Omissão sem argumentos

O Diretor da Casa das Rosas produziu, de três de fevereiro para cá, um gratuito e brutal ataque-poemeto à família de Régis Bonvicino e à honra de Régis Bonvicino, articulou com Claudio Alexandre de Barros Teixeira, vulgo Cláudio Daniel, um manifesto de apoio a si mesmo, que, ao final, pede sua permanência em um cargo no qual está há mais de oito anos (dois mandatos de Presidente da República), “falsificou” seu poeminha-ataque, dizendo que não disse o que disse em uma “segunda versão” (segunda versão em torno do dia 21/02), ofendeu, continuamente, durante duas semanas, pessoas no FACEBOOK, ao lado de Claudio Alexandre de Barros Teixeira, vulgo Cláudio Daniel, não teve a hombridade de se retratar publicamente no website da Casa das Rosas, pedindo desculpas por seu ato vil a quem deveria, e, até agora, passados 22 dias, não respondeu ao artigo de Luis Dolhnikoff, com qualquer argumento intelectual.  O presidente da Poesis, Clóvis Carvalho, ex-Ministro da Casa Civil de FHC, não vai sair da sombra e se manifestar também? Será que ele não sabe como agir, apesar de toda a sua experiência administrativa, acumulada em 35 anos de carreira pública? Regis Bonvicino, em 24 de fevereiro de 2012

Sibila avalia a Casa das Rosas / Espaço Haroldo de Campos