Poemas de Bei Dao

1. Resposta

A degradação é o passaporte do vilão,
A nobreza é epitáfio do nobre.
Olhe: como o céu dourado é inundado
do reflexo das sombras torcidas dos mortos.

Passada a época do gelo,
Por que ainda há gelo em toda a parte?
Já foi descoberto O Cabo da Boa Esperança,
por que mil velas ainda competem no Mar Morto?

Eu vim para este mundo
trazendo apenas papel, corda e sombra,
para anunciar antes do julgamento
a voz que tenha sido julgada:

Tenho de lhe dizer, mundo,
Eu-não-acredito!
Mesmo que haja mil desafiantes a seus pés,
conte comigo como o milésimo primeiro.

Não acredito que o céu seja azul;
Não acredito em ecos do trovão;
Não acredito que os sonhos sejam irreais;
Não acredito que a morte não seja retaliada.

Se o mar é destinado a quebrar os diques
deixe todas as águas amargas me encherem o coração;
Se o continente é destinado a crescer
deixe a humanidade optar por outro pico da existência.

Novas mudanças e estrelas a brilhar
estão a adornar o céu sem obstáculos;
São pictogramas de cinco mil anos.
São os olhos atentos das gerações futuras.

《回答》

卑鄙是卑鄙者的通行证,
高尚是高尚者的墓志铭,
看吧,在那镀金的天空中,
飘满了死者弯曲的倒影。

冰川纪过去了,
为什么到处都是冰凌?
好望角发现了,
为什么死海里千帆相竞?

我来到这个世界上,
只带着纸、绳索和身影,
为了在审判之前,
宣读那些被判决的声音。

告诉你吧,世界
我–不–相–信!
纵使你脚下有一千名挑战者,
那就把我算作第一千零一名。

我不相信天是蓝的,
我不相信雷的回声,
我不相信梦是假的,
我不相信死无报应。

如果海洋注定要决堤,
就让所有的苦水都注入我心中,
如果陆地注定要上升,
就让人类重新选择生存的峰顶。

新的转机和闪闪星斗,
正在缀满没有遮拦的天空。
那是五千年的象形文字,
那是未来人们凝视的眼睛。

 

 

2. Língua

Muitas línguas
voam neste mundo
e colidem, causando centelhas;
às vezes, são ódio,
às vezes, são amor.

O prédio da razão
está a arruinar em silêncio.
Cestos tecidos com pensamentos, tão pálidos
como feixes de bambu,
enchem-se de cogumelos, cegos e venenosos.

Na pintura de rocha, os animais correm
pisando as flores;
um dente-de-leão cresce em segredo
em algum canto,
e as suas sementes são espalhadas pelo vento.

Muitas línguas
voam no mundo,
mas o que as línguas produzem
não aumenta ou reduz
o sofrimento calado do Homem.

《语言》

许多语言
在这世界上飞行
碰撞,产生了火星
有时是仇恨
有时是爱情

理性的大厦
正无声地陷落
竹篾般淡薄的思想
编成篮子
盛满盲目的毒蘑

那些岩画上的走兽
踏着花朵驰过
一颗蒲公英秘密地
生长在某个角落
风带走了它的种子

许多种语言
在这世界上飞行
语言的产生
并不能增加或减轻
人类沉默的痛苦

 

3. Vamos

Vamos
As folhas caídas são sopradas para os vales profundos
mas a canção ainda não retornou a casa.

Vamos
O luar sobre o gelo
tem irrompido o leito do rio.

Vamos
Nós olhamos para o mesmo céu mesmo
os nossos corações batem no tambor do crepúsculo.

Vamos
Não perdemos as nossas memórias
vamos em busca do lago da vida.

Vamos
O caminho, o caminho
está coberto de papoulas vermelhas.

 

《走吧》

走吧,
落叶吹进深谷,
歌声却没有归宿。

走吧,
冰上的月光,
已从河床上溢出。

走吧,
眼睛望着同一片天空,
心敲击着暮色的鼓。

走吧,
我们没有失去记忆,
我们去寻找生命的湖。

走吧,
路呵路,
飘满了红罂粟。

 

4. Perdido

Seguindo o som de apito de pombo
eu procurava-te
mas a alta floresta vedou o céu.
Numa vereda
um dente-de-leão que se extraviou
levou-me a um lago azul-cinzento.
No reflexo a ondular suavemente,
acabei por achar-te
os olhos insondáveis.

 

《迷途》

沿着鸽子的哨音
我寻找着你
高高的森林挡住了天空
小路上
一颗迷途的蒲公英
把我引向蓝灰色的湖泊
在微微摇晃的倒影中
我找到了你
那深不可测的眼睛

 

5. Declaração

Para Yu Luoke

Talvez seja o momento final
mas não deixei nenhum testamento à minha mãe
senão uma caneta.
Não sou nada herói
numa época isenta de heróis
só quero ser um homem.

O horizonte tranquilo
divide a fileiras dos vivos e dos mortos.
Prefiro optar pelo céu
a me ajoelhar no chão
para não aumentar a altura dos executores
que vão bloquear o vento de liberdade.

Dos buracos de bala, parecidos com estrelas,
verterá a aurora cor de sangue.

 

《宣告》

献给遇罗克

也许最后的时刻到了
我没有留下遗嘱
只留下笔,给我的母亲
我并不是英雄
在没有英雄的年代里
我只想做一个人

宁静的地平线
分开了生者和死者的行列
我只能选择天空
决不跪在地上
以显出刽子手们的高大
好阻挡自由的风

从星星的弹空里
将流出血红的黎明

 

6. Templo antigo

O extinto som do sino
tece a teia de aranha, que expande
na coluna com fendas, como círculos anuais.
Sem memórias, as pedras
que espalham os ecos no vazio vale das montanhas
não têm memórias.
Quando o trilho se desvia por aqui,
até os  dragões e os pássaros esquisitos se sumiram,
com eles levando a sineta sufocada que pendia do beiral.
Todos os anos, as ervas selvagens crescem e murcham
de forma tão indiferente que
nem lhes importa se o dono a quem são subordinadas
serão os sapatos de pano do monge
ou o vento de passagem.
Na lápide quebrada, não é identificável
a inscrição tão gasta, senão através dum incêndio.
Talvez acompanhada pelo olhar dum homem vivo,
uma tartaruga tenha renascido na terra
atravessando o limiar do templo
com o segredo pesado às costas.

 

《古寺》

消失的钟声
结成蛛网,在裂缝的柱子里
扩散成一圈圈年轮
没有记忆,石头
空蒙的山谷里传播回声的
石头,没有记忆
当小路绕开这里的时候
龙和怪鸟也飞走了
从房檐上带走喑哑的铃铛
荒草一年一度
生长,那么漠然
不在乎它们屈从的主人
是僧侣的布鞋,还是风
石碑残缺,上面的文字已经磨损
仿佛只有在一场大火之中
才能辨认,也许
会随着一道生者的目光
乌龟在泥土中复活
驮着沉重的秘密,爬出门槛

 

7. Fim ou começo

Em homenagem Yu Luoke

Aqui estou eu
para substituir o outro, já assassinado.
Cada vez que o sol nasce
a sombra pesada, como uma estrada,
atravessa toda a terra.

A névoa triste
cobre os telhados desiguais e retalhados.
Entre uma casa e outra
as chaminés jorram as multidões de cinza
e o calor efunde-se das árvores iluminadas pelo sol.
Das mãos cansadas que seguram as pontas dos cigarros da miséria
sobem as nuvens sombrias.

Em nome do sol
a escuridão saqueia abertamente
enquanto o silêncio continua a contar a história do Oriente.
Nos frescos antigos
o povo vive em silêncio
o povo morre em silêncio.

Ah, minha amada terra,
por que deixas de cantar?
Será que mesmo os cabos dos Burlaks
no Rio Amarelo
foram cortados como cordas de alaúde
e deixaram de ressoar?
Será que o tempo, este espelho escuro,
também te virou as costas para sempre,
deixando-te apenas estrelas e nuvens flutuantes?

Vou à procura de ti
em numerosos sonhos
ou de noite de nevoeiro ou de manhã.
Eu procuro a primavera e as macieiras
com abelhas a agitarem a brisa.
Eu procuro a maré a descer e subir
e sobre as ondas os raios solares viram-se gaivotas.
Eu procuro as estórias embutidas nas paredes
e os nomes, meu e teu, já esquecidos.

Se o sangue puder tornar-te fértil,
os frutos pousados nos ramos de amanhã
ficarão com a minha cor.

Devo reconhecer que
eu tremo, à luz branca e fria da morte.
Quem quer ser um meteorito
ou uma estátua de mártir gelada
Olhando a chama da juventude inextinguível
a passar pelas mãos alheias?
Mesmo que os pombos pousem no teu ombro,
não sentes o calor do corpo e a respiração.
Eles alisam as suas asas
e rapidamente voam para longe.

Eu sou homem
e preciso do amor.
Queria passar tranquilo cada anoitecer
nos olhos da namorada.
Espero pelo primeiro choro do filho
desde o berço a balançar.
No relvado, nas folhas caídas
e em cada olhar sincero
eu escrevo poemas de vida.
Este desejo tão simples
tornou-se hoje todo o custo para ser homem.

Na minha vida
tenho mentido muitas vezes,
mas sempre cumpro honestamente
a promessa que fiz quando era criança.
Por isso, o mundo intolerável
ao coração de uma criança
nunca me deixa de perdoar.

Aqui estou
para substituir o outro, já assassinado.
Não tenho outra opção.
E onde eu caio morto
um outro levantar-se-á do chão.
Sobre os meus ombros sopra o vento
no qual brilha a constelação.

Talvez um dia
o sol, tornado numa coroa de flores murchas,
seja posto nas lápides crescentes como floresta,
em homenagem aos combatentes indobráveis.
Os corvos voam e pairam
como farrapos da noite.

 

Nota:
Yu Luoke (1942-1970): nasceu em Pequim, sendo jovem crítico contra o movimento da Grande Revolução Cultural. Recusado a estudar em universidade por os seus pais serem acusados de capitalistas, ele entrou numa fábrica para trabalhar como operário. Ficou conhecido com a publicação clandestina de uma série de artigos “antirrevolucionários”, sobretudo Sobre a origem, no qual defende que a origem duma pessoa não deve ser o fator determinante do seu destino. Em 1970, foi executado sob a acusação de crime contra a revolução. Ele era amigo de Bei Dao.

 

《结局或开始:献给遇罗克》

我,站在这里
代替另一个被杀害的人
为了每当太阳升起
让沉重的影子象道路
穿过整个国土

悲哀的雾
覆盖着补丁般错落的屋顶
在房子与房子之间
烟囱喷吐着灰烬般的人群
温暖从明亮的树梢吹散
逗留在贫困的烟头上
一只只疲倦的手中
升起低沉的乌云

以太阳的名义
黑暗公开地掠夺
沉默依然是东方的故事
人民在古老的壁画上
默默地永生
默默地死去

呵,我的土地
你为什么不再歌唱
难道连黄河纤夫的绳索
也象崩断的琴弦
不再发出鸣响
难道时间这面晦暗的镜子
也永远背对着你
只留下星星和浮云

我寻找着你
在一次次梦中
一个个多雾的夜里或早晨
我寻找春天和苹果树
蜜蜂牵动的一缕缕微风

我寻找海岸的潮汐
浪峰上的阳光变成的鸥群
我寻找砌在墙里的传说
你和我被遗忘的姓名

如果鲜血会使你肥沃
明天的枝头上
成熟的果实
会留下我的颜色

必须承认
在死亡白色的寒光中
我,战栗了
谁愿意做陨石
或受难者冰冷的塑像
看着不熄的青春之火
在别人的手中传递
即使鸽子落到肩上
也感不到体温和呼吸
它们梳理一番羽毛
又匆匆飞去

我是人
我需要爱
我渴望在情人的眼睛里
度过每个宁静的黄昏
在摇篮的晃动中
等待着儿子第一声呼唤
在草地和落叶上
在每一道真挚的目光上
我写下生活的诗
这普普通通的愿望
如今成了做人的全部代价

一生中
我多次撒谎
却始终诚实地遵守着
一个儿时的诺言
因此,那与孩子的心
不能相容的世界
再也没有饶恕过我

我,站在这里
代替另一个被杀害的人
没有别的选择
在我倒下的地方
将会有另一个人站起
我的肩上是风
风上是闪烁的星群

也许有一天
太阳变成了萎缩的花环
垂放在
每一个不朽的战士
森林般生长的墓碑前
乌鸦,这夜的碎片
纷纷扬扬

Traduções por Yao Feng.

Leia mais sobre Bei Dao