Detestei

Nossa, que coisa baixa esse poema, um rancor, uma raiva, de uma perversidade… Detestei, o sr. Frederico Barbosa poderia abster-se desse ridículo…
Paulo Sabino