A Geometria Lírica de Jacques Douchez

(…) Cluny era de uma riqueza excepcional (…), ilustrando a vitalidade de uma espiritualidade completamente direcionada para o divino. Tudo era pouco para honrar e dignificar a Deus, como forma de justificar a pompa, magnificência artística e estética e grande elaboração da sua liturgia e da arte dos seus mosteiros. (…) a arte cluniacense inscrevia-se nesta perspectiva grandiosa, de grande qualidade e apuro estéticos, com uma riqueza de simbolismo patentes nas artes plásticas e na arquitetura.
Infopédia. Porto Editora, Portugal, 2003-2011.

A grande satisfação de se estar próximo de Jacques Douchez e de sua obra é descobrir e desvendar a amplitude e o fascínio dos símbolos e seus significados, material com o qual ele trabalha sempre com domínio e maestria.

Esta nova exposição individual de Douchez marca, em definitivo, seu retorno à pintura. Resultado de constante estudo, sua obra recente – longe de negar os postulados compartilhados com Samson Flexor no período da intensa atividade do Atelier Abstração – leva a limites máximos suas convicções, vislumbrando um continuísmo inusitado e riquíssimo de possibilidades e interpretações.

Douchez nasceu muito próximo a Cluny – centro principal e irradiador da cultura e arte da Alta Idade Média e alvo do mais desmedido anticlericalismo revolucionário do século XVIII – e em seu trabalho não ficou isento de certa religiosidade lato sensu – de contemplação e elevação. Adepto da racionalidade cartesiana e da busca da precisão clássica, nestas obras atuais o artista reforça mais uma vez a coerência que marca seus mais de sessenta anos de criação.

Incorporando um novo universo sensitivo à sua trajetória – que faz vibrar em novo diapasão o impacto da figura, da geometria e da perspectiva – podemos desvendar nova expressão que define, ainda que de maneira incompleta, o novo período de sua obra: Geometrismo Lírico. É algo que ultrapassa o conhecido, acrescentando lirismo à escola já consagrada da Abstração Geométrica.

A exposição está organizada em módulos, ordenados intrinsecamente: a consolidação do período do Atelier Abstração; a geometria linear e retilínea; a geometria curvilínea, marca instigante de sua carreira, e o uso experimental da geometrização mais livre do que nos períodos anteriores, que flerta contidamente com o Tachismo.

Distante do excessivo rigor de outras vertentes geométricas, Jacques Douchez mostra vitalidade surpreendente e abre caminho para uma renovação da Pintura, absolutamente bem-vinda e necessária à arte atual.


Jacques Douchez, A Garça III, 2007-2010 (Óleo sobre tela 100 X 75)
Foto: Nelson Aguilar

Jacques Douchez, Concreção, 1975-2008 (Óleo sobre tela, 99 X 105 cm)
Foto: Nelson Aguilar

Jacques Douchez, El Cargol II, 2008 (Óleo sobre tela, 123 X 177 cm)
Foto: Nelson Aguilar

Jacques Douchez, Floresta Tropical, 1965-2011 (Guache sobre papel, 51 X 89 cm)
Foto: Nelson Aguilar

Jacques Douchez, Os Anéis II, 2007 (Óleo sobre tela, 149 X 125 cm)
Foto: Nelson Aguilar.

 

Migração europeia e aporte de novas ideias

Jacques Douchez, que na juventude ensinou Língua e Literatura Francesa em Paris, adotou o Brasil em 1947. Nos anos de sua educação formal, em sua Borgonha natal de patrimônio histórico incalculável, respirara os ares do atelier de sua mãe, artesã de chapéus e broches que criava modelos em materiais como o feltro. Na cidade de Mâcon, onde nasceu, e na vizinha Cluny, Douchez também se familiarizou com arquiteturas de quase dez séculos de idade, que se tornariam uma das matrizes de seu universo plástico, como se verá adiante. Suas primeiras incursões no desenho datam de 1942. Em São Paulo, teve aulas com o pintor napolitano Caetanno de Genaro (1890-1959) e mais tarde se aproximou do artista de origem romena Samson Flexor (1907-1971), aqui chegado em 1948, e com ele participou, em 1951, da fundação do Atelier Abstração. Ao longo de nove anos de existência, pelo menos 24 pintores passaram por esse núcleo de trabalho.

Já o Atelier Abstração, frequentado por Douchez, encontrou referências sobretudo na Segunda Escola de Paris, que Flexor conhecera de perto. Grande admiração era votada também aos desenvolvimentos plásticos e teóricos do visionário artista, designer, arquiteto e professor da Escola Bauhaus Theo van Doesburg (1883-1931), um dos fundadores da revista De Stijl e do movimento abstracionista de mesmo nome. Parte dos ensinamentos do mestre Flexor embebia-se da mística pitagórica da chamada “proporção áurea” (ou “segmento áureo”), identificável em muitas de suas composições. Contudo, as serenas abstrações geométricas desse artista nos anos 1950 caminharam surpreendentemente para o informal a partir de 63, e de 67 até sua morte, em 1971, para uma pesquisa de luz e recortes no interior de inesperadas, monumentais e monstruosas figuras.


Informação

Exposição: Jacques Douchez Geometrismo Lírico
Curadoria: Antonio Carlos Abdalla
Abertura: quarta-feira, dia 28 de setembro de 2011, às 19h30
Local: Lordello & Gobbi Escritório de Arte
Período expositivo: de 29 de setembro a 28 de novembro
Endereço: Rua Peixoto Gomide, 2020, Jardim Paulista, São Paulo – SP
Horários: de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas. Entrada gratuita
Telefones: (11) 3088 1632 e 3081 6439
www.lordelloegobbi.com.br