POEMAS

Molto sottrae il sonno alla vita.
L’opera sospinta al margine del giorno
scivola lenta nel silenzio.
La mente sottratta a se stessa
si ricopre di palpebre.
E il sonno si allarga nel sonno
come un secondo corpo intollerabile.

 

Muito subtrai o sono à vida.
A obra impelida à margem do dia
desliza lenta no silêncio.
A mente subtraída a si mesma
encobre-se de pálpebras.
E o sono se alarga no sono
como um segundo corpo intolerável.

 

Preferisco venire dal silenzio
per parlare. Preparare la parola
con cura, perché arrivi alla sua sponda
scivolando sommessa come una barca,
mentre la scia del pensiero
ne disegna la curva.
La scrittura è una morte serena:
il mondo diventato luminoso si allarga
e brucia per sempre un suo angolo.

 

Prefiro vir do silêncio
para falar. Dispor da palavra
atento, para que chegue à sua margem
deslizando submisso como um barco,
enquanto um rastro de idéia
desenha sua curva.
A escrita é morte serena:
o mundo luminoso se alarga
queima para sempre um de seus cantos.

 

Scivola la penna
verso l’inguine della pagina,
e in silenzio si raccoglie la scrittura.
Questo foglio ha i confini geometrici
di uno stato africano, in cui dispongo
i filari paralleli delle dune.
Ormai sto disegnando
mentre racconto ciò
che raccontando si profila.
È come se una nube
arrivasse ad avere
forma di nube.

 

Desliza a caneta
para a virilha da página,
e em silêncio apanha a escrita.
Esse papel tem confins geométricos
de um estado africano, onde coloco
as fileiras paralelas das dunas.
Já estou desenhando
enquanto conto aquilo
que contando se perfila
É como se uma nuvem
chegasse a ter
forma de nuvem.

 

S’introduce a volte nel pensiero
come nell’acqua, un riflesso
che l’attraversa e ne misura il fondale.
É un occhio che si apre
dentro le lucide onde e vi affonda.
La linea si distende e la luce
discendendo si quieta.
La mente torna allora a chiudersi
nello sforzo verticale e profondo
della ferita e del gorgo.

 

Às vezes se introduz no pensamento
como na água, um reflexo
que o atravessa e mistura seu leito.
É um olho que se abre
dentro das lúcidas ondas e nelas afunda.
A linha se estende e a luz
mergulhando se aquieta.
A mente volta agora a fechar-se
no esforço vertical e profundo
da ferida e do remoinho.

 

Non ho un bicchiere d’acqua
sopra il letto:
ho questo quaderno.
A volte ci segno parole nel buio
e il giorno che segue le trova
deformate dalla luce e mute.
Sono oggetti notturni
posati ad asciugare,
che nel sole s’incrinano
e scoppiano. Restano pezzi sparsi,
povere ceramiche del sonno
che colmano la pagina.
È il cimitero del pensiero
che si raccoglie tra le mie mani.

 

Não tenho um copo de água
sobre a cama:
tenho esse caderno.
Às vezes anoto palavras no escuro
e o dia que segue as encontra
deformadas pela luz e mudas.
São objetos noturnos
deixados para secar,
que no sol se racham
e explodem. Restam pedaços esparsos,
pobres cerâmicas do sono
que preenchem a página.
É o cemitério da idéia
que se recolhe entre minhas mãos.

 

La variazione della parola
fa scivolare il pensiero
lungo la pagina.
Come uno spettro luminoso
il verbo lentamente muta
e trascolora.
Sono innesti graduali,
ogni segno conosce
un’alba ed una sera.
A volte muoiono
popoli di vocaboli
secondo le carestie
silenziose della mente.
Capita anche che giungano sul foglio
nomi improvvisi, nomadi
che vagano qualche tempo
prima di ripartire.
Io osservo tutto questo
perché sono il custode del quaderno
e prima della notte faccio il giro
per chiuderne le porte.

 

A variação da palavra
faz deslizar o pensamento
ao longo da página.
Como um espectro luminoso
o verbo lentamente muda
e desbota.
São graduais enxertos,
cada signo conhece
um amanhecer e uma noite.
Às vezes morrem
povos de vocábulos
de acordo com as carestias
silenciosas da mente.
Chegam ao papel
nomes súbitos, nômades
que vagueiam algum tempo
antes de partir de novo.
Observo isso agora
Porque sou o vigia das linhas
antes da noite faço uma ronda
para fechar suas portas.

 

 

Traduções: Prisca Agustoni.

Sobre Valerio Magrelli

Nasceu em Roma, em 1957, onde reside. Tradutor, dirigiu a série trilíngüe da coleção da editora Einaudi (Torino) “escritores traduzidos por escritores”, e colabora com revistas e periódicos nacionais. Ensina literatura francesa na Universidade de Cassino. Os poemas traduzidos foram extraídos do livro Ora serrata retinae, de 1980, reunido na antologia Poesie (1980-1992) e altre poesie (Torino, Giulio Einaudi Editore, 1996).