Poemas de Stefano Raimondi

Tradução de Prisca Agustoni

Mio padre, che nome continuo.
Raccoglie vene di memoria
in cambio di respiro.

Rimugina giornate

− la domenica è
da un momento all’altro
l’estrema calma –

e nel giardino mi legge vicino
senza nessuna pietà.

Meu pai, que nome contínuo.
Recolhe veias de memória
em troca de respiro.

Remexe dias

− o domingo se torna
de súbito
a extrema calma –

e no jardim lê perto de mim
sem nenhuma piedade.

Un bacio solo mi convinse
e non so, ora, quale storia raccontare
per fare un tempo vero, cosa
dire. Orlo e ciglio
brace e braciere
occhio e pupilla:
quello che abbiamo visto finora
è un’ammenda strana.

Um beijo só me convenceu
e não sei, agora, qual história contar
para fazer um tempo verdadeiro, o que
dizer. Orla e soleira
brasa e braseiro
olho e pupila:
aquilo que vimos até agora
é um estranho ressarcimento.

Le stagioni si chiudono a cerchio
e tu stai come in un assedio.
Nessuno fa il conto vero degli inverni
passati con poca acqua.

As estações fecham-se em círculo
e você está como em um assédio.
Ninguém faz a verdadeira conta dos invernos
transcorridos com pouca água.

Questa notte separa e cade.

Porta
un buio strano di clessidra:

scende
a filo a filo, piano, come un

sussurro
che porta guarigioni.

Che strano quando le parole
della vita iniziano a tremare
quando non basta neppure l’eco
di una spina dorsale
a tenere tutte le notti insieme.
Prendere a spallate il silenzio
fino a farlo cadere, non basta.

Non c’è bene che tenga
in piedi una parola sola.

Stare tra la scheggia e il dolore cambia.

Essa noite separa e cai.

Carrega
uma escuridão estranha de clepsidra:

desce
fio a fio, devagar, como um

sussurro
que leva curas.

Estranho quando as palavras
da vida começam a tremer
quando não basta nem mesmo o eco
de uma espinha dorsal
para juntar todas as noites.
Dar um empurrão no silêncio
até que ele caia, não basta.

Não há bem que faça
ficar em pé uma palavra sozinha.

Estar entre a farpa e a dor nos transforma.

Un colpo di gelo.
E sotto la lingua, il segno
di una parola sola rassicura.

Finalmente è finita
la poca pace
dirottata dalle ossa.

Si piegano le parole più bianche
tra i lini leggeri quelli
che spariscono, che non lasciano traccia.

Dall’altra parte preparano carezze
di un colore infinito. E qui
sui balconi volano fili bianchi
fili azzurri dove appendere
tutto il tuo nome, dove
fare segnali di pace e pregare.

Um golpe de gelo.
E sob a língua, o signo
de uma só palavra tranquilizada.

Finalmente terminou
a pouca paz
sequestrada pelos ossos.

Dobram-se as palavras mais brancas
entre os leves linhos aqueles
que desaparecem, que não deixam rastros.

Do outro lado preparam carícias
de uma cor infinita. E aqui
sobre os balcões voam fios brancos
fios azuis onde pendurar
todo o teu nome, onde
dar sinais de paz e rezar.

E lo spezzò e disse:
“sarete voi i promemoria, voi
ora così ripetuti, così figli”.

Ci toccheranno albe di sabbie
responsoriali, giorni invischiati
al deserto, bocche promesse
per questo amore fatto di prime parole
per questa mano che ha preso per pane il viso.

E o partiu e disse:
“vocês serão as lembranças, vocês
agora tão repetidos, tão filhos”.

Nos tocarão amanheceres de areias
responsoriais, dias enviscados
ao deserto, bocas prometidas
para esse amor feito de primeiras palavras
para essa mão que tomou por pão o rosto.

Sobre Stefano Raimondi

Nasceu em Milão, onde mora, em 1964. Formado em Filosofia, fundou a revista Materiali di Estetica. Seus poemas e ensaios sobre as obras dos poetas Philippe Jaccottet, Yves Bonnefoy, René Char, Paul Celan, Nelly Sachs e o pintor Nicholas de Staël foram divulgados em diversas revistas italianas. Publicou também uma monografia sobre a obra do poeta italiano Vittorio Sereni. Os poemas aqui traduzidos foram extraídos do livro La città dell’orto (Bellinzona, Casagrande, 2002).