-time loopless parametric animation, dimensions variable. Edition of five. A View from the Cloud Streaming Museum, New York September 2015 Lagoglyph Animation was featured in Streaming Museum’s public projection at Dag Hammarskjold Plaza in New York. Lagoglyphs are a series of works that create a visual language evolving from the transgenic artwork GFP Bunny. Eduardo Kac, […]

Bifurcações


matadouro


a província diz não aos seus filhos,
         rude e árida, mesmo quando farta e molhada.
        entoa liturgia de campo arrasado.

a província tem canto maldito.
        não hospeda sementes em seu leito.
        exporta desertos para quem mal diz sua sina.

a província é geografia esquecida.
        nenhum coração palpita por seu mapa.
        nas suas rotas corre sangue de matadouro.

a província deflagra dizimações.
        cultiva um cemitério vasto.
        sisuda e quente, cozinha a própria cria.

Janus Pannonius Grand Prize for Poetry to Charles Bernstein and Giuseppe Conte

The 2015 Janus Pannonius Grand Prize for Poetry has been awarded to Charles Bernstein and  Giuseppe Conte. The prize was founded in 2012 by the Hungarian PEN Club (an affiliate of International PEN). In 2014, Yves Bonnefois (France) and Adonis (Syria) won the prize, which is modelled on the Nobel Prize for Literature. In 2013 the prize went to Simin Behbahani (Iran). The prize was announced on the Janus Pannonius web page.  The web page includes an  English pdf about the prize. According to Hungarian PEN president Géza Szőcs:  Our prize seeks to honour and reward those poets who can be considered heirs to human spirituality and culture, the grand chain of values, accumulated over millennia. We wish to honour those contemporary artists who have done the most to advance the representation and enrichment of forms of consciousness in harmony with the reflection and interpretation of the world today. The prize has been named after Janus Pannonius, the first known and celebrated Hungarian poet. The prize awarded is 50,000 euros. 2014 winners Bonnefoy and Adonis and 2013 winner Simin Behbahani The prize will be presented both in Italy and Hungary. In Milan on August 27 at 7pm there will be a reading of the Janus Pannonius laureates and translators […]

“Cruzamentos: Brasil, Portugal e Grande China” de 27 a 31 de julho na USP

Participarei do Seminário “Cruzamentos: Brasil, Portugal e Grande China”, coordenado pela Professora Márcia Schmaltz. Eis um resumo de minha fala. Conheci, por e-mail, Yao Feng em 1999. Há trabalhos dele em http://sibila.com.br , site da revista Sibila. Ele é o único poeta chinês que aprendeu português – tem um português fluente. Tornamo-nos pen friends – amigos à distância –, ele em Macau e eu em São Paulo.

Música birmanesa

Byaw ou byaw som

(O tambor que se ouve ao fundo é o som típico byaw e a música vem com um poema tradicional sobre uma cerimônia de iniciação budista)

impacto2_600x

Goldsmith y el imperio yanki retro-conceptual

El 13 de marzo, el famoso escritor Kenneth Goldsmith leyó en Brown University un poema titulado “El cuerpo de Michael Brown”, una apropiación del reporte de autopsia del joven afroamericano asesinado por un policía de Ferguson en el 2014; este linchamiento ha provocado grandes protestas contra el persistente racismo en Estados Unidos.

Leitura Mundial: Comemorando o Centenário do Genocídio Armênio em 21 de Abril de 2015

O festival internacional de literatura de Berlin (ilb) e o Lepsiushaus Potsdam estão organizando uma leitura mundial no centésimo aniversário do Genocídio Armênio. Contamos com as instituições culturais, difusores de rádio e universidades, assim como escolas, para participarem desta iniciativa e para organizarem suas próprias leituras em 21 de Abril de 2015. O texto selecionado para a leitura foi extraído dos capítulos sete e oito do Livro dos Sussurros de Varujan Vosganian. Pode-se acessar o texto em 15 diferente línguas em nosso site. Em breve, no mesmo link, haverá informações sobre onde as leituras serão feitas. Mais de 300 autores oriundos de mais de 65 países já suportam essa iniciativa, entre eles os premiados com o Prêmio Nobel de Literatura Mario Vargas Llosa, Herta Müller, Elfriede Jelinek, Orhan Pamuk, Günter Grass e John M. Coetzee. Se desejar organizar uma leitura, por favor envie todas as informações relevantes até o dia 30 de Março de 2015 para worldwidereading@literaturfestival.com, incluindo detalhes sobre a hora e local exatos do evento, assim como os nomes dos participantes. Jessica Araya

Patrícia Galvão (Pagu), Parc industriel (roman prolétaire)

O livro, com tradução de Antoine Chareyre, tradutor de Oswald de Andrade e outros modernistas brasileiros, tem prefácio da poetisa Liliane Giraudon, que foi a primeira editora de Pagu no idioma francês, nos anos 80, em parceria com a tradutora franco-brasileira Inês Oseki-Dépré. A edição do texto, apoiada em novas pesquisas, vem com notas e posfácio do tradutor que ajudarão a entender melhor como esse « romance proletário » se insere na atmosfera política e social da São Paulo da época, e também o colocarão devidamente no cruzamento entre a prosa modernista e o nascente romance social da década de 30. Aliás, o maior representante dessa última corrente, Jorge Amado, foi, em 1993, um dos fundadores da editora Le Temps des Cerises, uma casa editorial independente, que lança agora o romance com capa derivada da original, desenhada pela própria Pagu, e uma diagramação respeitosa da edição de 1933.

O atentado ao Charlie Hebdo

Fiquei sabendo por um telefonema do Chico Caruso: “E o Charlie Hebdo, hem?” Fiquei esperando o resto da piada. “Mataram o Wollinski, o Cabu e mais dez.” Quando caiu a ficha e me convenci de que era verdade, o impacto foi literalmente tão arrasa-quarteirão quanto o da explosão das Torres Gêmeas. Como disse o Ique no Jornal da Globo. Mas discordo quando acrescentou que, daqui pra frente, os cartunistas irão se atemorizar e diminuir suas críticas ao Irã, sem trocadilho. Os colegas de cartum, não sei, mas eu pretendo pegar mais pesado do que costumo. Para quem não viu a minha charge de quinta-feira passada, desenhei um suposto Alá com turbante e uma barba negra contrastando com a barba branca de um Deus ariano. Pela Lei do Corão, a reprodução de qualquer imagem do Profeta é crime que deve ser punido com a morte. E agora?