LETTER TO THE AMERICANS (English/Portuguese)

On the board of S.S. “Rio Tunuyan”
The architect builder of Brasília City along with Oscar Niemeyer and poet/engineer Joaquim Cardozo

Texto escrito no começo dos anos 60 quando nos Estados Unidos a opinião pública, preocupada com o futuro, estava “down” diante do espantalho comunista.

Back home, I would like to say a few words to you, Americans. Although you have an easy life, I understand you are not happy with the trend of events. You worry, you feel the international flood mounting, you see no issue; the future looks dark, and you are pessimistic. Let me tell you that you are wrong. You are looking in the wrong direction, knocking at the wrong door. Right there behind you the doors are wide open, the path is free, you can walk in security towards the rising dawn.

Two years ago Vice-President Nixon was humiliated on his goodwill trip to South America; a few months later President Eisenhower was cheered everywhere abroad by enormous crowds. Why was this? What had happened between? Camp David. It was a spontaneous response from the world to the talks of Camp David. The so called spirit of Camp David. And what does this mean? It means the acceptance of facts, of reality as it is and not as we would prefer it to be; the willingness to understand and hence to coexist.

You may dislike the word – maybe you have heard it to often – but anyhow it is the right word. The first thing to do is to accept the idea of coexistence.

You are capitalists. Profit and success in its widest and purest sense is your main concern. Your freedom, your feelings, your thoughts, your actions somehow spring this basic concept. Well, worldwide war brings no profit whatsoever anymore. They are communists. They believe in collectivism as a means to attain individual liberation, just as you believe in mass production as a means to attain individual comfort. They have an ideal, but they are practical men, they intend to survive. The lethal prognostics of war are such that there is no choice for them or for any of us but to coexist.

I understand you strive for security. But the means of destruction being what they are, there is only one form of security – it is to avoid war. It is not a matter of giving up the fight or surrendering, except simply surrendering to fact. There is no question of option, but merely of fact, blissful fact, imposed – not by moral principles or religious beliefs – but by scientific and technological know-how. And this magnificent, tremendously moving fact is that we are on the threshold of a New Era, when the normal process of evolution, violently interrupted through the 19th century and the first half of the 20th by the industrial and technological revolution, will once more resume its course on a different scale (the jet and the rocket are not the evolution of the horse and buggy – they are a different thing altogether). A New Era is at hand where scientific and technological development will overcome the technocratic challenge and the Orwellian danger. Scientific and technological development brings with it in its womb a new concept of humanism that is not only to benefit certain castes, classes or sectors of the population alone, as in the past, when it was hampered by the natural limitations of the techniques of handicraft production, but is destined to extend to all mankind.

We still live oppressed by limitations, fears and prejudices, contingent or immemorial, superimposed as if it were on our true nature and therefore removable. In developed societies, “masks” are used for self-defense or to try to impress others and “succeed”; in underdeveloped societies, ignorance, disease and a hard work for a minimum benefit impede natural growth and expression of personality. Now, in this New Era that encircles us on all sides so closely that you can almost feel and touch it, scientific and technological development, besides freeing man from the bonds of hunger and poverty, will set up conditions capable of freeing him also from vulgarity and sophistication, these two extremes to which he is brought  by the contingencies of an artificial social hierarchy, and of leading him back to that authentic life, simple, well filled and natural, that is really worthy of his condition.

Scientific and technological development has, indeed, a fundamentally immanent coherence. The misuse that is so widely feared is always the result of  accidental factors, extraneous therefore to its intrinsic unshakable logic, which, carried to its ultimate consequences, is always in man’s favor and not to his detriment, inasmuch as we are all an integral part of the process. Scientific and technological development may be represented by a vertical line – an apple falls and that is it. Mystic, philosophical, political, commercial or social speculations may waver to the left or to the right, but they cannot go far astray or they will fail to work and will make no sense.

The final objective of  scientific and technological development is the liberation of man, and the liberation of man is also the ultimate goal, not only for your society – the new capitalistic society – but of collectivistic society as well. They are streams of that have different watersheds, but both converge to the same estuary. You inherited freedom from the very beginning. They have inherited despotism and made use of it, but the fundamental Marxist purpose is just that: freedom. And, believe it or not, they are Marxists still. It is wrong to suppose, as most ex-communists do – disturbed as they were by the Trotsky-Stalin feud – that competition between East and West is not ideological anymore, but simply a struggle for power in the Bismarckian  style, and that therefore the URSS and China will finally come to clash for leadership. Don’t be illuded by this fairy tale. In spite of differences in their approach, they have the same ideal and, strange as it may sound to your ears, they are honest people. They believe in the New Era. They feel that they are moving in the right direction and in accordance with the historical trend. You, instead, rejecting your progressive tradition, you turn your back on the New Era, you resist the flow of events, and move forward only when forced to do so by circumstances.

I can understand that, things being as they are, you need security, and building for war and peace simultaneously is still an advantage for you now. Although you pretend to lament the waste, you profit by it, for thus you maintain the normal rate of employment and avoid depression; at the same time you have that illusion of security. But the fact, the real fact, is that war on a worldwide scale is, from now on, impracticable, so, sooner or later you must face the facts, and facts are clear: you cannot destroy them, as you would like to; they cannot destroy you, as they wanted; neither of you can count on interior deterioration any more; you cannot go on forever stockpiling useless destructive rubbish, so you need to plan for peace and disarmament, and as a corollary thereto you must face the obsolescence of the notion of “balance of power” and consequently of leadership. Sure, competition will continue, but on different terms, on a different level. Instead of “leadership”, contribution: each individual and each country contributing with the maximum of their abilities and their power to the shaping of the New World that is no longer on this side of the Atlantic and will not be on the other side of the Pacific either; that is not left or right, but upwards; we must lift our minds to reach it, for it is no longer a question of space, but of time, growth and maturity. The New World now is the New Era. That is the point. You must accept and believe in the New Era. Then, and only then, the problems that obsess you  – Castro’s Cuba, neutral Laos, free Berlin, the admission of China, the pace lag – will acquire a different perspective. ”But this is exactly what they pretend.” Precisely. They are already reasoning in terms of the New Era, and you too must accept such terms and move forwards, not backwards. The sooner you understand this truth, the further you will participate, benefit and share in the shaping of the New Era. You have a natural right to it; it is a part of your heritage. The American approach and the socialist approach are twins, they are both offsprings of the Industrial Revolution. You have already made a tremendous contribution to the New Era: the American Century. But you have said the original things you had to say. The rest of the world cannot expect anything really new from you, anything that can outdo what you have already done, anything but perfection and refinement. The American Century as a unique historical entity is now coming to an end under your very eyes, which can neither realize nor understand it, and that is the profound cause of your national crisis. The American Century began with the War of Secession and is now drawing to a close – like happiness, you will only realize it when it is already gone. Significantly, MIT has just commemorated its first Centenial, 1861-1961 – your century. The next centennial to be commemorated will be the first World Century, the first century of the New Era, to the shaping of which the USA, the URSS, the Commonwealth, Europe, Asia, Africa, and Latin America will all contribute, each with its own genius and on its own particular way, so that the new humanism that scientific and technological development brings as an inherent gift, may finally grow, bloom and flourish.

Americans, you belong to the New Era. Look forward – that is your tradition. (1961)

 

CARTA AOS AMERICANOS

De volta à casa, gostaria de dizer algumas palavras a vocês, americanos. Apesar de terem vida fácil, percebo que não estão felizes com o desenrolar dos acontecimentos. Estão preocupados, sentem a maré internacional subindo, não vêem saída; o futuro parece sombrio, vocês estão pessimistas. Permitam-me dizer-lhes que estão enganados. Vocês estão olhando na direção errada, batendo na porta errada. E, bem atrás de vocês, as portas estão completamente abertas, o caminho livre, vocês podem caminhar com segurança em direção ao alvorecer.

Dois anos atrás, o vice-presidente Nixon foi humilhado em sua viagem de boa vontade à América do Sul; poucos meses depois, o presidente Eisenhower foi aplaudido por onde passava no exterior, por enormes multidões. Por que isso? O que aconteceu no intervalo? Camp David. Foi uma resposta espontânea do mundo às declarações de Camp David. O chamado espírito de Camp David. E qual o seu significado? É a aceitação dos fatos, da realidade como ela é e não como preferiríamos que fosse; a predisposição para entender, e assim, coexistir.

Vocês podem não gostar da palavra – talvez a tenham ouvido demais – mas, de qualquer maneira, é a palavra correta. A primeira coisa a fazer é aceitar a idéia de coexistência.

Vocês são capitalistas. Lucro e sucesso no seu sentido mais amplo são seu objetivo principal. Sua liberdade, seus sentimentos, seus pensamentos, suas ações, passam de alguma forma por esse conceito básico. Pois bem, pelo mundo a fora, a guerra, em termos mundiais, não trás mais nenhuma espécie de proveito; eles são comunistas. Acreditam no coletivismo como meio de atingir a libertação individual, exatamente como vocês acreditam na produção em massa como meio de atingir o conforto individual. Eles têm um ideal, mas são pessoas práticas, que pretendem sobreviver. Os prognósticos letais de guerra são de tal ordem que não resta escolha – para eles ou para qualquer um de nós – senão coexistir.

Compreendo que vocês anseiam por segurança. Mas os meios de destruição sendo o que são, só existe uma forma de segurança – é evitar a guerra. Não se trata de abrir mão da luta ou de rendição, senão de render-se simplesmente aos fatos. Não é questão de opção, mas de mero fato, bendito fato, imposto não por princípios morais ou crença religiosa – mas pelo próprio conhecimento científico e tecnológico. E o fato fabuloso e tremendamente significativo é que nos encontramos no limiar de uma Nova Era, quando o processo normal da evolução, violentamente rompido durante o século XIX e primeira metade do XX pela revolução tecnológica e industrial, vai mais uma vez retomar o seu curso, só que em outro nível e numa diferente escala (o jato e o foguete não são a “evolução” do cavalo e da carroça, – são outra coisa). Uma Nova Era estará ao alcance da mão quando o desenvolvimento científico e tecnológico se sobrepuser à incompreensão. O desenvolvimento científico e tecnológico trás em seu bojo um novo conceito de humanismo, que não beneficia apenas algumas castas, classes ou setores da população, como no passado, quando era condicionado pelas naturais limitações das técnicas da produção artesanal, mas se destina a abarcar a humanidade toda.

Nós ainda vivemos oprimidos por limitações, medos e preconceitos, contingentes ou imemoriais, que nos foram impostos como se fizessem parte da nossa verdadeira natureza – mas que são, na verdade, removíveis. Nas sociedades desenvolvidas usam-se “máscaras” para defesa própria, ou para tentar impressionar os outros e “ter sucesso”; nas sociedades subdesenvolvidas, ignorância, pouco caso e trabalho pesado para um benefício mínimo impedem o crescimento e a expressão natural da personalidade. Mas nessa Nova Era que já nos envolve por todos os lados, tão próxima que podemos quase senti-la e tocá-la, o desenvolvimento científico e tecnológico, além de libertar o homem das “amarras” da fome e da pobreza, criará condições para libertá-lo também da vulgaridade e da sofisticação – estes dois extremos a que é levado pelas contingências de uma hierarquia social artificialmente imposta – e de conduzi-lo de volta àquela vida simples, plena e natural, realmente digna da sua condição.

O desenvolvimento científico e tecnológico tem, de fato, uma coerência que lhe é inerente. O seu mau uso tão generalizadamente temido é sempre resultado de fatores acidentais, estranhos por conseguinte à sua lógica intrínseca inelutável, que, levada às últimas conseqüências, é sempre a favor do homem e não em seu detrimento, posto que somos parte integrante do processo. O desenvolvimento científico e tecnológico pode ser graficamente representado por uma linha vertical: é a “maçã que cai”, pois é disto que se trata. Especulações de sentido místico, filosófico, político, comercial ou social podem fazê-la oscilar para a esquerda ou para a direita, mas não afastar-se dela além da conta, pois deixam de funcionar e perdem o sentido.

A conseqüência final do desenvolvimento científico e tecnológico é a libertação do homem e essa libertação do homem é a meta última não apenas da sua sociedade – a nova sociedade capitalista – mas da sociedade coletivista também. São ambos rios que têm diferentes cursos, mas convergem para o mesmo estuário. Vocês herdaram a liberdade desde o primeiro momento. Eles herdaram o despotismo e o utilizaram , mas o propósito marxista fundamental é precisamente este: liberdade. E, acreditem ou não, eles ainda são marxistas. É errado supor, como muitos ex-comunistas fazem – perturbados como ficaram pela pendência Trotsky-Stalin – que a competição entre Leste e Oeste não é mais ideológica, mas simplesmente uma luta pelo poder no sentido bismarckiano, e que, portanto, a URSS e a China terminarão por se confrontar pela liderança. Não se iludam com este conto de fadas.

Apesar das suas diferenças de abordagem, têm o mesmo ideal e, por mais estranho que isto possa lhes parecer, eles são pessoas honestas. Eles acreditam na Nova Era. Sentem que estão caminhando na direção certa, e de acordo com o momento histórico. Vocês, pelo contrário, rejeitando sua tradição progressista, dão as costas à Nova Era, resistem ao curso dos acontecimentos e só andam para a frente quando premidos pelas circunstâncias.

Compreendo que, estando as coisas no pé em que estão, vocês precisam de segurança, e construir para guerra e paz ao mesmo tempo é ainda vantajoso para vocês agora. Apesar de pretenderem lamentar o desperdício, vocês lucram com ele, porque assim mantêm o nível de emprego e evitam a depressão; ao mesmo tempo, ficam com a ilusão de segurança. Mas o fato, o fato real, é que a guerra em escala mundial é, de agora em diante, impraticável; mais cedo ou mais tarde vocês terão de encarar os fatos, e os fatos são claros: vocês não podem destruí-los, como gostariam; eles não podem destruir vocês, como desejariam; nenhum de vocês pode mais contar com a deterioração interna; vocês não podem continuar indefinidamente estocando destrutiva sucata, de modo que precisam planejar para a paz e o desarmamento e, como corolário, encarar a obsolescência da noção de “equilíbrio de poder”, e conseqüentemente de liderança.

É claro, a competição continuará, mas em outros termos, num patamar diferente. Em vez de “liderança”, contribuição: cada indivíduo e cada país contribuindo com o máximo de suas habilidades e de seu poderio para a formação do Novo Mundo, que não fica mais deste lado do Atlântico, e nem será do outro lado do Pacífico. Que não está mais à esquerda ou à direita, mas acima de nós; precisamos elevar nossas mentes para alcançá-lo, pois não é mais questão de espaço, mas de tempo, desenvolvimento e maturidade.

O Novo Mundo é a Nova Era. Este é o ponto. Vocês precisam aceitar e crer na Nova Era. Então, e só então, os problemas que os perseguem – a Cuba de Castro, o Laos neutro, Berlim livre, a aceitação da China, a conquista do espaço – adquirirão perspectiva diferente. “Mas isto é exatamente o que eles pretendem”. Precisamente. Eles já estão raciocinando em termos da Nova Era, e vocês também precisam aceitar estes termos e andar para frente, não para trás. Quanto mais cedo vocês entenderem esta verdade, mais participarão, se beneficiarão, e partilharão da moldagem da Nova Era. Isto é um direito natural, é parte da sua herança.

A abordagem americana e a abordagem socialista são gêmeas, ambas decorrem da revolução industrial. Vocês já deram uma tremenda contribuição à Nova Era: o Século Americano. Mas já disseram o que de original tinham a dizer. O resto do mundo não deve esperar de vocês mais nada de realmente novo, nada que vá além do que vocês já fizeram, nada além de aperfeiçoamento e apuro. O Século Americano como entidade histórica única estará terminando agora, sob seus olhos, que não conseguem perceber ou compreender a situação, e é esta a causa profunda de sua crise nacional. O Século Americano começou depois da Guerra de Secessão e está agora se encerrando – é como a felicidade, a gente só se dá conta dela quando já passou. Significativamente, o M.I.T. acaba de comemorar seu primeiro centenário – 1861-1961 – o seu século. O próximo a ser comemorado será o primeiro Século Mundial, o primeiro Século da Nova Era, para cuja conformação os Estados Unidos, a União Soviética, o Commonwealth, a Europa, a Ásia, a África e a América Latina, – todos contribuirão, cada um com o seu gênio e de seu modo particular, de maneira que o novo humanismo que o desenvolvimento científico e tecnológico trás como inerente dádiva, possa brotar, crescer e florescer.

Americanos, vocês são parte da Nova Era. Olhem para a frente – esta é a sua tradição. (1961)

 

Tradução: Maria Elisa Costa