O poeta Murilo Mendes finalmente em catálogo

A Cosac Naify começou a reeditar, depois de anos fora de circulação, a obra completa ­– poesia e prosa – de Murilo Mendes (1901-1975). A coordenação do projeto está a cargo de dois especialistas em sua obra: Júlio Castañon Guimarães e Murilo Marcondes de Moura. Os títulos lançados agora em setembro de 2014 são: Poemas (1930), primeiro livro de Murilo; A idade do serrote (1968), memórias da infância e da adolescência, e Convergência (1970), último livro de poemas publicado em vida por ele. Foi lançada também uma Antologia poética, poemas selecionados por Castañon e Marcondes de Moura – inédita.

murilomendes2

Grafito numa cadeira

Cadeira operada dos braços
Fundamental que nem osso

Não poltrona com pés de metal
Knoll
Ou projetada por um sub-Moholy Nagy
Com nota didascálica

Antes cadeira no duro
Cadeira de madeira
Anônima
Inânime
Unânime
Cadeira quadrúpede

Não aguardas
Nenhuma “iluminação” particular
Nem assento e clavícula de nenhuma deusa
Que te percutisse — gong —
Nem de nenhum Van Gogh
Que súbito te tornasse
Eterna

Roma, 1964
In: MENDES, Murilo. Convergência, 1963/1966: 1 — convergência; 2 — sintaxe. São Paulo: Duas Cidades, 1970.