Homenagem a Ângelo de Lima

Maria

Maria é o santo nome de minha mãe…
Mas a que vem aqui o falar de minha mãe?
Ela é um ente puro sem mancha, uma alma branca
e célica…
Eu, eu sou o mais gasto dos depravados, cínico,
sem alma e sem consciência, o mal e a desgraça
n’um velho e corrupto corpo

 

Ave Myriam

— Ave Myriam!…
Suprema Graça
Luz como a Estrela D’alva do Dia!
Ave Mirya(m)!
Mística!
Eterna!… no Céu…
—  Que passa

 

Soneto

Pára-me de repente o Pensamento…
— Como se de repente sofreado
Na Douda Correria… em que, levado…
— Anda em Busca… da Paz… do Esquecimento

— Pára Surpreso… Escrutador… Atento
Como pára… um Cavalo Alucinado
Ante um Abismo… ante seus pés rasgado…
— Pára… e Fica… e Demora-se um Momento….

Vem trazido na Douda Correria
Pára à beira do Abismo e se demora
E Mergulha na Noute, Escura e Fria

Um Olhar d’Aço, que na Noute explora…
— Mas a Espora da dor seu flanco estria…
— E Ele Galga… e Prossegue… sob a Espora!

 

Qual?…

– Ó Sábios dos Segredos Silenciosos?…
– Ó Espírito Grande Além da Vida!
– Ó Céus Fatos d’Acaso Misteriosos!…
– Ó Noute Grande pelos Céus Tecida.
– Ó Segredos do Avir Impenetráveis!
Cintis da Esp’rança….
E tétricos de medos…

– Quem soubera os Fatídicos Segredos
do Destino de Vindas Implacáveis?…

 

A Deusa de Rhada


Oh Rhada! És a verdade!… a dor da vida
Mãe da Alma, do Amor e da Paixão (pausa)
És a Luz!… a Harmonia! a Dor! o Olor o Atroz!

 

Ângelo Vaz Pinto Azevedo Coutinho de Lima (Porto, 30 de Julho de 1872 – Lisboa, 14 de Agosto de 1921), pintor e poeta louco da revista Orpheu.

Nasce no Porto em 1872, filho de Pedro de Lima e de Maria Amália Azevedo Coutinho de Lima. Foi uma criança precoce e sonhadora. Em 1882, vai estudar para o Colégio Militar em Lisboa (aluno nº 205). Em 1883, o seu pai morre louco (segundo Ângelo de Lima, a causa teria sido uma sífilis terciária). É também nesse ano, que se torna “muito onanista” e fumador, segundo confessa na sua curta autobiografia. Em 1888, é expulso do Colégio Militar, por repetente, e regressa ao Porto, onde frequenta as aulas da Academia de Belas-Artes, a que, segundo ele, “gazeteava notavelmente”.

Em data não especificada, assenta praça. Militar disciplinado, chega ao posto de 2º sargento de Infantaria nº 6, sendo bem-quisto dos subordinados e dando boa conta do serviço. Contudo, as rotinas inúteis e o tédio de caserna inclinam-no ao alcoolismo e em certa ocasião provoca um desacato que lhe valeu 30 dias de prisão correccional. É aliciado por alguns camaradas a participar na revolta republicana do 31 de Janeiro de 1890 no Porto, mas tal não vem a acontecer. Em 1890 alista-se num projectado Batalhão Académico (que viria a ser proibido pelo Governo) e em 1891, por espírito de aventura, integra-se numa expedição militar destinada a Manica, em Moçambique. Ao passar por Adem, entristecido, toma conhecimento do falhanço da revolta do 31 de Janeiro.

Depois de sete meses em África (“com as vísceras flutuando em vinho”), em 1892, regressa à metrópole e retoma os estudos na Academia de Belas-Artes do Porto, com maior proveito. Vai depois para Monsanto onde presta serviço militar. Em 1894, substitui o pintor António Carneiro como director artístico da revista A Geração Nova. No Porto, parece ter andado fortemente excitado, inflamado de amores por uma senhora que diziam ser sua irmã natural (filha bastarda do seu pai). Esse facto não terá sido alheio ao seu internamento a 20 de Novembro desse ano, no Hospital do Conde de Ferreira, com o diagnóstico de “delírio de perseguição, num degenerado hereditário, ideias de perseguição, alucinações do ouvido, desconfianças de família, insónia, períodos de forte excitação”. No final de Janeiro de 1898, sai do Hospital do Conde de Ferreira e é asilado, por algum tempo, no hospício dos Irmãos de São João de Deus, perto do Cacém. Segue depois para o Algarve onde vive durante dois anos, onde pintou “com irregular facilidade, alguma coisita”.

Em 1900, vai morar para Lisboa, onde vive “quase sem ter que fazer, com alguma irregularidade, embora melhor, com umas 4 ou cinco, se tanto, maiores estroinices (…) aplicado geralmente a trabalho de gestão em ilustração e correcção em censo, da mentalidade”. Numa noite de Dezembro de 1901, é preso pelo crime de proferir uma obscenidade (“praticado como explosão do aperto em que o punham”) e causar escândalo em pleno “promenoir” do Teatro Dona Amélia, o que levará a que, em 19 desse mês, seja internado no Hospital de Rilhafoles (actual Hospital Miguel Bombarda). Na perícia médico-legal que lhe faz, o psiquiatra Dr. Miguel Bombarda declara-o alienado e inimputável (seria um esquizofrénico paranóide, segundo a terminologia actual), e descreve-o assim: “Grande altura (1,70 m). Corpo e membros ‘elancés’. Dedos muito longos, encurvados. Orelhas grandes, mal formadas, de lóbulo muito curto em ponta aderente. Crânio muito alto; depressão na glabela, convexidade frontal muito pronunciada. (…) Face muito longa. Campo visual normal (…) Cavidade bucal muito espaçosa. Dentes cariados, alguns mal implantados. Queixo recuado.”

Em 5 de Setembro de 1902, o jornal O Dia publica um artigo sobre os alienados do Rilhafoles. Ângelo de Lima é descrito como tendo um aspecto triste e doentio, tomado de uma enorme depressão: “não me sinto bem, cada dia me parece um degrau descido a mais…” No hospital, escreve, desenha, e pinta (lastimosamente, segundo o Dr. Miguel Bombarda). Entretanto, os seus poemas, alguns com laivos simbolistas, mas outros com características marcadamente delirantes e surreais, repletos de neologismos, versos de sentido incompreensível, provocam a admiração dos futuristas que, em Junho 1915, em atitude provocadora para espantar o burguês lisboeta, lhe publicam alguns textos no nº 2 da Orpheu.

Ângelo de Lima permaneceria internado no Rilhafoles até ao final da sua vida, aos 49 anos.

 

——————–
Bibliografia

Poesias Completas, Inova, Porto, 1971; Assírio e Alvim, Lisboa, 1991

Poemas in Orpheu 2 e outros escritos, Hiena, Lisboa, 1984.