Basta de resenha elogiosa

A poesia

Luis Dolhnikoff: Venho há algum tempo me referindo a certa pequenez generalizada que tomou conta da poesia brasileira. Você acha que a poesia caminha para a irrelevância, ou, ao contrário, discorda frontalmente desse diagnóstico? Se sim, há algo a ser feito?

Aurora F. Bernardini: A poesia não caminha para a irrelevância. Muito pelo contrário. Acredito que será mesmo o gênero do futuro: como dizer o máximo com o mínimo.

O que ocorre no Brasil é que a crítica, mesmo quando é negativa construtivamente, ofende os autores de qualquer gênero; logo, como a mais típica categoria daqui é a simpatia (cf. Antonio Candido), os críticos ou se omitem, ou se limitam a “orientar”.

Minha orientação, por exemplo, é a seguinte:

1) Verso livre: só é admissível quando se emite um conceito extremamente original e conciso;

2) Verso com ritmo e rima final e/ou interna: em todos os outros casos, cuidando porém para que o poema seja um organismo com vida própria (que não dependa, portanto, de uma ou outra interpretação);

3) Prosa poética é obra em prosa, não é poema;

4) Por trás de uma avaliação deve haver critérios objetivos, além do subjetivo, que sempre existe;

Etc.

A crítica

LD: Recentemente, um poeta de certo renome publicou num site literário um poema que considerei particularmente banal. Ao lê-lo, pus-me a analisá-lo. Além de analisar o poema, o reescrevi, a partir da ideia de Pound da crítica via tradução. A ausência de uma crítica mais rigorosa e vigorosa, que vem caracterizando nosso meio literário, e particularmente o poético, é causa ou efeito de seu relativo acanhamento criativo? Ou você discorda que exista algo parecido com isso (um acanhamento criativo)?

AFB: 1. Curiosamente, a leitura de alguns poemas me leva a respondê-los, ou seja a recriá-los em meu próprio estilo, com minhas próprias experiências. A escolha dos poemas, nesse caso, não se deve porém necessariamente à sua excelência. Se deve ao fato de eles terem tocado alguma corda minha, sensível. Acho muito enriquecedor reescrevê-los, tanto para quem os lê, quanto para quem os escreveu pela primeira vez.

2. Não creio ser a ausência de crítica (omissão) ou uma crítica morna ou mesmo negativa uma das causas do acanhamento criativo.

O autor tem ou não tem o que dizer. O ter que dizer tem muita força, diria o mestre.

O não ter o que dizer é que tem muitas causas, que vão da infância à velhice. Um longo capítulo à parte.

3. A crítica indevida ou permanentemente elogiosa pode fazer com que o autor, inicialmente bom, se acomode sobre os louros e continue a produzir obras medíocres. Conheço vários casos, alguns deles listados entre os do alto repertório da pergunta abaixo (P.S.: Não é o Cristóvão Tezza).

4. A crítica elogiosa de obras medíocres, além disso, desnorteia o leitor e desvirtua o critério de avaliação.

A prosa

LD: Mudando da água para o vinho, ou da poesia para a prosa. Bernardo Carvalho, Cristóvão Tezza, Milton Hatoum, Chico Buarque. Este grupo representa, digamos, a prosa contemporânea de alto repertório. Você acredita que a prosa brasileira contemporânea vai menos mal do que a poesia brasileira contemporânea? Você concorda poder haver nomes que são fruto da aliança da crítica preguiçosa com as relações profissionais certas e com a presença forte dos releases das editoras?

AFB: A prosa brasileira contemporânea não vai menos mal que a poesia brasileira contemporânea. O que se passa é que, justamente, devido aos lobbies de muitas editoras junto à mídia ou devido àquela questão da “simpatia” a ser preservada (mais abaixo você lhe dá o atributo de “politicamente correta”) há uma mistura caótica do que é bom, do que é médio e do que é ruim. Vem tudo junto, às enxurradas. Resultado: você passa a descrer completamente da crítica.

O momento atual

LD: Paulo Franchetti referiu-se recentemente à “demissão da crítica”. Os fatores determinantes para essa demissão, imagino, são muitos, incluindo a contratação de muitos professores universitários, reflexo, por sua vez, da proliferação de universidades. Há uma “demissão da crítica”? Quais as suas principais causas? O academicismo, o multiculturalismo e o “politicamente correto” estão entre elas? A crítica acadêmica e a crítica jornalística se “demitiram” do mesmo modo? As poesias nacionais em todas as línguas têm a mesma relevância poética? Como afirmá-lo, à falta de critérios universalmente aceitáveis?

AFB: Aí é que está. Apelo novamente para Antonio Candido, o crítico nacional que mais vezes, em seus ensaios, põe o dedo na chaga. Por que não há critérios aceitáveis na maioria dos críticos nacionais? Porque por trás dos critérios não há teorias consistentes. Alguém, só porque escreveu prosa ou poesia, se improvisa crítico. Por outro lado (e esta é uma contribuição minha, mesmo que, provavelmente, não original) há muitos professores/críticos que nunca criaram, que não têm noção prática das implicações de nenhum tipo de processo criativo.

Critérios universais já não há mesmo, mas há critérios e não critérios, como há críticos e não críticos. Deixemos os não críticos de lado.

Por trás de cada crítico há a sua formação, a sua prática, a sua especialização e a sua visão de mundo. Há crítica sociológica, psicanalítica, há crítica antropológica, há crítica ideológica (paleo ou neo-marxista, católica etc.), há a panaceia a que se deu o nome de crítica culturalista, há crítica baseada no gênero sexual etc. etc., enfim, a colcha de retalhos, cada um dos quais deveria ser dado ao leitor reconhecer.

A crítica literária deveria ser aquela que determina o valor artístico da obra literária.

O que é valor artístico?

Talvez seja mesmo esse o gargalo da crítica literária, no momento. Adianto: não é vale-tudo, mas é outro longo capítulo à parte.

Premiações

LD: Afirmei recentemente que os prêmios literários deveriam ter a capacidade de identificar autores promissores, o que os tornaria um fator real de estímulo à criação literária. O que você acha dos prêmios literários brasileiros? Você acredita ser possível torná-los realmente relevantes, ou isso é irrelevante?

AFB: Basicamente, o sistema de premiação chega a ser escandaloso de tão injusto. Em geral, são tantos os inscritos que nunca daria para os membros do júri tomarem conhecimento (lerem seriamente) de todas as obras no prazo concedido. Conclusão: acabam sendo escolhidos os autores mais conhecidos e algum sortudo, sorteado ao acaso.

O premio é bom especialmente quando permite ao autor um período de dedicação exclusiva, e/ou de contemplação, e/ou de aquisição de conhecimento. Nesse sentido ele pode ser relevante.

 

.  .  .  .  .  .  .  .  .  .

Confira respostas de João Adolfo Hansen para o mesmo questionário.

Confira respostas de Mauricio Salles Vasconcelos para o mesmo questionário.

Confira respostas de Leda Tenório da Mota para o mesmo questionário.