Anthropophagic Manifesto

Anthropophagous [Anthropophagic] Manifesto

Only anthropophagy unites us. Socially. Economically. Philosophically.

________________

The world’s one and only law. Masked expression of all individualisms, of all collectivisms. Of all religions. Of all peace treaties.

________________

Tupi, or not Tupi that is the question.

________________

Against all catechizations. And against the mother of the Gracchi.

________________

I am only interested in what is not mine. Law of man. Law of the anthropophagus.

________________

We are tired of all the distrustful Catholic husbands put in drama. Freud finished off the woman-enigma and other dreads of printed psychology.

________________

The one thing that trampled over truth was clothing, the impermeable layer between the inner world and the outer world. Reaction against the clad man. American movies will tell.

________________

Children of the sun, mother of the living. Fiercely met and loved, with all the hypocrisy of longing, by immigrants, slaves and tourists. In the country of the cobra grande.[1]

________________

That is because we never had grammars or collections of old plants. And we never knew what was urban, suburban, frontier and continental. Loafers on the world map of Brazil.
A participating consciousness, a religious rhythmics.

________________

Against all importers of canned consciousness. The palpable existence of life. And the study of prelogical mentality left to Mr. Levy-Bruhl.

________________

We want the Carahiba revolution. Bigger than the French Revolution. The unification of all effective uprisings toward man. Without us, Europe would not even have its wretched declaration of the rights of man. The golden age proclaimed by America. The golden age. And all the girls.[2]

________________

Filiation. The contact with Carahiban Brazil. Oú Villegaignon print terre. Montaigne. The natural man. Rousseau. From the French Revolution to Romanticism, to the Bolshevist Revolution, to the Surrealist Revolution and Keyserling’s technicized barbarian. We walk on.

________________

We were never catechized. We live through a somnambular law. We had Christ born in Bahia. Or in Belém do Pará.

________________

But we never admitted the birth of logic among us.

________________

Against Father Vieira. Who made our first loan, for a fee. The illiterate king had told him: put this on paper, but be not too crafty. So the loan was made. Brazilian sugar was taxed. Vieira left the money in Portugal and brought us craftiness.

________________

The spirit refuses to conceive spirit without body. Anthropomorphism. The necessity of an anthropophagic vaccine. For balance against meridian religions. And external inquisitions.

________________

We can only attend to the auracular[3] world.

________________

We had justice as codification of vengeance. Science as codification of Magic. Anthropophagy. The permanent transformation of Taboo into totem.

________________

Against the reversible world and objectified ideas. Deadened ideas. The stop[4] of dynamic thinking. The individual victimized by the system. Source of classical injustices. Of romantic injustices. And the oblivion of inner conquests.

________________

Routes. Routes. Routes. Routes. Routes. Routes. Routes.

________________

The Carahiban instinct.

________________

Death and life of hypotheses. From the self-equation part of the Kosmos to the Kosmos-axiom part of the self. Subsistence. Knowledge. Anthropophagy.

________________

Against plantlike elites. In communication with soil.

________________

We were never catechized. We had Carnival instead. The Indian dressed up as senator of the Empire. Pretending to be Pitt. Or featuring in Alencar’s operas full of good Portuguese feelings.

________________

We already had communism. We already had the surrealist language. The golden age.
Catiti Catiti
Imara Notiá
Notiá Imara
Ipejú.[5]

________________

Magic and life. We had the roster and the distribution of physical goods, of moral goods, of dignity goods. And we knew how to get past mystery and death with the aid of a few grammatical forms.

________________

I asked a man what Law was. He answered it was the assurance of the exercise of possibility. That man was called Galli Matias. I ate him.
There is no determinism where there is mystery. But what do we have to do with that?

________________

Against the stories of man, beginning at Cape Finisterre. The undated world. The unmarked world. No Napoleon. No Caesar.

________________

The fixation of progress by means of catalogues and television sets. Only machinery. And blood transfusers.

________________

Against antagonistic sublimations. Brought over in caravels.

________________

Against the truth of the missionary nations, defined by the wisdom of an anthropophagous, the Viscount of Cairu: – It is a lie repeated over and over.

________________

But there came no crusaders. There came fugitives from a civilization we are eating up, because we are as strong and as vengeful as the Tortoise.

________________

If God is the consciousness of the Uncreated Universe, Guaraci is the mother of the living. Jaci is the mother of plants.
We had no speculation. But we had divination. We had Politics as the science of distribution. And a planetary social system.

________________

Migrations. The escape from boring states. Against urban scleroses. Against Conservatories, and speculative boredom.

________________

From William James to Voronoff. The transfiguration of Taboo into totem. Anthropophagy.

________________

The paterfamilias and the creation of the Stork Fable: Actual ignorance of things + lack of imagination + authoritative attitude before the curious progeny.[6]

________________

One has to start from a profound atheism in order to reach the notion of God. But the Carahiba did not. Because they had Guaraci.

________________

The created objective reacts like the Fallen Angels. Then Moses strays. What do we have to do with that?

________________

Before the Portuguese discovered Brazil, Brazil had discovered happiness.

________________

Against the torch-bearing Indian. The Indian son to Mary, godson to Catherine de Médicis and son-in-law to Don Antônio de Mariz.

________________

Joy is the real proof.

________________

In the matriarchy of Pindorama.

________________

Against Memory as source of habit. The personal experience made anew.

________________

We are concretists. Ideas take hold, react, burn people in public squares. Let us suppress ideas and other paralyses. For routes. To believe in signs, to believe in instruments and stars.

________________

Against Goethe, the mother of the Gracchi, and the Court of Don John VI.

________________

Joy is the real proof.

________________

The struggle between what one might call Uncreated and the Creature – illustrated by the permanent contradiction of man and his Taboo. Daily love and capitalist modus vivendi. Anthropophagy. Absorption of the sacred enemy. To turn him into totem. The human adventure. The earthly finality. However, only the pure elites managed to realize carnal anthropophagy, which carries inside the highest meaning of life and averts all the ills identified by Freud, the ills of catechism. What happens is not a sublimation of sexual instinct. It is the thermometric scale of anthropophagic instinct. Once carnal, it turns elective and creates friendship. If affective, love. If speculative, science. It deviates, it transfers itself. We reach vilification. The base anthropophagy merged into the sins of catechism – envy, usury, calumny, murder. Plague of the so-called cultured and Christianized nations, that is what we are acting against. Anthropophagi.

________________

Against Anchieta singing the eleven thousand virgins of heaven, in the land of Iracema – the patriarch João Ramalho founder of São Paulo.

________________

Our independence has yet to be proclaimed. A typical phrase of Don John VI: – Son, put the crown on thy head before some adventurer doeth it! We expelled dynasty. We need to expel the Braganza spirit, the rule and the snuff of Maria da Fonte.

________________

Against the oppressive, clothed social reality recorded by Freud – reality without complexes, without madness, without prostitution, and without the penitentiaries of the matriarchy of Pindorama.

OSWALD DE ANDRADE.
In Piratininga.
Year 374 of the Swallowing of Bishop Sardinha.[7]

In: Revista de Antropofagia [Journal of Anthropophagy], São Paulo, 1 (1), May 1928.
Translated into English by Maria do Carmo Zanini in 2006

———————————-

Notes:

[1] Cobra grande [big snake], or boiúna, is a fantastic creature from Brazilian folklore.
[2] Original in English, girls.
[3] Aural + oracular.
[4] Original in English, stop.
[5] “New Moon, oh New Moon, breathe into Everyman memories of me.” From Couto de Magalhães’s O selvagem [The Savage].
[6] The original text reads “pro-curiosa”, most likely a misprint of prole curiosa [curious progeny].
[7] Bishop Pero Sardinha was cannibalized by Caeté Indians on the northeastern coast of Brazil in 1556.

 

 

 

Manifesto Antropófago

Só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente.

________________

Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismo (sic). De todas as religiões. De todos os tratados de paz.

________________

Tupi, or not tupi that is the question.

________________

Contra todas as catequeses. E contra a mãe dos Gracos.

________________

Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago.

________________

Estamos fatigados de todos os maridos católicos suspeitosos postos em drama. Freud acabou com o enigma mulher e com outros sustos da psicologia impressa.

________________

O que atropelava a verdade era a roupa, o impermeável entre o mundo interior e o mundo exterior. A reação contra o homem vestido. O cinema americano informará.

________________

Filhos do sol, mãe dos viventes. Encontrados e amados ferozmente, com toda a hipocrisia da saudade, pelos imigrados, pelos traficados e pelos turistas. No país da cobra grande.

________________

Foi porque nunca tivemos gramáticas, nem coleções de velhos vegetais. E nunca soubemos o que era urbano, suburbano, fronteiriço e continental. Preguiçosos no mapa-múndi do Brasil.
Uma consciência participante, uma rítmica religiosa.

________________

Contra todos os importadores de consciência enlatada. A existência palpável da vida. E a mentalidade prelógica para o Sr. Levi Bruhl estudar.

________________

Queremos a revolução Caraíba. Maior que a Revolução Francesa. A unificação de todas as revoltas eficazes na direção do homem. Sem nós a Europa não teria sequer a sua pobre declaração dos direitos do homem.
A idade de ouro anunciada pela América. A idade de ouro. E todas as girls.

________________

Filiação. O contacto com o Brasil Caraíba. Oú Villegaignon print terre. Montaigne. O homem natural. Rousseau. Da Revolução Francesa ao Romantismo, á Revolução Bolchevista, á Revolução surrealista e ao bárbaro tecnizado de Keyserling. Caminhamos.

________________

Nunca fomos catequizados. Vivemos através de um direito sonâmbulo. Fizemos Cristo nascer na Bahia. Ou em Belém do Pará.

________________

Mas nunca admitimos o nascimento da lógica entre nós.

________________

Contra o Padre Vieira. Autor do nosso primeiro empréstimo, para ganhar comissão. O rei analfabeto dissera-lhe: ponha isso no papel mas sem muita lábia. Fez-se o empréstimo. Gravou-se o açúcar brasileiro. Vieira deixou o dinheiro em Portugal e nos trouxe a lábia.

________________

O espírito recusa-se a conceber o espírito sem corpo. O antropomorfismo. Necessidade da vacina antropofágica. Para o equilíbrio contra as religiões de meridiano. E as inquisições exteriores.

________________

Só podemos atender ao mundo orecular.

________________

Tínhamos a justiça codificação da vingança. A ciência codificação da Magia. Antropofagia. A transformação permanente do Tabu em totem.

________________

Contra o mundo reversível e as idéias objetivadas. Cadaverizadas. O stop do pensamento que é dinâmico. O individuo vítima do sistema. Fonte das injustiças clássicas. Das injustiças românticas. E o esquecimento das conquistas interiores.

________________

Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros.

________________

O instinto Caraíba.

________________

Morte e vida das hipóteses. Da equação eu parte do Kosmos ao axioma Kosmos parte do eu. Subsistência. Conhecimento. Antropofagia.

________________

Contra as elites vegetais. Em comunicação com o solo.

________________

Nunca fomos catequizados. Fizemos foi Carnaval. O índio vestido de senador do Império. Fingindo de Pitt. Ou figurando nas operas de Alencar cheio de bons sentimentos portugueses.

________________

Já tínhamos o comunismo. Já tínhamos a língua surrealista. A idade de ouro.
Catiti Catiti
Imara Notiá
Notiá Imara
Ipejú. [1]

________________

A magia e a vida. Tínhamos a relação e a distribuição dos bens físicos, dos bens morais, dos bens dignários. E sabíamos transpor o mistério e a morte com o auxilio de algumas formas gramaticais.

________________

Perguntei a um homem o que era o Direito. Ele me respondeu que era a garantia do exercício da possibilidade. Esse homem chamava-se Galli Matias. Comi-o
Só não há determinismo, onde há mistério. Mas que temos nós com isso?.

________________

Contra as historias do homem, que começam no Cabo Finisterra. O mundo não datado. Não rubricado. Sem Napoleão. Sem César.

________________

A fixação do progresso por meio de catálogos e aparelhos de televisão. Só a maquinaria. E os transfusores de sangue.

________________

Contra as sublimações antagônicas. Trazidas nas caravelas.

________________

Contra a verdade dos povos missionários, definida pela sagacidade de um antropófago, o Visconde de Cairu: – É a mentira muitas vezes repetida.

________________

Mas não foram cruzados que vieram. Foram fugitivos de uma civilização que estamos comendo, porque somos fortes e vingativos como o Jabuti.

________________

Se Deus é a consciência do Universo Incriado, Guaraci é a mãe dos viventes. Jaci é a mãe dos vegetais.

________________

Não tivemos especulação. Mas tínhamos adivinhação. Tínhamos Política que é a ciência da distribuição. E um sistema social planetário.

________________

As migrações. A fuga dos estados tediosos. Contra as escleroses urbanas. Contra os Conservatórios, e o tédio especulativo.

________________

De William James a Voronoff. A transfiguração do Tabu em totem. Antropofagia.

________________

O páter-famílias e a criação da Moral da Cegonha: Ignorância real das coisas + falta de imaginação + sentimento de autoridade ante a pro-curiosa [sic].[2]

________________

É preciso partir de um profundo ateísmo para se chegar a idéa de Deus. Mas o caraíba não precisava. Porque tinha Guaraci.

________________

O objetivo criado reage como os Anjos da Queda. Depois Moisés divaga. Que temos nós com isso?

________________

Antes dos portugueses descobrirem o Brasil, o Brasil tinha descoberto a felicidade.

________________

Contra o índio de tocheiro. O índio filho de Maria, afilhado de Catarina de Médicis e genro de D. Antônio de Mariz.

________________

A alegria é a prova dos nove.

________________

No matriarcado de Pindorama.

________________

Contra a Memória fonte do costume. A experiência pessoal renovada.

________________

Somos concretistas. As idéias tomam conta, reagem, queimam gente nas praças publicas. Suprimamos as idéias e as outras paralisias. Pelos roteiros. Acreditar nos sinais, acreditar nos instrumentos e nas estrelas.

________________

Contra Goethe, a mãe dos Gracos, e a Corte de D. João VI.

________________

A alegria é a prova dos nove.

________________

A luta entre o que se chamaria Incriado e a Criatura – ilustrada pela contradição permanente do homem e o seu Tabu. O amor quotidiano e o modus vivendi capitalista. Antropofagia. Absorção do inimigo sacro. Para transformá-lo em totem. A humana aventura. A terrena finalidade. Porém, só as puras elites conseguiram realizar a antropofagia carnal, que traz em si o mais alto sentido da vida e evita todos os males identificados por Freud, males catequistas. O que se dá não é uma sublimação do instinto sexual. É a escala termométrica do instinto antropofágico. De carnal, ele se torna eletivo e cria a amizade. Afetivo, o amor. Especulativo, a ciência. Desvia-se e transfere-se. Chegamos ao aviltamento. A baixa antropofagia aglomerada nos pecados do catecismo – a inveja, a usura, a calúnia, o assassinato. Peste dos chamados povos cultos e cristianizados, é contra ela que estamos agindo. Antropófagos.

________________

Contra Anchieta cantando as onze mil virgens do céu, na terra de Iracema – o patriarca João Ramalho fundador de São Paulo.

________________

A nossa independência ainda não foi proclamada. Frase típica de D. João VI: – Meu filho, põe essa coroa na tua cabeça, antes que algum aventureiro o faça! Expulsamos a dinastia. É preciso expulsar o espírito bragantino, as ordenações e o rapé de Maria da Fonte.

________________

Contra a realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud – a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e sem penitenciarias do matriarcado de Pindorama.

OSWALD DE ANDRADE.
Em Piratininga.
Ano 374 da Deglutição do Bispo Sardinha. [3]

In: Revista de Antropofagia, São Paulo, 1 (1), maio de 1928.


—————————-

Notas:

[1] “Lua Nova, ó Lua Nova, assopra em Fulano lembranças de mim.” In: O selvagem, de Couto de Magalhães.
[2] Provavelmente um erro de impressão. Talvez deva-se ler “prole curiosa”.
[3] O Bispo Pero Sardinha foi devorado pelos caetés em 1556.

 

 

 

Manifesto Antropofago[1] — 1928

Só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Philosophicamente.

________________

Unica lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os collectivismo [sic]. De todas as religiões. De todos os tratados de paz.

________________

Tupy, or not tupy that is the question.

________________

Contra todas as cathecheses. E contra a mãe dos Gracchos.

________________

Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropofago.

________________

Estamos fatigados de todos os maridos catholicos suspeitosos postos em drama. Freud acabou com o enigma mulher e com outros sustos da psychologia impressa.

________________

O que atropelava a verdade era a roupa, o impermeavel entre o mundo interior e o mundo exterior. A reacção contra o homem vestido. O cinema americano informará.

________________

Filhos do sol, mãe dos viventes. Encontrados e amados ferozmente, com toda a hypocrisia da saudade, pelos imigrados, pelos traficados e pelos touristes. No paiz da cobra grande.

________________

Foi porque nunca tivemos grammaticas, nem colecções de velhos vegetaes. E nunca soubemos o que era urbano, suburbano, fronteiriço e continental. Preguiçosos no mappa mundi do Brasil.
Uma consciencia participante, uma rythmica religiosa.

________________

Contra todos os importadores de consciencia enlatada. A existência palpável da vida. E a mentalidade prelógica para o Sr. Levi Bruhl estudar.

________________

Queremos a revolução Carahiba. Maior que a Revolução Francesa. A unificação de todas as revoltas eficazes na direção do homem. Sem nós a Europa não teria siquer a sua pobre declaração dos direitos do homem.
A edade de ouro annunciada pela America. A edade de ouro. E todas as girls.

________________

Filiação. O contacto com o Brasil Carahiba. Oú Villeganhon print terre. Montaigne. O homem natural. Rousseau. Da Revolução Francesa ao Romantismo, á Revolução Bolchevista, á Revolução surrealista e ao barbaro technizado de Keyserling. Caminhamos.

________________

Nunca fomos cathechisados. Vivemos atravez de um direito sonambulo. Fizemos Christo nascer na Bahia. Ou em Belem do Pará.

________________

Mas nunca admittimos o nascimento da logica entre nós.

________________

Contra o Padre Vieira. Autor do nosso primeiro emprestimo, para ganhar comissão. O rei analphabeto dissera-lhe: ponha isso no papel mas sem muita labia. Fez-se o emprestimo. Gravou-se o assucar brasileiro. Vieira deixou o dinheiro em Portugal e nos trouxe a labia.

________________

O espirito recusa-se a conceber o espirito sem corpo. O antropomorfismo. Necessidade da vaccina antropofagica. Para o equilibrio contra as religiões de meridiano. E as inquisições exteriores.

________________

Só podemos attender ao mundo orecular.

________________

Tinhamos a justiça codificação da vingança. A sciencia codificação da Magia. Antropofagia. A transformação permanente do Tabú em totem.

________________

Contra o mundo reversivel e as idéias objectivadas. Cadaverizadas. O stop do pensamento que é dynamico. O individuo victima do systema. Fonte das injustiças classicas. Das injustiças romanticas. E o esquecimento das conquistas interiores.

________________

Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros.

________________

O instincto Carahiba.

________________

Morte e vida das hypotheses. Da equação eu parte do Kosmos ao axioma Kosmos parte do eu. Subsistencia. Conhecimento. Antropofagia.

________________

Contra as elites vegetaes. Em comunicação com o sólo.

________________

Nunca fomos cathechizados. Fizemos foi Carnaval. O indio vestido de senador do Imperio. Fingindo de Pitt. Ou figurando nas operas de Alencar cheio de bons sentimentos portuguezes.

________________

Já tinhamos o communismo. Já tinhamos a lingua surrealista. A edade de ouro.
Catiti Catiti
Imara Notiá
Notiá Imara
Ipejú.[2]

________________

A magia e a vida. Tinhamos a relação e a distribuição dos bens physicos, dos bens moraes, dos bens dignarios. E sabiamos transpor o mysterio e a morte com o auxilio de algumas formas grammaticaes.

________________

Perguntei a um homem o que era o Direito. Elle me respondeu que era a garantia do exercicio da possibilidade. Esse homem chamava-se Galli Mathias. Comi-o
Só não há determinismo, onde há mistério. Mas que temos nós com isso?.

________________

Contra as historias do homem, que começam no Cabo Finisterra. O mundo não datado. Não rubricado. Sem Napoleão. Sem Cesar.

________________

A fixação do progresso por meio de catalogos e apparelhos de televisão. Só a maquinária. E os transfusores de sangue.

________________

Contra as sublimações antagonicas. Trazidas nas caravellas.

________________

Contra a verdade dos povos missionarios, definida pela sagacidade de um antropofago, o Visconde de Cayrú: – É a mentira muitas vezes repetida.

________________

Mas não foram cruzados que vieram. Foram fugitivos de uma civilização que estamos comendo, porque somos fortes e vingativos como o Jaboty.

________________

Se Deus é a consciencia do Universo Increado, Guaracy é a mãe dos viventes. Jacy é a mãe dos vegetaes.

________________

Não tivemos especulação. Mas tinhamos adivinhação. Tinhamos Politica que é a sciencia da distribuição. E um systema social planetario.

________________

As migrações. A fuga dos estados tediosos. Contra as escleroses urbanas. Contra os Conservatorios, e o tedio especulativo.

________________

De William James a Voronoff. A transfiguração do Tabú em totem. Antropofagia.

________________

O pater familias e a creação da Moral da Cegonha: Ignorancia real das coisas + falta de imaginação + sentimento de authoridade ante a pro-curiosa [sic].[3]

________________

É preciso partir de um profundo atheismo para se chegar a idéa de Deus. Mas o carahiba não precisava. Porque tinha Guaracy.

________________

O objectivo creado reage como os Anjos da Queda. Depois Moysés divaga. Que temos nós com isso?

________________

Antes dos portuguezes descobrirem o Brasil, o Brasil tinha descoberto a felicidade.

________________

Contra o indio de tocheiro. O indio filho de Maria, afilhado de Catharina de Medicis e genro de D. Antonio de Mariz.

________________

A alegria é a prova dos nove.

________________

No matriarcado de Pindorama.

________________

Contra a Memoria fonte do costume. A experiencia pessoal renovada.

________________

Somos concretistas. As idéas tomam conta, reagem, queimam gente nas praças publicas. Suprimamos as idéas e as outras paralysias. Pelos roteiros. Acreditar nos signaes, acreditar nos instrumentos e nas estrellas.

________________

Contra Goethe, a mãe dos Gracchos, e a Côrte de D. João VIº.

________________

A alegria é a prova dos nove.

________________

A lucta entre o que se chamaria Increado e a Creatura – illustrada pela contradição permanente do homem e o seu Tabú. O amor quotidiano e o modus-vivendi capitalista. Antropofagia. Absorpção do inimigo sacro. Para transformal-o em totem. A humana aventura. A terrena finalidade. Porém, só as puras elites conseguiram realisar a antropofagia carnal, que traz em si o mais alto sentido da vida e evita todos os males identificados por Freud, males cathechistas. O que se dá não é uma sublimação do instincto sexual. É a escala thermometrica do instincto antropofagico. De carnal, elle se torna electivo e cria a amizade. Affectivo, o amor. Especulativo, a sciencia. Desvia-se e transfere-se. Chegamos ao aviltamento. A baixa antropofagia agglomerada nos pecados do cathecismo – a inveja, a usura, a calumnia, o assassinato. Peste dos chamados povos cultos e christianisados, é contra ella que estamos agindo. Antropofagos.

________________

Contra Anchieta cantando as onze mil virgens do céu, na terra de Iracema – o patriarcha João Ramalho fundador de São Paulo.

________________

A nossa independencia ainda não foi proclamada. Frase typica de D. João VIº: – Meu filho, põe essa corôa na tua cabeça, antes que algum aventureiro o faça! Expulsamos a dynastia. É preciso expulsar o espirito bragantino, as ordenações e o rapé de Maria da Fonte.

________________

Contra a realidade social, vestida e oppressora, cadastrada por Freud – a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e sem penitenciarias do matriarcado de Pindorama.

OSWALD DE ANDRADE.
Em Piratininga.
Anno 374 da Deglutição do Bispo Sardinha.[4]

In: Revista de Antropofagia, São Paulo, 1 (1), maio de 1928.

 


———————————

Notas:

[1] Baseado na edição fac-similar do primeiro número da Revista de Antropofagia, que consta da Caixa modernista, organizada por Jorge Schwartz e publicada pela Edusp/Imprensa Oficial em 2003.
[2] “Lua Nova, ó Lua Nova, assopra em Fulano lembranças de mim.” In: O selvagem, de Couto de Magalhães.
[3] Provavelmente um erro de impressão. Talvez deva-se ler “prole curiosa”.
[4] O Bispo Pero Sardinha foi devorado pelos caetés em 1556.