Lies about the truth

LIES ABOUT THE TRUTH

a post-modern Brazilian poetry anthology from 50’s on

Edited by Régis Bonvicino
in collaboration with Tarso M. de Melo

I
Murilo Mendes
Carlos Drummond de Andrade
João Cabral de Melo Neto
Mário Faustino
Paulo Leminski

II
Júlio Castañon Guimarães
Horácio Costa
Régis Bonvicino
Josely Vianna Baptista
Carlito Azevedo
Claudia Roquette-Pinto
Antonio Moura
Anibal Cristobo
Tarso M. de Melo

2000

INTRODUCTION
     Régis Bonvicino

  Paul Hoover generously invited me to edit an anthology of Brazilian poetry from this century for New American Writing. I proposed a selection of the poets whom I consider the most resilient of my generation, at least until the present, and also likely to withstand the judgement of time.

  To provide context, I have also included work of previous generations who have acted as references for contemporary Brazilian poetry. This includes decisive work written after the 1950s under the impact of post-war cultural influences and the Concrete Poetry Movement (1956). Such interlocutors are, in my eyes, the three greatest Brazilian poets of the century: Murilo Mendes (1901-1975), Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), and João Cabral de Melo Neto (1920-1999). To this group, I have added two younger poets whose production began after the 1950s, Mário Faustino (1930-1962) and Paulo Leminski (1944-1989), both of whom suffered untimely deaths. Each in his own way functioned as a model for the younger poets Júlio Castañon Guimarães (b. 1951), Horácio Costa (b. 1954), Josely Vianna Baptista (b. 1957), Carlito Azevedo (b. 1961), and Claudio Roquette-Pinto (b. 1963).

  Concretism was the most complex avant-garde movement from the 1950s to the present. But the same period also saw the rise of Tropicalism (1968), a movement whose effects derived largely from popular music and radiated out to the entire culture. Neither movement, however, reached the deep and renovating character of Brazilian Modernism (1922), of which both Concretism and Tropicalism are in fact off-shoots. Haroldo de Campos, a leading Concretist and innovator, introduced the important concept of relativism to the movement, as well as the theory of post-utopia (1980s). The work of de Campos, especially The Education of the Five Senses (1985), an important collection for the new generation, would have been included in the References section, along with Faustino and Leminski, had he given permission. Other relevant names go unmentioned for not being common to all. Among these, I would mention, nevertheless, Ferreira Gullar of the generation of the 1950s.

  At the time of the fall of the Berlin Wall in 1989, the Concretist Movement was already waning, and the Tropicialist Movement of Caetano Veloso had drifted far from its original concerns. It was now possible to discern different kinds of vanguard poetry, which diverged from their predecessors and which continue to profoundly affect the scene. As the fall of the Berlin Wall is an historic mark, so the anthology Nothing the sun could not explain (1997)1, is a visible sign of a new cohesion in Brazilian poetry.

  Despite the oppression of the Military Dictatorship (1964-1985) and pressure to view Concretism as “the only avant-garde possible”, Júlio Castañon Guimarães, Horácio Costa, Josely Vianna Baptista, Carlito Azevedo, and Claudia Roquette-Pinto managed to construct a significant body of individual work. They also managed to alter our concept of Brazilian poetry by formulating new possibilities for experimentation. Unfortunately, their contribution is still largely unrecognized by the critics.

  In my view, Concretism was “dislocated” by Carlos Drummond de Andrade’s 1962 poem “Isso é Aquilo”. This poem, with its semantic instability, distrust of the signifier, and hesitations, establishes a poetry that could be called “post-modern”. Nevertheless, Concretism continued as a fruitful movement until the beginning of the 1980s. This is due to the international perspective of Brazilian culture it afforded and its influence on a younger generation that includes Régis Bonvicino, Júlio Castañon Guimares, Horácio Costa, Josely Vianna Baptista, and, indirectly, Carlito Azevedo and Claudia Roquette- Pinto.

  Concrete Poetry was based on the idea of “progress”, and in this, and other aspects, can be understood as the prolongation of historical European vanguards from the beginning of the century and also of Brazilian modernism, led by Mário de Andrade (1893-1945) and Oswald de Andrade (1890-1954). This movement found in its ranks Carlos Drummond de Andrade (in my view the greatest Brazilian poet of all time) and Murilo Mendes, among others. João Cabral, who debuted in 1945 under the influence of Drummond and surrealism, acknowledged Concretism, but despite his admiration his poetry remained untouched by its proposals. Cabral invented his own vanguard, a tension between the rigor of forms and the vigor of imagination that has served as a model of independence for the new poets.

  On this point, Michael Palmer observes, in his recent essay on Octavio Paz: “Perhaps, Paz notes, only Brazilian Concretism can be seen as a genuine extension of Historical vanguardism into the recent past movements”2. Though it appeared chronologically in the early post-modern period, Concretism cannot be represented as a post-modern phenomenon, except for Haroldo de Campos, whose investigations continued beyond the precepts of the movement. Even in Galáxias (1963-1976) — a work which points, though less frequently and incisively, to the relativism of his original beliefs — many traces of international post-modernism can be found: self-reference, inter-textuality, pastiche, parody, and transgression of borders, especially between literature and popular music.

  Such characteristics are not found, explicitly, in the work of the new poets, who refuse a dialogue with popular music (in search of a reconfiguration of the literary itself); with graphic and visual poetry (but not with the visual and sculptural arts); with pastiche; and with irony while distancing itself from the world and the universe of mass media. Among the five contemporary poets, the only one close to international post-modernism is Horácio Costa, who values pastiche and parody in much of his already extensive body of work.

  For the current generation, the revolution of the word, connected with existentialism rather than counterculture, and the reassertion of the anti-lyrical, as seen in Drummond, Mendes, Cabral, Faustino and Leminski, are fundamental. This poetry differs both from the dominant practice of free-verse, confessional poetry and the pallid formalism of metrical verse, which still insists on reviving the sonnet.

  Ultimately, this group of poets, which is relativistic in its view of “progress”, is vanguard in contrast to the conservatism of poetry in Brazil today. Its characteristics include the exploration of language itself and its possibilities for representation, difficulty, and even a degree of “illegibility”.

  It should be of interest to the North American public that Ezra Pound (as translator and theorist) and e.e. cummings (the poem as visual construction) were essential references for Concretism. Paradoxically, the latter also influenced Lawrence Ferlinghetti, the Beat poet whose goals are contrary to those of the Brazilian vanguard. Today, some of this new generation’s authors turn their attention to the Objectivists, William Carlos Williams, Robert Creeley, John Ashbery, Michael Palmer and Language Poetry.

  Both Murilo Mendes and Drummond de Andrade refuse worn-out forms and see modernity as liberation. However, Andrade differs from Mendes in his pursuit of the oneiric and hallucinatory. As Alfredo Bosi notes, “It was João Cabral de Melo Neto who hit the target when he recognized: ‘the poetry of Murilo always was for me mastery, for its plasticity and novelty of image. Above all it was he who taught me to privilege the image over the message, the plastic over the discursive’. In this characterization, they recognize the futurist process of montage and the surrealist process of the oneiric sequence […]”3.

  Traces of oneirism and hallucination can be seen in all the poets published here but principally in Josely Vianna Baptista and Horácio Costa. In his emphasis on innovation, Mendes, an independent cosmopolitan in touch with key figures of the historic vanguards of Europe, holds the most fascination for Brazilian poets.

  A word about the importance of Faustino and Leminski is fitting. Though Faustino refused affiliation with Concretism, he anticipated the movement and eventually promoted it. An independent avant-gardist, his interests surpassed the limits of movement and of his own time. He linked himself with Blake, Rimbaud, Nietzsche and Dylan Thomas. He wrote and published the first homosexual love poems in Brazil. At the time of his death, he was, along with Haroldo de Campos, the greatest intellectual of his generation. He also had in mind the construction of a long poem, biographical and cosmic, which would combine ideogramatic syntax with linear syntax. The most “Poundian” of his peers, he is the archetype for the new poets presented here.

  Of the generation of Caetano Veloso, Torquato Neto and Duda Machado, Paulo Leminski began as a Concretist, but was to write a monumental work of Joycean character, Catatau (1975), after which he broke with Concretist values and would influence younger poets to do likewise. Alfredo Bosi writes: “A name apart which evokes a radiant presence, not only poetical, but cultural, is that of Leminski, who died young, 1989. His trajectory brought to light the fractures of the whole post-68 avant-garde. Leminski tried to create not only a writing but a poetic anthropology by which his stake in the situation and in the ultramodern technologies of communication did not inhibit the appeal of a ‘utopic community’.”4. These five new poets (and others who could not be included here) represent the community glimpsed by him. Members of this non-conformist group include younger poets still: Antonio Moura, whose experimentation with forms comes accompanied with a great feeling of “Brazilianness”, and Anibal Cristobo, an Argentinian who opted to write in Portugeuse, linguistically reflecting the intense changes in the world today.

  I want to thank Jennifer Sarah Frota, Marta M. Bentley, Scott Bentley and the promising young Brazilian poet Tarso M. de Melo – collaborator in the selection of these poems – who made this work possible. My gratitude to Paul Hoover for his comments on the translations and overall help with the project.

  I thank also Marjorie Perloff, Douglas Messerli, Michael Palmer, Charles Bernstein and Robert Creeley for their continuing dialogue, which has made new Brazilian poetry a subject of discussion in the United States.

(Tr. Jennifer Sarah Frota & Paul Hoover)

INTRODUÇÃO
     Régis Bonvicino

  Paul Hoover convidou-me generosamente para editar uma antologia de poesia brasileira deste século para New American Writing. Ante a exiguidade de tempo para consecução de tarefa tão ampla, propus-lhe uma seleta com os nomes que considero os mais consistentes, ao menos até o momento, de minha geração, ainda sob julgamento do tempo.

  Aos escolhidos, acrescentei suas referências que reputo consensuais, com algumas das peças decisivas escritas depois dos anos 50, sob o impacto do pós-guerra e do movimento da Poesia Concreta (1956). Tais interlocutores, a propósito, são, a meu ver, os três maiores poetas brasileiros deste século: Murilo Mendes (1901-1975), Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e João Cabral de Melo Neto (1920-1999). A estes ainda acrescentei dois mais jovens que começaram a produzir depois dos anos 50, Mario Faustino (1930-1962) e Paulo Leminski (1944-1989) – mortos precocemente – que, cada um à sua maneira, funcionaram como modelos, para a construção de novas situações, que abriram perspectivas aos cinco poetas ora publicados: Júlio Castañon Guimarães (n. 1951), Horácio Costa (n. 1954), Josely Baptista Vianna (n. 1957), Carlito Azevedo (n. 1961) e Claudia Roquette-Pinto (n. 1963).

  O concretismo foi o mais complexo movimento de vanguarda dos anos 50 para cá, ao lado do Tropicalismo (1968) – este no âmbito da música popular mas com irradiação para a toda a cultura também. Ambos, todavia, não alcançaram o caráter fundante e renovador do modernismo brasileiro de 1922 e deles são tributários. Haroldo de Campos – o mais aberto poeta produzido pelo concretismo, inclusive pelo fato de tê-lo relativizado, com sua trajetória e teoria do pós-utópico (anos 80), estaria incluído na seção “Referências”, ao lado de Faustino e Leminski, caso tivesse autorizado a publicação de poemas de, sobretudo, A educação dos cinco sentidos (1985) – coletânea fundamental para esta nova geração. Outros nomes relevantes não estão aqui incluídos por não serem, digamos, referências comuns a todos. Entre eles, mencionaria, no entanto, o de Ferreira Gullar (geração dos anos 50).

  A queda do Muro de Berlim, em 1989, surpreendeu o concretismo já em avançado estado de exaurimento e o tropicalismo, de Caetano Veloso, distante de suas preocupações originais. Este panorama permitiu a retomada da questão da possibilidade da existência de núcleos de vanguarda diversos dos anteriores e, com isso, afetou e vem afetando profundamente o cenário. Se a queda do Muro é um marco histórico, a antologia Nothing the sun could not explain[1] é um signo visível de uma nova coesão.

  Júlio Castañon Guimarães, Horácio Costa, Josely Vianna Baptista, Carlito Azevedo e Claudia Roquette-Pinto, conseguiram não só construir um trabalho individual significativo (apesar da opressão da Ditadura Militar, 1964-1985) e da pressão do concretismo como “única vanguarda possível”, que apanhou em cheio os três primeiros) mas também alterar um tanto a compreensão da idéia de poesia no Brasil – formulando novas possibilidades de experimentação – o que ainda não está reconhecido pela crítica.

  A meu ver, o concretismo (1956) foi, em determinado sentido, “deslocado” enquanto fórmula, com o poema “Isso é aquilo”, de 1962, de Carlos Drummond de Andrade. Este poema, com sua instabilidade semântica, sua desconfiança em relação à palavra, com sua hesitação, instala, de fato, algo que se pode chamar de pósmoderno. É de justiça, no entanto, dizer que, até o início dos anos 80, o movimento ainda se mantinha seminal sobretudo do ponto de vista das informações que oferecia à cultura brasileira e dos poetas que traduzia, influenciando Régis Bonvicino, Júlio Castañon Guimarães, Horácio Costa e Josely Vianna Baptista e mais indiretamente Azevedo e Roquette-Pinto.

  A Poesia Concreta baseava-se na idéia de progresso e, neste e em outros aspectos, pode ser entendida como prolongamento das vanguardas históricas européias do início do século e, inclusive, do modernismo brasileiro, liderado por Mário de Andrade (1893-1945) e Oswald de Andrade (1890-1954), movimento que contou em suas fileiras com Carlos Drummond de Andrade (para mim, o maior poeta brasileiro de todos os tempos) e Murilo Mendes, entre outros. João Cabral, que reconhecia o concretismo, estreou em 1945, sob o impacto de Drummond e do surrealismo e, em nenhum momento, apesar de sua admiração, deixou-se tocar, em seus poemas, por aquelas propostas, inventando sua própria vanguarda – tensão entre rigor de formas e vigor de imaginação, que funciona, por suas virtudes, como modelo de independência aos novos poetas.

  Transcrevo, neste ponto, observação de Michael Palmer, em recente ensaio sobre Octavio Paz: “Talvez, Paz observa, somente o concretismo brasileiro pode ser visto como extensão genuína do vanguardismo histórico dentre os mais recentes movimentos do passado”[2]. A conclusão é a de que, ao contrário da cronologia, o concretismo não pode ser elencado como manifestação pósmoderna, exceto na figura de Haroldo de Campos que, apesar de idas e voltas, foi capaz de abrir-se, num exercício de auto-superação. Até mesmo em Galáxias (1963-1976) – igualmente um trabalho que apontava, embora numa frequência menos incisiva, para a relativização de suas primeiras crenças – podem ser encontrados muitos dos traços do pósmodernismo internacional: auto-referencialidade, citação, pastiche, paródia, apagamento das fronteiras – em muitos momentos – entre o literário e música (cultura) popular.

  Tais características não vão ser encontradas, explicitamente, nos trabalhos dos novos poetas – que recusam diálogo com a música popular (em busca de uma reconfiguração do literário em si), com a poesia gráfica e visual (mas não com as artes plásticas), com o pastiche, com a ironia enquanto distanciamento do mundo e com o universo dos mass media. Talvez, o único entre os cinco que esteja mais próximo do pósmodernismo internacional seja Horácio Costa, que se vale das idéias de pastiche e paródia, em parte de sua já extensa obra.

  Nesta geração, a revolução pela palavra, conectada com um certo existencialismo (não contracultural), e a retomada de uma antilira, como em Drummond, em Mendes, em Cabral, em Faustino e em Leminski, é um de seus traços fundamentais, que, inclusive, a diferencia da dominante poesia confessional, feita em versos livres, e da poesia de metros fixos – pálido formalismo, que tenta, ainda, reavivar o soneto, por aqui.

  Enfim, este conjunto de poetas, que relativiza a idéia de “progresso”, é de vanguarda, ao menos, por contraste, no conservador panorama de poesia no Brasil de hoje. Uma de suas características é, seguramente, a exploração da linguagem em si e também de suas possibilidades de representação, para além do verso e das soluções propostas pelo concretismo. Outra marca: a de produzir trabalhos de difícil comunicação e apreensão numa primeira leitura – a busca de uma certa “ilegibilidade”.

  Do ponto de vista do público americano, há algo importante a se dizer: Ezra Pound (como guia para as traduções e como teórico) e e.e. cummings (como modelo de poema) foram referências essenciais ao concretismo. Este último, aliás, um poeta que influenciou também, paradoxalmente, Lawrence Ferlinghetti – integrante do movimento beat, oposto aos propósitos da vanguarda brasileira. Hoje, a atenção de alguns dos autores desta nova geração volta-se para os Objetivistas, para William Carlos Williams, para Robert Creeley, para Allen Ginsberg, John Ashbery, para Michael Palmer e para a Language Poetry.

  Murilo Mendes e Drummond de Andrade têm – em comum – a recusa às formas batidas e o senso vivo de modernidade como liberação. Todavia, o último – como repara Alfredo Bosi – trilha veredas opostas às do primeiro ao perseguir o onírico e o alucinatório: “[…] Foi João Cabral de Melo Neto quem acertou no alvo quando reconheceu: ‘a poesia de Murilo sempre me foi mestra, pela plasticidade e novidade da imagem. Sobretudo foi ela quem me ensinou a dar procedência à imagem sobre a mensagem, ao plástico sobre o discursivo’. Nesta caracterização, reconhecem-se o processo futurista da montagem e o processo surralista da sequência onírica[…]”[3].

  Estes traços, de onirismo e alucinação, podem ser lidos na produção de todos os poetas aqui publicados principalmente na de Josely Vianna Baptista e na de Horácio Costa. Mendes, um cosmopolita independente, que travou diálogo e contacto como os maiores nomes das vanguardas históricas da Europa, talvez seja o “modelo” que mais fascine os jovens poetas brasileiros, voltados para uma poesia de inovação.

  Cabem, agora, algumas palavras a respeito da importância de Faustino e Leminski. Faustino não só antecipou como promoveu o concretismo (recusando-se no entanto a se filiar). Manteve-se como um vanguardista independente, com curiosidades que ultrapassavam os limites do movimento e do próprio tempo. Vinculava-se a Blake, Rimbaud, Nietzche e Dylan Thomas. Escreveu e publicou os primeiros poemas de amor homossexual, entre nós. Era – ao tempo que morreu – o maior intelectual de sua geração, ao lado de Haroldo de Campos. Tinha em mente construir um poema longo, biográfico e cósmico, que combinasse sintaxe ideogrâmica e sintaxe linear. Foi, na verdade, o mais “poundiano” de todos os seus pares. Acabou se transformando em um “fundador”, no sentido de marcar uma posição de vanguarda independente, solitária, sem “adesão” a movimentos – funcionando como um “arquétipo”, para os novos poetas aqui apresentados.

  Já Paulo Leminski – da geração de Caetano Veloso, Torquato Neto e Duda Machado – começou poeta concreto, para, depois de escrever uma obra monumental, de cunho joyceano, como Catatau (1975), iniciar um rompimento com os valores do concretismo, que iria tocar a todos os mais novos de perto. A respeito de seu trabalho, transcrevo, de novo, Alfredo Bosi: “[…] Um nome à parte que evoca uma presença irradiadora, não só poética mas cultural, é o de Leminski, que morreu, jovem, ainda, em 1989. A sua trajetória […] trouxe à luz as fraturas de toda vanguarda pós-68. Leminski tentou criar não só uma escrita mas uma antropologia poética pela qual a aposta no acaso e nas técnicas ultramodernas de comunicação não inibisse o apelo a uma utopia comunitária”[4]. De algum modo, estes cinco novos poetas (e outros que em virtude de espaço não puderam estar aqui) representam esta “utopia comunitária”, vislumbrada por ele. Somam-se a eles autores mais jovens ainda igualmente não conformistas: Antonio Moura, cuja experimentação de formas vem acompanhada de um grande sentido de brasilidade e Anibal Cristobo, um argentino que optou por escrever também em português, refletindo lingüisticamente as intensas mudanças do mundo de hoje.

  Por fim, quero agradecer a Jennifer Sarah Cooper, Scott e Marta Bentley, e ao jovem e promissor poeta brasileiro Tarso M. de Mello – colaborador na seleção dos poemas – que tornaram possível, com seus esforços, este trabalho.

  Agradeço também a Marjorie Perllof, Douglas Messerli, Michael Palmer, Charles Bernstein e Robert Creeley pelo diólogo permanente, que viabilizou a existência de alguma poesia brasileira atual nos EUA.

Classics

Murilo Mendes
Carlos Drummond de Andrade
João Cabral de Melo Neto

Carlos Drummond de Andrade
(1902-1987)

DECLARAÇÃO DE AMOR

Minha flor minha flor minha flor. Minha prímula meu pelargônio meu gladíolo meu botão-de-ouro. Minha peônia. Minha cinerária minha calêndula minha boca-de-leão. Minha gérbera. Minha clívia. Meu cimbídio. Flor flor flor. Floramarílis. Floranêmona. Florazálea. Clematite minha. Catléia delfínio estrelítzia. Minha hortensegerânea. Ah, meu nenúfar. Rododendro e crisântemo e junquilho meus. Meu ciclâmen. Macieira-minha-do-japão. Calceolária minha. Daliabegônia minha. Forsitiaíris tuliparrosa minhas. Violeta… Amor-mais-que-perfeito. Minha urze. Meu cravo-pessoal-de-defunto. Minha corola sem cor e nome no chão de minha morte.

(A Paixão Medida, 1980)

DECLARATION OF LOVE

My flower my flower my flower. My primrose my pelargonium my gladiola my butter-cup. My peony. My cineraria my marigold my snapdragon. My Transvaal daisy. My Kaffir lily. My cimbidium. Flower flower flower. Amaryllisflower. Anemoneflower. Azaleaflower. Clematis dearest. Cattleya delphinium asterales. My hydrangearanium. Oh, my nuphar. Rhododendron and chrysanthemum and narcissus jonquilas mine. My cyclamen. Japanese apple blossom of mine. Slipperwort of mine. Dahliabegonia of mine. Forsythiairis tulipsirose. Violet… More-than-perfect-love pansy. My heather. Carnation-of-my-own-corpse. My corolla without color and name in the ground of my death.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

FONTE GREGA

A vida inteira mijando – lastima-se a deusa – e nem sobra tempo para viver. Minha linfa de ouro ao sol, inestancável, impede-me o sono, proíbe-me o amor. Não sei abrir as pernas senão para isto. Para isto fui concebida? Para derramar este jacto morno sobre a terra, e nunca me enxugar, e continuar a expeli-lo, branca e mijadora, fonte, fonte, fonte?
A deusa nem suspende veste nem arria calça. É seu destino mijar. Sem remissão, corpo indiferente e exposto, mija nos séculos.

(A Paixão Medida, 1980)

GREEK FOUNTAIN

My entire life pissing, lamented the goddess, with no time left over to live. My gold gland to the sun, unstoppable, forbids me from sleep, from love. I don’t know how to spread my legs if not for this. For this, I was conceived? To spill this tepid stream on the ground and never dry up, but forever spew it, white and pisser fountain, fountain, fountain?
The goddess doesn’t lift clothes or drop drawers. It is her destiny only to piss. Without respite, body indifferent and exposed, pissing on the centuries.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

A PAIXÃO MEDIDA

Trocaica te amei, com ternura dáctila
e gesto espondeu.
Teus iambos aos meus com força entrelacei.
Em dia alcmânico, o instinto ropálico
rompeu, leonino,
a porta pentâmetra.
Gemido trilongo entre breves murmúrios.
E que mais, e que mais, no crepúsculo ecóico,
senão a quebrada lembrança
de latina, de grega, inumerável delícia?

(A Paixão Medida, 1980)

MEASURED PASSION

Trochaic I loved you, with dactyl tenderness
And spondee gesture.
Your iambs about mine fiercely entwined.
On an alcmanian day, the rhopalic instinct
broke, leonine,
the pentameter door.
Moaning trimeter between quick murmurings.
And what more, what more, in the echoic dusk
if not the broken reminder
of Latin, of Greek, countless delight?

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

F

forma
forma
forma

   que se esquiva
   por isso mesmo viva
   no morto que a procura

a cor não pousa
nem a densidade habita
nessa que antes de ser


deixou de ser          não será
mas é

forma
festa
fonte
flama
filme

e não encontrar-te é nenhum desgosto
pois abarrotas o largo armazém do factível
onde a realidade é maior do que a realidade

(Lição de Coisas, 1962)

F

form
form
form

   which hides
   and thus survives
   in the dead that pursue it

color doesn’t alight
nor density inhabit
in that which before being
already
ceased to be            will not be
but is

form
festive
fountain
flame
film

to fail to find you is not distasteful
for you overfill the wide storehouse of feasibility
where reality is greater than reality

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

ISSO É AQUILO

I

O fácil o fóssil
o míssil o físsil
a arte o infarte
o ocre o canopo
a urna o farniente
a foice o fascículo
a lex o judex
o maiô o avô
a ave o mocotó
o só o sambaqui

II

o gás o nefas
o muro a rêmora
a suicida o cibo
a litotes Aristóteles
a paz o pus
o licantropo o liceu
o flit o flato
a víbora o heléboro
o êmbolo o bolo
o boliche o relincho

III

o istmo o espasmo
o ditirambo o cachimbo
a cutícula o ventríloquo
a lágrima o magma
o chumbo o nelumbo
a fórmica a fúcsia
o bilro o pintassilgo
o malte o gerifalte
o crime o aneurisma
a tâmara a Câmara

THIS IS THAT

I

the facile the fossil
the missile the fissile
the art the heart attack
the ochre the viscera
the urn the lanzado
the sickle the fascicule
the lex the judex
the spa the grandpa
the fowl the gelatin
the lone the burial mound

II

the gas the nefast
the wall the remora
the suicide the birdseed
the litotes Aristotle
the peace the puss
the lycanthropes the lyceum
the flit the flatulence
the hellbound the hellebore
the clot the cake
the bowling ball the whinny

III

the isthmus the spasm
the dithyramb the pipe
the cuticle the ventriloquist
the drop the rock
the lead the lotus
the formica the fuchsia
the dwarf the goldfinch
the malt the Maltese
the crime the aneurysm
the date the Senate

IV

o átomo o átono
a medusa o pégaso
a erisipela a elipse
a ama o sistema
o quimono o amoníaco
a nênia o nylon
o cimento o ciumento
a juba a jacuba
o mendigo a mandrágora
o boné a boa-fé

V

a argila o sigilo
o pároco o báratro
a isca o menisco
o idólatra o hidrópata
o plátano o plástico
a tartaruga a ruga
o estômago o mago
o amanhecer o ser
a galáxia a gloxínia
o cadarço a comborça

VI

o útil o tátil
o colubiazol o gazel
o lepidóptero o útero
o equívoco o fel no vidro
a jóia a triticultura
o know-how o nocaute
o dogma o borborigmo
o úbere o lúgubre
o nada a obesidade
a cárie a intempérie

IV

the atomic the atonic
the Medusa the Pegasus
the erysipelas the ellipsis
the mommy the system
the Kimono the ammonia
the elegy the nylon
the cement the memento
the mane the manna
the mendicant the mandrake
the bonnet the bona fide

V

the argil the sigil
the priest the precipice
the Iscariot the meniscus
the idolater the hydropathist
the plane tree the plastic
the turtle the wrinkle
the stomach the macho
the beginning the being
the galaxy the gloxinia
the ice-cube the concubine

VI

the usual the sensual
the chlorobenzyl the ghazal
the epidoptera the uterus
the mistake the bile on the pane
the gem the triticean
the ‘know-how’ the knock-out
the dogma the burp
the udder the dreadful
the nothing the obesity
the decay the hurricane

VII

o dzeta o zeugma
o cemitério a marinha
a flor a canéfora
o pícnico o pícaro
o cesto o incesto
o cigarro a formicida
a aorta o Passeio Público
o mingau a migraine
o leste a leitura
a girafa a jitanjáfora

VIII

o índio a lêndea
o coturno o estorno
a pia a piedade
a nolição o nonipétalo
o radar o nácar
o solferino o aquinatense
o bacon o dramaturgo
o legal a galena
o azul a lues
a palavra a lebre

IX

o remorso o cós
a noite o bis-coito
o cestércio o consórcio
o ético a ítaca
a preguiça a treliça
o castiço o castigo
o arroz o horror
a nêspera a vêspera
o papa a joaninha
as endoenças os antibióticos

VII

the zeta the zeugma
the cemetery the marina
the flower the canephorous
the picnic the picaresque
the cist the incest
the cigarette the formicide
the aorta the Scenic Route
the mush the migraine
the orient the lecture
the giraffe the jitanjafora

VIII

the Indian the nit
the buskin the rescission
the pie the pious
the no way the nonillion
the radar the nacre
the fuchsine the aquiline
the bacon the dramaturge
the legal the galena
the blue the boil
the word the hare

IX

the remorse the waist
the suite the bis-c(o)uit(u)s
the nasturtium the consortium
the ethical the Ithaca
the laziness the latticework
the purebred the punishment
the rice the fright
the loquat the squat
the pope the ladybug
the clemency the antibiotics

X

o árvore a mar
o doce de pássaro
a passa de pêsame
o cio a poesia
a força do destino
a pátria a saciedade
o cudelume Ulalume
o zunzum de Zeus
o bômbix
o ptyx

(Lição de Coisas, 1962)

X

the tree the sea
the sweet of bird
the raisin of sympathy
the oestrus the poetry
the force of destiny
the nation the satiety
the firefly the Limelight
the buzz of Zeus
the bombyx
the ptyx

(Tr. Jennifer Sarah Frota and Régis Bonvicino)

A BOMBA

A bomba
   é uma flor de pânico apavorando os floricultores

A bomba
   é o produto quintessente de um laboratório falido

A bomba
   é miséria confederando milhões de misérias

A bomba
   é estúpida é ferotriste é cheia de rocamboles

A bomba
   é grotesca de tão metuenda e coça a perna

A bomba
   dorme no domingo até que os morcegos esvoacem

A bomba
   não tem preço não tem lunar não tem domicílio

A bomba
   amanhã promete ser melhorzinha mas esquece

A bomba
   não está no fundo do cofre, está principalmente onde não está

A bomba
   mente e sorri sem dente

A bomba
   vai a todas as conferências e senta-se de todos os lados

A bomba
   é redonda que nem mesa redonda, e quadrada

A bomba
   tem horas que sente falta de outra para cruzar

A bomba
   furtou e corrompeu elementos da natureza e mais furtara e corrompera

A bomba
   multiplica-se em ações ao portador e em portadores sem ação

THE BOMB

The bomb
   is a flower of panic terrifying the floriculturists.

The bomb
   is the quintessence of a failed laboratory

The bomb
   is misery confederating millions of miseries

The bomb
   is stupid is furioussad is full of jelly-roll

The bomb
   is grotesque from its dreadfulness and scratches it’s leg

The bomb
   sleeps on Sunday until the bats fly

The bomb
   has no price, no lunar, no home

The bomb
   promises to behave tomorrow but forgets

The bomb
   is not at the bottom of the vault, is mainly where it is not

The bomb
   speaks truthless and grins toothless

The bomb
   goes to all of the conferences and sits on all sides

The bomb
   is round as in a round table, and square

The bomb
   at times misses another with which to cross-breed

The bomb
   stole and corrupted natural elements and will steal and corrupt more

The bomb
   multiplies itself in stock bearers and in bearers without stock

A bomba
   chora nas noites de chuva, enrodilha-se nas chaminés

A bomba
   faz week-end na Semana Santa

A bomba
   brinca bem brincado o carnaval

A bomba
   tem 50 megatons de algidez por 85 de ignomínia

A bomba
   industrializou as térmites convertendo-as em balísticos interplanetários

A bomba
   sofre de hérnia estranguladora, de amnésia, de mononucleose, de verborréia

A bomba
   não é séria, é conspicuamente tediosa

A bomba
   envenena as crianças antes que comecem a nascer

A bomba
   continua a envenená-las no curso da vida

A bomba
   respeita os poderes espirituais, os temporais e os tais

A bomba
   pula de um lado para outro gritando: eu sou a bomba

A bomba
   é um cisco no olho da vida, e não sai

A bomba
   é uma inflamação no ventre da primavera

A bomba
   tem a seu serviço música estereofônica e mil valetes de ouro, cobalto e ferro
                [além da comparsaria

A bomba
   tem supermercado circo biblioteca esquadrilha de mísseis, etc.

A bomba
   não admite que ninguém a acorde sem motivo grave

The bomb
   cries on rainy nights, twisting in the chimneys

The bomb
   makes a week-end of Holy Week

The bomb
   fancies up the carnival real fancy

The bomb
   has 50 megatons of algidity by 85 of ignominy

The bomb
   industrialized termites changing them into interplanetary ballistics

The bomb
   suffers from a strangulating hernia, amnesia, mononucleosis, verbosity

The bomb
   is not serious, is conspicuously tedious

The bomb
   poisons children before they begin to be born

The bomb
   continues to poison them through the course of life

The bomb
   respects powers, spiritual, temporal and otherwise

The bomb
   jumps up and down screaming: I am the bomb

The bomb
   is a speck in the eye of life and doesn’t come out

The bomb
   is a tumor in the womb of Spring

The bomb
   has use of stereophonic music, one thousand one-eyed jacks, cobalt, iron, as
                     [well as accomplices

The bomb
   has supermarket circus library squadron of missiles, etc.

The bomb
   does not permit anyone to wake it unless it’s important

The bomb
   wants to keep athletes and paralyzed awake nervous and sane

A bomba
   quer é manter acordados nervosos e sãos, atletas e paralíticos

A bomba
   mata só de pensarem que vem aí para matar

A bomba
   dobra todas as línguas à sua turva sintaxe

A bomba
   saboreia a morte com marshmallow

A bomba
   arrota impostura e prosopopéia política

A bomba
   cria leopardos no quintal, eventualmente no living

A bomba
   é podre

A bomba
   gostaria de ter remorso para justificar-se, mas isso lhe é vedado

A bomba
   pediu ao Diabo que a batizasse e a Deus que lhe validasse o batismo

A bomba
   declara-se balança de justiça arca de amor arcanjo de fraternidade

A bomba
   tem um clube fechadíssimo

A bomba
   pondera com olho neocrítico o Prêmio Nobel

A bomba
   é russuramericanenglish mas agradam-lhe eflúvios de Paris

A bomba
   oferece na bandeja de urânio puro, a título de bonificação, átomos de paz

A bomba
   não terá trabalho com as artes visuais, concretas ou tachistas

A bomba
   desenha sinais de trânsito ultreletrônicos para proteger velhos e criancinhas

The bomb
   kills merely by thinking the other is coming to kill

The bomb
   bends languages to its muddled syntax

The bomb
   savors death with marshmallow

The bomb
   burps deceit and political bombast

The bomb
   creates leopards in the garden, eventually in the living-room

The bomb
   is putrid

The bomb
   would like to have remorse to justify itself, but this is denied it

The bomb
   asked the devil to baptize it and God to validate the baptism

The bomb
   declares itself the scales of justice love-arc archangel of brotherhood

The bomb
   has an exclusive club

The bomb
   ponders the Nobel Prize with a new-critical eye

The bomb
   is russiamericanenglish but enjoys perfume from Paris

The bomb
   offers on the tray of pure uranium the title of privilege, atoms of peace

The bomb
   will not have work with the visual, sculptural or concrete arts

The bomb
   designs ultra-electronic traffic signals to protect the elderly and children

A bomba
   não admite que ninguém se dê ao luxo de morrer de câncer

A bomba
   é câncer

A bomba
   vai à lua, assovia e volta

A bomba
   reduz neutros e neutrinos, e abana-se com o leque da reação em cadeia

A bomba
   está abusando da glória de ser bomba

A bomba
   não sabe quando, onde e por que vai explodir, mas preliba o instante inefável

A bomba
   fede

A bomba
   é vigiada por sentinelas pávidas em torreões de cartolina

A bomba
   com ser uma besta confusa dá tempo ao homem para que se salve

A bomba
   não destruirá a vida

O homem
   (tenho esperança) liquidará a bomba.

(Lição de Coisas, 1962)

The bomb
   does not allow anyone the luxury of dying from cancer

The bomb
   is cancer

The bomb
   flies to the moon, whistles and returns

The bomb
   decreases neutrals and neutrinos and cools itself with the fan of the chain
      [reaction

The bomb
   is overindulged with glory of being the bomb

The bomb
   does not know when, where and why it’s going to explode, but can taste the
      [ineffable instant

The bomb
   stinks

The bomb
   is guarded by terrified sentinels in turrets of cardboard

The bomb
   being a confused beast gives time to humanity so that it might save itself

The bomb
   will not destroy life

Man
   (I have hope) will liquidate the bomb.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Paulo Leminski
(1944-1989)

Minha cabeça cortada
Joguei na tua janela
Noite de lua
Janela aberta

Bate na parede
Perdendo dentes
Cai na cama
Pesada de pensamentos

Talvez te assustes
Talvez a contemples
Contra a lua
Buscando a cor de meus olhos

Talvez a uses
Como despertador
Sobre o criado-mudo

Não quero assustar-te
Peço apenas um tratamento condigno
Para essa cabeça súbita
De minha parte

(Caprichos & Relaxos, 1983)

My cut-off head
Thrown in your window
Moon-lit night
Window Open

Hits the wall
Loses some teeth
Falls to the bed
Heavy with thought

Maybe it’s scary
Maybe you’ll blink
Seeing by moon
The color of my eyes

Maybe you’ll think
It’s just your alarm clock
On the nightstand

Not to scare you
Only to ask kindlier treatment
For my sudden head
Departed

(Tr. Charles Bernstein and Régis Bonvicino)

a vida é as vacas
que você põe no rio
para atrair as piranhas
enquanto a boiada passa

(Caprichos & Relaxos, 1983)

life is the cows
you put in the river
to attract piranhas
while the herd wades through

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

na rua
    sem resistir
me chamam
torno a existir

(Caprichos & Relaxos, 1983)

in the street
    without resistance
they call me
i regain existence

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

nunca quis ser
um freguês distinto
pedindo isso e aquilo
vinho tinto
obrigado
hasta la vista

queria entrar
com os dois pés
no peito dos porteiros
dizendo pro espelho
— cala a boca
e pro relógio
— abaixo os ponteiros

(Caprichos & Relaxos, 1983)

i never wanted to be
a fine customer
asking for this and that
red wine
thank you
hasta la vista

i wanted to bust in
my two feet
on the pecs of the porters
to say to the mirror
“shut up”
and to the clock
“loose the pointers”

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

de METAFORMOSE

Antes do Caos, da Terra, do Tártaro e de Eros, antes das potestades que pulsam nas Origens, tenebrosas potências do abismo primordial, antes que as dez mil valvulas abertas de Gaia parissem Gigantes, Titãs e Ciclopes, antes da guerra entre os monstros da noite e a lúcida força do dia, antes de tudo, filho de um rio e de uma ninfa da água, Narciso, o filho de Náiade, deitava de bruços e se olhava no trêmulo espelho da fonte, Narciso de olho em Narciso, beleza de olho em si mesma, cego, surdo e mudo aos apelos de Eco, a ninfa apaixonada, chamando Narciso, Narciso, a água da fonte repete o rosto de Narciso, reflexos de Narciso nos ecos da ninfa, água na água, como a luz na luz, luz dentro da água.
Esta lenda é a pedra de Sísifo, a pedra que Sísifo rola até o alto da montanha, e a pedra volta, sempre volta, penas de Hércules, trabalhos de Dédalo, labirintos, lembra que és pedra, Sísifo, e toda pedra em pó vai se transformar, e sobre esse pó, muitas lendas se edificarão.
E sobre Narciso, a profecia do feiticeiro Tirésias, será feliz enquanto não enxergar a própria imagem, a voz de Eco entre as árvores, o rosto de Narciso sobre a faca das águas.
O olhar de Narciso cai na água como Ícaro das alturas, e Ícaro cai na água, um ruído de púrpura que se rasga, Poseidon!, e afunda num coral de sereias.
Instante antes Ícaro voava, ao lado do pai, duas gaivotas sobre o Egeu, voava com as asas de cera criadas por Dédalo, o arquiteto do labirinto, o inventor de autômatos, o pai das coisas novas.
Voavam, pai e filho, fugindo de Creta, da ira do rei que os tinha aprisionado no labirinto construído por Dédalo.
Minos havia descoberto, seu arquiteto, o artesão incomparável, era cúmplice nos amores monstruosos da rainha Pasífae e do touro branco que Poseidon, senhor dos oceanos, tinha feito sair das ondas do mar. E foi que a rainha Pasífae ardeu de paixão pelo touro branco e quis ser penetrada por ele. Dédalo construiu um perfeito simulacro de vaca. Pasífae entrou, o touro aproximou-se, e assim se consumou o coito maldito da rainha e da grande besta.
Desta monstruosidade, nasceu o Minotauro, o híbrido com corpo de homem e cabeça de touro, em volta do qual Dédalo construiu o labirinto, a casa monstruosa para um ser monstruoso.
O olhar de Narciso volta, tonto de tanta beleza, pedra de Sísifo, queda de Ícaro, e torna a cair na água, rodas gerando rodas.
A água começa a ficar vermelha, sangue na água, sangue de Ícaro, sangue do Céu, Urano, filho da Terra, irmão dos Ciclopes, Urano, castrado por Cronos, o Tempo, seu filho, o Céu castrado pelo Tempo, os livres movimentos dos astros medidos por ampulhetas e clepsidras, o parricídio primordial, crepúsculo dos deuses.
Na água, agora sangue, bóiam o pênis e os testículos de Urano, cortados pela foice que Titéia, a Terra, deu ao filho Cronos para mutilar o pai.

from METAFORMOSE

Before the Chaos, the Earth, the Tartar, and Eros, before the powers that pulsate in the Origins, tenebrous potencies of the primordial abyss, before the ten thousand open valves would give birth to Giants, Titans and Cyclops, before the war between the monsters of the night and the lucid force of the day, before all, son of a river and of a water nymph, Narcissus, son of Naiad, was lying prone and was looking at himself in the trembling mirror of the spring, Narcissus looking at Narcissus, beauty looking at itself, blind, deaf and dumb to the appeals of Echo, the passionate nymph, calling Narcissus, Narcissus, the spring water repeats the face of Narcissus, reflexes of Narcissus in the echoes of the nymph, water in the water, like light in light, light inside of water.
This legend is the rock of Sisyphus, the rock that Sisyphus rolls to the top of the mountain, and the rock rolls back, always rolls back, pains of Hercules, works of Daedalus, labyrinth, remember that you are rock, Sisyphus, and every rock into dust will be transformed, and out of that dust several legends will be edified.
And out of Narcissus, the prophecy of the wizard Tiresias, will be happy as long as he does not see his own image, the voice of Echo between the trees, Narcissus’ face above the blade of the waters.
Narcissus’ gaze falls on the water like Icarus from the heights, and Icarus falls in the water, a sound of purple that tears itself, Poseidon!, and sinks in a coral chorale of mermaids.
Instants before Icarus flew, next to his father, two seagulls above the Aegean sea, flew with wax wings created by Daedalus, the labyrinth’s architect, inventor of the automatons, father of new things.
They flew, father and son, escaping from Crete, from the rage of the king who had imprisoned them in the labyrinth constructed by Daedalus.
Minos had discovered, his architect, the incomparable artisan, was an accomplice in the monstrous love between queen Pasiphae and the white bull that Poseidon, lord of the oceans, had caused to emerge from the waves of the sea. And it was that queen Pasiphae who burnt with passion for the white bull and wanted to be penetrated by him. Daedalus built a perfect simulacrum of a cow. Pasiphae entered, the bull approached, and in this manner the cursed coitus between the queen and the great beast was consummated.
From this monstrosity, the Minotaur was born, hybrid with the body of a man and head of a bull, around whom Daedalus constructed the labyrinth, monstrous house for a monstrous being.
Narcissus’ gaze turns, dizzy with so much beauty, Sisyphus’ rock, Icarus’ fall, and once more falls on the water, wheels generating wheels.
The water begins to turn red, blood in the water, blood of Icarus, blood of the sky, Uranus, son of the earth, brother of Cyclops, Uranus, castrated by Cronus, Time, his son, the heavens castrated by Time, the free movements of the stars measured by an hourglass and clepsydra, the parricide primordial, crepuscule of the gods.
In the water, now blood, float the penis and the testicles of Uranus, cut by the scythe that Tethys, the earth, gave to the son Cronus to mutilate the father.

Destes testículos cortados, ela nasceu, Afrodite, saída das espumas do mar, a beleza, o gozo, a paixão, a delícia, Eco que chama Narciso, Narciso, Pasífae transpassada pelo touro, Narciso apaixonado por Narciso, feliz enquanto não enxergar a sua imagem.
Agora o olhar de Narciso vê Teseu, é Teseu, o herói sedento de sangue, que entra no labirinto, a espada de bronze numa mão, na outra, o fio de Ariadne, a linha que serve de guia entre os indeslindáveis meandros da construção que o engenho de Dédalo enrolou e desenrolou. Mil olhos acesos, Teseu avança labirinto a dentro, a curta espada de bronze micênico na mão direita, vibrando como um pênis, enovelando no braço esquerdo o fio da princesa Ariadne, cada vez mais dentro, a treva mais espessa, o cheiro de esterco cada vez mais forte, Teseu avança em direção ao centro do seu coração, numa encruzilhada de caminhos, o herói hesita, então ouve o mais espantoso berro que orelhas humanas já escutaram.
Narciso tapa os ouvidos, e deixa o olhar flutuar sobre as águas monótonas.
Tudo se cala. Narciso não ouve mais, nem o mugido do minotauro, nem os ecos da ninfa, Narciso, Narciso, Narciso, minotauro, minos, touro.
Teseu avança, coração sem medo, e a voz da ninfa Eco se repete entre as esquinas do labirinto, espatifando-se contra o mugido do Minotauro.
O herói dá um passo e se põe diante do monstro, em posição de combate.
Teseu olha, então, olha pela primeira vez, e o vê. E não acredita. O Minotauro tem sua cara. Teseu e o Minotauro são uma pessoa só.
Mal tem tempo de saltar de lado, quando a fera investe.
O Minotauro encosta-se na parede e atira-se sobre Teseu.
A espada afunda na garganta, o sangue jorra, o monstro vacila e desaba aos pés do herói.
Teseu levanta a espada, e a mergulha no coração do senhor do labirinto.
Ao morrer, o Minotauro chora como uma criança, por fim se enrosca como um feto, e se aquieta no definitivo da morte.
Teseu limpa a espada no manto e sai, com uma morte na alma do tamanho da noite.
No espelho das águas, Narciso a reconhece, a dos cabelos de serpente, Medusa, a que transforma em pedra todo aquele que a fitar. Olho na água, Narciso não corre perigo, e a Medusa passa, armada da força de ver e ser vista. A próxima vez, quem sabe.
Começa a fazer frio, o vento do entardecer vai apagando a luz do dia, as sombras saem debaixo das folhas, das pedras, do coração do mato.
O rosto de Narciso vai escurecendo na água, onde logo brilham estrelas.
Ao longe, a voz de Eco, Narciso, Narciso, repete como se sangrasse.
Na água, as estrelas, a Ursa Maior, os signos, as constelações, as luzes cegas onde o arbítrio dos homens julga ver formas, perfis, silhuetas, formas deste mundo projetadas no azul celeste onde o azul mais azul das estrelas lateja, os pontos onde o azul do céu dói mais.
Aquário, o aguadeiro, Ganimedes, o amado de Júpiter, o signo dos videntes e visionários, o signo de Tirésias, feliz enquanto não enxergar a própria imagem. Ainda bem que Tirésias é cego.

From these cut testicles, she was born, Aphrodite, emerging from the sea foam, beauty, joy, passion, delight, Echo calling Narcissus, Narcissus, Pasiphae trespassed upon by the bull, Narcissus in love with Narcissus, happy while he does not see his own image.
Now Narcissus’ gaze sees Theseus, it is Theseus, the hero thirsty for blood, who enters the labyrinth, the bronze sword in one hand, in the other, Ariadne’s thread, the thread that serves as guide between the free-standing meanderings of the construction that Daedalus’ ingenuity rolled and unrolled. A thousand lighted eyes, Theseus ventures within the labyrinth, the short Mycenaean bronze sword in his right hand, vibrating like a penis, princess Ariadne’s skein coiled around his left arm, increasingly inside, the darkness more dense, the smell of manure increasingly strong, Theseus ventures in the direction of the center of his heart, at a crossroads, the hero hesitates, then hears the most frightful bellowing that human ears have ever heard.
Narcissus covers his ears, and lets his gaze float above the monotonous waters.
All falls silent. Narcissus no longer hears, not the lowing of the minotaur, nor the echoes of the nymph, Narcissus, Narcissus, Narcissus, minotaur, minos, taurus.
Theseus ventures, heart without fear, and the voice of the nymph Echo repeats itself among the corners of the labyrinth, shattering itself against the lowing of the Minotaur.
The hero steps forward and places himself before the monster, in a combat position.
Theseus looks, then, looks for the first time, and sees it. And cannot believe. The Minotaur has his face. Theseus and the Minotaur are the same person.
Barely has time to jump to the side, when the beast attacks.
The Minotaur leans on the wall and throws himself over Theseus.
The sword sinks in the throat, the blood pours, the monster vacillates and collapses at the hero’s feet.
Theseus raises the sword, and plunges it into the heart of the labyrinth’s lord.
As he dies, the Minotaur cries like a child, finally curls himself like a fetus, and becomes calm in death’s definitive.
Theseus cleans the sword on his mantle and leaves, with a death on his soul the size of the night.
In the mirror of water, Narcissus recognizes her, the one with the serpent hair, Medusa, the one who transforms into stone all who fix upon her. Eye on the water, Narcissus is not in danger, and Medusa passes by, armed with the force to see and be seen. Next time, who knows.
It begins to get cold, the evening’s wind extinguishes the daylight, the shadows come from underneath the leaves, the stones, the heart of the woods.
Narcissus’ face goes dark in the water, where soon the stars shine.
From afar, the voice of Echo, Narcissus, Narcissus, repeats as if bleeding.
On the water, the stars, the Great Bear, the signs, the constellations, the blind lights where man’s arbitration judges to see forms, profiles, silhouettes, forms from this world projected on the celestial blue where the bluest blue from the stars pulsates, the spot where the blue of the sky hurts the most.
Aquarius, the water carrier, Ganymede, the one loved by Jupiter, the sign of the clairvoyant and the visionary, sign of Tiresias, happy while he does not see his own image. Fortunately Tiresias is blind.

Nadam dois peixes na água celestial, cada um para um lado. O Carneiro. Os Gêmeos. O Caranguejo. O Leão. A Virgem. A Balança. O Escorpião. O Centauro Flecheiro. A Cabra Marinha. E Aquário, o aguadeiro. E o círculo rodando uma história sem fim, o eterno retorno, o dia, a noite, a vida, o eco, os doze signos, os doze trabalhos do herói.
A tudo Narciso está atento, ao sonho que faz de uma cabeça e peitos de mulher, asas de pássaro e corpo de leão, uma esfinge e de um tronco de cavalo e um torso de homem, um centauro, o ser, esse sonho de metamorfoses.
Esta noite, nada permanece em seu ser, os seres padecem as dores do parto das mais improváveis alterações.
Não há ser, tudo é mudança, ecos, revérberos, câmbios perpétuos.
Tudo pode se transmutar em tudo.
Assim, sob a forma de um cisne, a ave de pênis grande, Zeus quis Leda, a princesa de belas coxas. Como chuva de ouro, choveu no colo de Dânae. Assumindo a forma do marido, deixou Alcmene prenhe de Hércules, o herói trabalhador, o deus que sofre, num mundo de monstros e prodígios.
Narciso começa a sofrer.
A pedra de Sísifo é a sede de Tântalo, a sede infinita da boca que nunca consegue tocar na água, e a pedra que sempre rola ao chegar no alto da montanha, a eterna sede da imagem que nunca consegue senão se transformar em imagem.
Teseu, novo Minotauro, agora habita as profundezas do labirinto, entre muralhas micênicas e o cheiro de esterco, a fera sem deus, a fome é um deus, a sede é um deus.
A sombra da Medusa escorre pelas escadarias do palácio de Minos, em Cnossos, transformando todos os deuses em estátuas de pedra.
Em algum lugar da Ásia, a noite gera um novo Teseu.
Palavras da Pítia, feliz enquanto não enxergar seu próprio rosto.
Todo diverso em idêntico se converta, toda a diferença consigo mesma coincida.
Palavras da Pítia, palavra de Apolo, o arqueiro implacável, o que sabe de ontem, o que sabe de hoje, quem sabe de amanhã.
Amanhã, Narciso, é um outro dia. Todos os dias são assim, sagradas todas as árvores que o raio, fálus, de Zeus tocou.
Narciso de olho nas águas, passam as naves de Ulisses, com destino ao espanto, ao susto máximo, ao ceticismo, à apatia, à amnésia.
Quem duvida de tudo se chama cético. Como se chamam aqueles que acreditam em tudo? Aqueles que acreditam que tudo é possível? Que toda a fantasmagoria tem tanto direito a existir quanto a sólida certeza do gosto do pão e a indeterminada realidade da água que escorre no rosto dos sedentos quando chove?
Água, sangue, vinho: que deus escondeu na uva o vento louco da embriaguez?
Tudo no Caos, tudo na Terra, tudo no Tártaro, a tudo, Eros aproxima e mistura, simulacros e metáforas, mímica e espetáculos, quantos séculos levam meus ecos para atravessar o labirinto?
A razão, Atena, é apenas uma dor na cabeça de Zeus.

Two fish swim in the celestial water, each to one side. Aries, Gemini. Cancer. Leo. Virgo. Libra. Scorpio. The Archer Centaur. The Sea Goat. And Aquarius, the water carrier. And the circle turning an endless history, eternal return, day, night, life, echo, the twelve signs, the hero’s twelve works.
To every thing Narcissus is attentive, to the dream that makes from head and breasts of a woman, wings of a bird and body of a lion a sphinx, and from the trunk of a horse and torso of a man a centaur, the being, this dream of metamorphoses.
This night, nothing remains in its being, the beings suffer the pains of labor from the most improbable alterations.
There is no being, all is change, echoes, reverberations, perpetual exchange.
Everything can be transmuted into everything.
Thus, under the form of a swan, the bird with a big penis, Zeus wanted Leda, the princess with the beautiful thighs. Like rain of gold, it rained on Danae’s lap. Assuming the form of the husband, he made Alcmena pregnant by Hercules, the worker hero, the god who suffers, in a world of monsters and prodigies.
Narcissus starts to suffer.
Sisyphus’ rock is Tantalus’ thirst, the infinite thirst of the mouth that is never able to touch the water, and the rock that forever rolls back when arriving at the top of the mountain, the eternal thirst of the image that is never able but to transform itself in image.
Theseus, new Minotaur, now inhabits the depths of the labyrinth, between Mycenean walls and the smell of manure, the beast without god, hunger is a god, thirst is a god.
Medusa’s shadow drips down the stairway of Minos’ palace, in Knossus, transforming all the gods into stone statues.
Somewhere in Asia, night generates a new Theseus.
Pitia’s words, happy while he cannot see his own face.
Convert every diverse into identicals, coincide every difference with itself.
Pitia’s words, Apollo’s words, the implacable archer, the one who knows of yesterday, the one who knows of today, who knows of tomorrow.
Tomorrow, Narcissus, is another day. Every day is like this, sacred every tree that the lightning, phallus, of Zeus touched.
Narcissus, an eye on the waters, the vessels of Ulysses pass, destined toward the astonishment, the maximum fright, the skepticism, the apathy, the amnesia.
Who doubts all is named skeptical. What are those called who believe in everything? Those who believe that everything is possible? That every phantasmagoria has as much right to exist as the solid certainty of the taste of bread and the undetermined reality of the water that drips on the face of the thirsty in the rain?
Water, blood, wine: what god hid in the grape, the crazy wind of inebriation?
All in Chaos, all on earth, all in Tartarus, to all, Eros approximates and mixes, simulacras and metaphors, mimicry and spectacles, how many centuries my echoes take to cross the labyrinth?
Reason, Athena, is only a pain in the head of Zeus.
Como quando uma história tem dois finais, como quando uma história tem vários começos, como quando uma história conta uma outra história: fugindo de Minos e do labirinto, Dédalo, o artesão incomparável, o inventor dos inventores, foi dar às costas da Sicília, nas praias do rei Cócalo. Para Cócalo, o incomparável artesão arquitetou uma sala do trono onde se podia ver sem ser visto, ouvir sem ser ouvido e estar quando ausente. Minos, senhor do mar, veio reclamar seu prisioneiro. Temeroso, Cócalo lançou Dédalo num forno, onde morreu assado. Como conciliar este final com o vôo de Dédalo e Ícaro, do labirinto para a liberdade? Ou Dédalo teria sido morto depois da queda de Ícaro? Ou o cisne que possuiu Leda era apenas a metáfora de uma nave de velas brancas, uma nave, uma ave? Ou a imagem de Narciso é o rosto de um transeunte estranho? Toda fonte é uma moça bonita que foi amada por um deus, que disse não a um rio, que fugiu de um sátiro, nada é real, nada é apenas isso, tudo é transformação, todo traçado de constelação é o pedaço de um esboço de um drama terrestre, tudo vibra de tanto significar. Que é uma esfinge, uma quimera, uma medusa, uma górgona, comparada com um pai que mata os filhos e serve sua carne ao Pai dos Deuses? Última água, esta fonte é tudo que restou do dilúvio. Fatos não se explicam com fatos, fatos se explicam com fábulas. A fábula é o desabrochar da estrutura, arquétipo em flor. Uns são transformados em flores, outros são transformados em pedra, outros ainda, se transformam em estrelas e constelações. Nada com seu ser se conforma. Toda transformação exige uma explicação. O ser, sim, é inexplicável. Uns se transformam em feras, outros são mudados em lobos, em aves, em pombos, em árvore, em fonte. Só a ninfa Eco se transformou em sua própria voz. Em que língua falar com um eco? Uma uma língua língua lembra lembra uma uma lenda lenda, Narciso, Narciso Narciso. Que é um ciclope comparado com a história de um príncipe que matou o pai e casou com a própria mãe? Qual é o animal que de manhã anda de quatro patas, à tarde anda com duas e à noite anda com três? Consultem a Sibila, ouçam a pitonisa, leiam sinais nos céus, no movimento das águas, Narciso. O adivinho Tirésias tinha dito a Laio, rei de Tebas, vejo horrores, vejo trevas, terás um filho que vai te matar e casar com a rainha, sua mãe. Que horror a este horror se compara? Velho Tirésias cego, vítima e servidor de Apolo, deus luminoso, que dá o dom de adivinhação, senhor dos três tempos, deus que tudo vê, tudo acompanha, tudo sabe. Laio põe o menino Édipo dentro de uma caixa e a solta na correnteza do Nilo. A caixa com o menino vai dar numa praia, onde a encontra uma loba. Outros dizem pastores. Édipo o príncipe oculto, ignorante de sua origem, cresce, robusto, entre pastores. Um dia, decide ir a Tebas, a grande cidade, a cidade onde mora o grande rei. Édipo começa a realizar seu destino, o desejo da Moira, do fado, da fortuna, das potências cegas do acaso que tudo regem na terra e nos céus, na vida dos deuses e na vida dos homens, reflexo da ordem suprema. O rei Laio viajava incógnito pela estrada que sai de Tebas. Cruza com o pastor, desentende-se com ele, lutam, a juventude de Édipo prevalece, Édipo deixa para os abutres o cadáver do pai, a garganta aberta, por onde escorre sangue. A notícia chega rápido à cidade, a rainha Jocasta está viúva. Viajando incógnito, o rei foi morto por um desconhecido. A cidade está amaldiçoada. Na estrada que sai da cidade, um monstro, a Esfinge, cabeça e peitos de mulher, asas de pássaro, corpo e patas de leão, submete todos os passantes a uma pergunta, um enigma, decifra-me ou te devoro. Centenas de tebanos tinha devorado, ninguém mais se atrevia a sair da cidade. Édipo resolve enfrentar a Esfinge, o monstro interrogador, o monstro-pergunta, o proponente, o primeiro filósofo, o ser questionário.
As when a story has two ends, as when a story has several beginnings, as when a story tells another story: escaping from Minos and from the labyrinth, Daedalus, the incomparable artisan, the inventor of inventors, came to the Sicilian coast, on the beaches of king Cocalo. For Cocalo, the incomparable artisan designed a room for the throne where one could see without being seen, hear without being heard, and be when absent. Minos, lord of the sea, came to reclaim his prisoner. Fearful, Cocalo threw Daedalus into an oven, where he died roasted. How to reconcile this end with the flight of Daedalus and Icarus, from labyrinth to liberty? Or Daedalus would have been killed after the fall of Icarus? Or the swan who possessed Leda was only a metaphor for a vessel with white sails, a fleet, a flock. Or the image of Narcissus is the face of an unknown transient. Every fountain is a beautiful woman who was loved by a god, who said no to a river, who fled a satyr, nothing is real, nothing is only this, everything is transformation, every trace of a constellation is a part of a sketch of a terrestrial drama, signifying so much that everything vibrates. What is a sphinx, a chimera, a medusa, a gorgon, compared with a father who kills his children and serves the flesh to the Father of the Gods? Last water, this fountain is all that remained from the deluge. Facts are not explained by facts, facts are explained by fables. The fable is the blossoming of the structure, archetypal in flower. Some are transformed into flowers, others are transformed into stone, still others transformed into stars and constellations. Nothing in its being conforms to itself. Every transformation demands an explanation. The being, yes, is inexplicable. Some transform themselves into beasts, others are changed into wolves, into birds, into doves, into a tree, into a fountain. Only Echo, the nymph, transformed herself into her own voice. In which language to speak with an echo? A a language language recalls recalls a a legend legend, Narcissus, Narcissus, Narcissus. What is a cyclops compared with the story of a prince who killed his father and married his own mother? Which animal in the morning walks with four legs, in the afternoon walks with two, and at night walks with three? Consult the Sibyl, listen to the pythoness, read the signals in the heavens, in the movement of the waters, Narcissus. The seer Tiresias had told Laius, the king of Thebes, I see horrors, I see darkness, you will have a son who will kill you and marry the queen, his mother. To which horror can this horror be compared? Old Tiresias blind, victim and server of Apollo, luminous god, who gives the gift of divination, lord of the three ages, god who sees all, who accompanies all, knows all. Laius places the boy Oedipus inside a box and releases it in the currents of the Nile. The box with the boy washes up on a beach, where it is found by a she-wolf. Others say shepherd. Oedipus, the occult prince, ignorant of his origin, grows robust among the shepherds. One day, he decides to go to Thebes, the big city, the city where lives the great king. Oedipus begins to realize his destiny, the desire of the Moira, of fate, of fortune, of the blind potencies of chance that rule all in heaven and on earth, in the life of gods and in the life of men, reflex of the supreme order. King Laius was traveling incognito on the road that leaves Thebes. Crosses the shepherd, has a misunderstanding with him, they fight, Oedipus’ youth prevails, Oedipus leaves for the vultures his father’s cadaver, open throat, from which the blood flows. The news arrives fast in the city, queen Jocasta is a widow. While traveling incognito, the king was killed by a stranger. The city is accursed. On the road that leaves the city, a monster, the Sphinx, head and chest of a woman, wings of a bird, body and legs of a lion, submits all passers-by to a question, an enigma, decipher me or I devour you. Hundreds of Thebans it had devoured, nobody dared leave the city. Oedipus decides to confront the Sphinx, the interrogator-monster, the question-monster, the proponent, the first philosopher, the questionnaire being.

[…]

Que é um eco senão a transformação de uma voz em pedra, no eternamente idêntico a si mesmo, como fazem as letras do alfabeto, inventadas por aquele Cadmo, filho de Agenor, rei da Fenícia, e da rainha Telefasse? Cadmo, o protegido de Palas Atena, o herói que vem do Oriente para encontrar a irmã, Europa, raptada por Zeus sob a forma de um touro e matar o dragão? Inspiração da deusa, arranca os dentes do dragão e os semeia. Dos dentes, brotam guerreiros furiosos que atacam o herói. Cadmo consegue que se destruam entre si. Letras do alfabeto, dentes do dragão, vindas da Ásia, o aleph, o beit, o gama, delta, zaleth, sementes, poeiras de sons, átomos soltos, épsilon, dzeta, yod, ômega. Que diriam os Sete Sábios dos Doze Trabalhos de Hércules? Cada um tem significado preciso, como a cabeça da Medusa no escuro da deusa Atena. Omnia mecum porto, tudo o que é meu carrego comigo. Ninguém vê meu rosto e continua vivo, diz o Senhor, diz a Medusa. Por que nos moldou do barro o Titã Prometeu? Por que roubou para nós o fogo de Zeus? Ontem, estava tentando interpretar a guerra de Tróia, o significado de Ulisses, de Agamenon, o rapto de Helena, a ira de Aquiles, a loucura de Ajax, o cavalo de madeira, que coisa
querem dizer essas histórias, nós górdios do lembrado e do esquecido? Aterra pensar que não são histórias, não são portadoras de um sentido recôndito. Só o mais fantástico jamais aconteceu. Tudo aconteceu. Tudo aquilo aconteceu. Pelos cem olhos de Argos tudo aquilo. Zeus quis a filha de Ínaco, rei e rio, Io, sacerdotisa de Hera, Io a transformada em novilha, guardada por Argos de cem olhos, cinqüenta abertos, enquanto os outros cinqüenta dormiam. Quem para fazê-los todos fechar senão o deus astuto, Hermes, senhor das estratégias e falcatruas? Argos, cem olhos, O, Argos, cem olhos, O, o, o, Argos, O, O, O, olhos. Que significam fábulas, além do prazer de fabular? Amor é aquilo que subsiste mesmo depois de você dizer, não te amo mais. Num sonho, sonhei, viver tudo em espelho. Se espelho existe, ser não existe. Esta fonte é uma fossa, esgoto, lixo, cloaca de mitos. Mitos mortos fedem, o cheiro dos reis mortos, deuses mortos, rios estrangulados por Hércules. Este mito está morto e sobre este mito morto construirei o novo mito. Déia, idéia. Erra uma vez. Durar, o maior dos milagres.

(Metaformose – uma viagem pelo imaginário grego, 1994)

[…]

What is an echo but the transformation of a voice into stone, eternally identical to itself, as the alphabet letters, invented by that Cadmus, son of Agenor, king of Phoenicia, and of the queen Telefasse? Cadmus, the protégé of Palas Athena, the hero who arrives from the Orient to find the sister, Europe, kidnapped by Zeus in the form of a bull, and to slay a dragon? Inspiration of the goddess, pulls the dragon’s teeth and sows them. From the teeth sprout furious warriors who attack the hero. Cadmus manages to make them destroy each other. Alphabet letters, dragon teeth, originating in Asia, the aleph, the beit, the gama, delta, zaleth, seeds, dust of sounds, free atoms, epsilon, dzeta, yod, omega. What would the Seven Wise Men of the Twelve Works of Hercules say? Each one has a precise significance, like the head of Medusa in the dark of the goddess Athena. Omnia mecum porto, all that is mine with me I carry. Nobody sees my face and lives, says the Lord, says Medusa. Why did he mold us from clay, the Titan Prometheus? Why did he steal for us the fire of Zeus? Yesterday I was trying to interpret the war of Troy, the significance of Ulysses, of Agamemnon, the kidnapping of Helen, the anger of Achilles, the madness of Ajax, the wooden horse, what do they mean those stories, gordian knots from the remembered and the forgotten? It’s frightening to think that they are not stories, they are not carriers of a recondite meaning. Only the most fantastic never happened. Every thing happened. All of that happened. By the one hundred eyes of Argos all of that. Zeus wanted the daughter of Inachus, king and river, Io, priestess of Hera, Io transformed into a calf, guarded by Argos of one hundred eyes, fifty open, while the other fifty sleep. Who would force them all closed but the astute god, Hermes, lord of strategies and trickery? Argos, hundred eyes, E, Argos, hundred eyes, E, e, e, Argos E, E, E, eyes. What do fables mean, besides the pleasure of fabling? Love is that which subsists even after you say, I don’t love you any more. in a dream, I dreamed, to live all in a mirror. If the mirror exists, being does not exist. This fountain is a ditch, sewer, garbage, cloaca of myths. Dead myths stink, the smell of dead kings, dead gods, rivers strangled by Hercules. This myth is dead and above the dead myth I will build a new myth. Dea, idea. Error upon a time. To endure, the greatest miracle.

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

New Poets

Júlio Castañon Guimarães
Horácio Costa
Régis Bonvicino
Josely Vianna Baptista
Carlito Azevedo
Claudia Roquette-Pinto

Júlio Castañon Guimarães
    (1951)

3 MOVIMENTOS

  1. Veneza 86

guarda
de um passado
que se liquefaz
uma cor uma luz
uma música em silêncio
e o que recolhem
da memória de um olhar

  1. Londres 89

em um tudo de um museu
tropeça-se em aparas do passado
mármores granitos gestos
para sempre fragmentos
frustra-se a insistência
em recuperar em recompor
para além do devaneio
sequer o olhar será o mesmo
devassará brumas e hiatos
no improvável reencontro

  1. Bruxelas 89

da fachada art nouveau
o vento arranca um motivo floral
que começa a se desfazer
entre o sorriso o sotaque russo
as reticências o olhar sua voragem
o aceno já no trem para Berlim
e segue a se redesenhar
como imagem da dispersão

(Inscrições, 1992)

3 MOVEMENTS

  1. Venice 86

save
from a past
which liquefies
a color a light
a music in silence
and what they collect
from the remembrance of a look

  1. London 89

in one an entire museum
stumbles on scraps from the past
marble granite gestures
forever fragments
the insistence frustrating
on recuperation on recomposition
beyond the reverie
even the look will be different
will penetrate mist and opening
at the improbable second meeting

  1. Brussels 89

from the art nouveau façade
the wind tears off a floral motif
which begins to unravel
amidst the smile the russian accent
the reticence the look its vortex
the wave from the train to Berlin
and continues redesigning itself
as image of dispersion

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

ÚLTIMA CANÇÃO

  Como esquecer a noite crivada de estrelas, cravada fundo no destempero? Se o céu se abria adiante, abrigando o alcance do olhar, todas as penhas e o cenário de adornos.
  Por uma mínima trilha de Minas, entre capins e capelas, era possível erguer não a voz, não o tranco, mas a espera. Que avançava, alerta, pelas curvas de cada pausa. Que sabia, pelas margens, aonde ainda não se chegava. Embora o hálito de músculos tesos, embora o tato sem controle, embora súbito vagas de dissolução.
  (Alguns ruídos de insetos, carrapichos na barra da calça, latidos ao longe.) Vertigem de fumos no ar enregelado ou tentativas de ardor desfeitas por uma lógica em precipício não desvendarão, sequer sujarão, as miúdas cifras interpostas entre o quase entrelaçamento.
  Aqui mais vasto podia ser o pasmo, mais vasto podia ser o avesso. Sem cismas, assim como sem resignações. Rente ao chão, sentindo no corpo a terra úmida de sereno.

(Matéria e Paisagem, 1998)

LAST SONG

  How to forget the night perforated with stars, penetrated deep into the disorder? If the sky opened up ahead, sheltering the reach of sight, all the cliffs and the decorated setting.
  On a narrow trail in Minas, between grass and chapels, it was possible to increase not the voice, not the trot, only the anticipation. Which advanced, alert, through curves of each pause. Which knew, by the banks, where it had yet to arrive. Despite the scent of taut muscles, despite sudden waves of dissolution.
  (Sounds of insects, burrs stuck to the pant-leg hem, barking in the distance). Swirls of smoke in the frozen air or attempts at ardor undone by a logic on the precipice they won’t reveal, not even soil, the small ciphers located between the almost interlacement.
  Here vaster could be the wonder, vaster could be the reverse. Without illusions, as without reservations. Close to the ground, the body feeling the earth humid with dew.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

TRÍPTICO

1.
como um morro
(que não chegue a destruir
um horizonte
suas figuras de nuvens)
e com o risco
do que por trás dele

com uma árvore
para sempre debruçada
na curva do rio
sobre as águas que passam
– e seus galhos
espalmados no meio da cena
(da lembrança da cena)

como as pedras
espalhadas na corredeira
com que também
se atropela a enumeração
das peças da paisagem

2.
uma paisagem se faz ainda
com alguns nomes
mesmo que
vazios da coisa
esvaída no tempo

alguns nomes
seus rastros de afeto
o nome onde os avós
alguns nomes
Tabuleiro Pomba Guarani Piau
todos os nomes que travam
os nós de uma história
e mais
sua paisagem

TRIPTYCH

1.
like a hill
(which fails to destroy
a horizon
its figures of clouds)
and at the risk
of what is behind it

with a tree
forever stooped
on the curve of the river
over the passing water
— and its twigs
flattened in the middle of the scene
(of the memory of the scene)

like the stones
scattered in the rapids
which also
smash the enumeration
of the pieces of the landscape

2.
a landscape makes itself
with some names
even if
emptiness of things
emptied in time

some names
their wake of affection
the name where the grandparents
some names
Tabuleiro Pomba Guarani Piaui
all the names that unite
the we of a history
and more
its landscape

3.
mas uma paisagem
talvez venha apenas de um foco
pois a paisagem é quando
cada vez mais longínquos
ao olhar de Patinir
os personagens
quase apenas musgo das pedras
quase apenas sombras das árvores

quando então a paisagem
em controle telescópico
– composição de distâncias
acidentes e amplitude
sem subtração de aventuras
e ausência

(Matéria e Paisagem, 1998)

3.
but a landscape
perhaps come just from focusing
for a landscape is when
ever farther
at the sight of Patinir
the characters
almost just moss on stones
almost just shadows of trees

when then the landscape
in telescopic control
— composition of distances
accidents and amplitude
without subtraction of adventures
and absence

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Horácio Costa
    (1954)

O INVISÍVEL

Sempre a invisibilidade esculpi
abstraindo da pedra a forma fácil
e, contra os sentidos, negando até
cada artifício em que me refletisse.

Olhar e tato, agentes do pensamento
de quem esculpe, dão acesso ao ser
que a escultura da matéria pascento
ao longo da história, revelar quer.

Fiz de mim a não-forma que no vácuo
entre golpe e golpe o escultor em dúvida
não perfaz nem cessa de acometer:

desta iminência veio à luz um sólido
de insuspeitável visibilidade,
um ser-de-ar que refuta o buril.

(Quadragésimo, 1999)

THE INVISIBLE

I always sculpted the invisibility
separating the easy form from the stone
and, against sense, negating until
in each artifice I would be reflected.

Sight and touch, agents of the sculptor’s
thought, giving access to the being
which the sculpture from the material shepherded
the length of history, reveals want.

I made myself the anti-form which in the emptiness
between blows the sculptor in doubt
does not perfect nor cease to provoke:

from this imminence came to the light a solid
of unsuspicious visibility
a being-of-air which refutes the chisel.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

NEGRA

já escrevi “tentei tudo”
já te escrevi que já me tinhas visto
não como um gato mas seu novelo
enrolado em teus babados:
queria perder-me
na periferia do teu corpo
respirando o ar que o que exalas
– frio? fumo? perfume?
compulsória epifania? –
modifica
ou nos faz
– hilário gás lacrimógeno? –
crer que modifica

negra mina
aqui me tens de novo:
persegui teu rastro
& consultei horários que levavam
à tua evasiva região
servi compêndios & li filosofias
& abracei meu umbigo & sonhei
& abri dicionários & me tornei
expert em trivia
& aqui me tens
de novo

& aqui me tens
irreduzindo-te
imemorial oh desmemoriada:
volteias o rosto
para a escuridão em que procrias
tuas dezenas de ninhadas cegas
com teus peitos duros & teus gestos puros
teu escarninho sorriso desdentado
tua baba de loucura & sabedoria

musa: aqui me tens
mais uma vez vim ouvir-te
sussurrar
tua viscosa & negra

palavra

(Quadragésimo, 1999)

SISTUH

i wrote “i tried everything”
i wrote to you that you’ve seen me before
not like a cat but a ball of yarn
rolled in your new loves:
i wanted to loose myself
in the margins of your body
breathing the air that you exhale
— cold? smoke? perfume?
compulsory epiphany? —
modifies
or makes us
— hilarious tear gas? —
believe it modifies

black mine
here you have me again:
i chased your trail
& i consulted schedules they brought
to your evasive regions
i studied text-books & i read philosophies
& i clasped my navel & i dreamt
& i opened dictionaries & i became
an expert in trivia
& here you have me
again

& here you have me
you irreducible
immemorial oh unforgotten:
your face dances
for the darkness in which you procreate
your dozens of blind hatchlings
with your hard breasts & pure gestures
your flouting toothless smile
your wise & crazy spit

muse: here you have me
one more time i came to hear you
murmur
your viscous & black
word

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

CANÇÕES DO MURO

1

Quem botou o reboco neste muro
não tinha o domínio de espátula,
ignorava a mescla correta da argamassa,
não era bom pedreiro.

Ou será o tempo apenas o culpado
pela destruição do seu trabalho?
Não faz assim tantos anos
que levantaram este muro.

Pintaram-no de branco
e várias vezes repintaram-no,
de branco primeiro, depois só de tons ocres.

2

O sol batia a pino sobre o muro
que parecia estar ali
desde que é o mundo mundo:
os passantes não o percebiam mais.

Usaram-no como suporte
de campanhas políticas & publicitárias,
Kolinos & logos
& siglas & partidos
impressos com tinta barata.

3

Usaram-no também para grafites:
escreveram sobre rostos & restos
de affiches & argamassa
como se sobre uma folha em branco.

Virou a carne do muro
uma espécie de pasta: um Tàpies
esquecido num canto de cidade, obra in progress
de significado igual & forma instável
(do lado de lá, escondia-se /
esconde-se
o velho jardim de rosas).

SONGS OF THE WALL

1

Whoever applied plaster to this wall
wasn’t handy with a trowel,
didn’t know the right mixture for mortar,
wasn’t a good mason.

Or is time to blame
for the destruction?
This wall was raised
not so long ago.

It was painted white
and repainted several times,
first white, then just tones of ochre.

2

The sun shone full on the wall
which seemed to have been there
ever since the world, world:
passersby no longer took note.

It was used as a stage
for political & ad campaigns
Kolynos & logos
& acronyms & factions
printed in cheap ink.

3

It was used for grafitti too:
scribbled faces & scraps
of posters & mortar
as if it were a blank page.

The flesh of the wall became
a sort of paste: a Tàpies
forgotten in some corner of the city, a work in progress
of equal significance & unstable form
(on the other side, was hidden/
is hidden
the old garden of roses).

4

Quem reparou na progressão das gretas
sobre a sua superfície & mediu
a deslavagem & a erosão milimétricos?
Quem leu as pautas que se formavam?
Quem viu o reboco cair como icebergs
no oceano da calçada?

A sós se desfazia /
se desfaz o muro,
sua música para ninguém cantada,
surdina para surdos, cantochão para o chão,
nu descendo a escada numa casa vazia,
natividade num museu antártico.

5

Por isso cantaria eu o muro?
Por isso eximiria eu
o pedreiro do mau reboco
de seu mau trabalho
de há quarenta & mais anos?

Sua obra resultou em obra d’arte
– que vive na retina, que não no espaço –,
mas não é esta a razão,
nem este poema a sua defesa
nem a épica do descobrimento súbito
do muro.

6

Canto o muro porque sim,
porque sua pele & a minha se assemelham
posto que também já tomei sol & tomei chuva,
posto que sobre o meu corpo discursos
& campanhas se imprimiram /
imprimi:
já tive tantas caras & sorri
como foram da minha vida os meses
& as idéias políticas ou não
que se sobrepuseram
umas sobre as outras

4

Who noticed the growing cracks
on its surface & measured
the fading & the kilometrical erosion?
Who read the score that took shape?
Who saw the plaster fall like icebergs
into the ocean of the sidewalk?

The wall was collapsing/
collapses by itself,
its music sung for no one,
mute for the deaf, plainsong for the plain,
nude descending the staircase in an empty house,
nativity in an Antarctic museum.

5

For that shall I sing of the wall?
For that shall I absolve
the mason from shoddy mortar
his shoddy workmanship
of some forty years ago?

His work resulted in a work of art
–which lives in the retina, not in space—
but this is not the reason,
nor this poem his defense
nor the epic of the sudden discovery
of the wall.

6

I sing the wall just
because its skin resembles mine
since I too have been under the sun & beneath the rain,
since on my body speeches
& campaigns were printed/
I printed:
I had as many faces & smiles
as there were months of my life
& ideas, political or not,
which have layered themselves
one atop another.

7

Canto-o & dou-lhe olhos & ouvidos
para cantar-me a mim;
ao emprestar-lhe minha voz /
tomá-lo emprestado para a minha voz
Eu canto a mim.

edificado por acaso numa esquina do tempo
(do outro lado, o velho jardim de rosas)
ruminando, cantarolando o que me apraz
(sim que há rosas, me disseram)

& os Tàpies, os topázios
sobre a minha pele
(& as pétalas)

8

& as fraturas
& os desmoronamentos
& as cantigas da gravidade
& o caminho ao pó

o meu caminho
& o muro.

(poema inédito em livro)

7

I sing of it & give it eyes & ears
to sing of me;
when I loan it my voice/
borrow it for my voice
I sing of myself,

built by chance on a corner of time
(on the other side, the old garden of roses)
ruminating, humming whatever pleases me
(yes there are roses, I have been told)

& Tàpies, the topazes
on my skin
(& the petals)

8

& the fractures
& the crumbling
& the canticles of gravity
& the road toward dust

my road
& the wall

(previously unpublished)
(Tr. Martha Black Jordan)

Régis Bonvicino
    (1955)

COMPOSIÇÃO

Cano com furos eqüidistantes fixo no teto lançando jatos de água destilada lance de paralelepípedos desalinhado ninguém neles se ajustando grades de ferro pontiagudas em parapeitos de vitrine e janela de alcance mínimo para que ninguém se deite nos espaços vazios ferros retorcidos em portas no teatro além dos jatos câmera canteiro árvore de onde sai a água flores vaso espinho

(Céu-eclipse, 1999)

COMPOSITION

Pipe with equidistant holes fixed on the roof sending jets of distilled water descending misaligned cobblestones nobody on them balancing grates of iron with spikes in window sills and window in decent reach so that nobody lays down in the empty spaces iron twisted on theatre doors along with the jets camera flowerbed tree from where the water flows flowers vase thorn

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

O AGAPANTO

O agapanto se lança em janeiro alamanda talvez canto de magnólia branca mil folhas florena esporinha em fevereiro manacá-março o que é flor o que é azul brinco-de-princesa insigne em abril camélia branca de maio íris numa agulha de sol de junho lápis-lázuli lacunas de campânulas embora chamadas de flor rododendro caliandra que se lança jasmim ou miosótis no mês seguinte o que é sépala de outubro fulvo antúrio cinerária petúnia jacarandá-mimoso no mês de janeiro e dezembro sálvia a pétala deslocou a parábola a flor secou a fábula

(Céu-eclipse, 1999)

THE AGAPANTHUS

The agapanthus blooms in january yellow bell perhaps song of magnolia white milfoil yarrow floret larkspur in february manaca-march that which is flower which is blue princess-jewels eminent in april white camelia of may iris in a needle of june sun lapis-lazuli lacuna of campanulas though called flower rhododendron calliandra which blooms jasmin or myosotis on the following month which is sepal in october tawny snapdragon cineraria petunia jacaranda-tendergrass in january and december salvia the petal plucked the parable the flower dried the fable.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

220294

Você toma a avenida como marco. Desce uma de suas transversais até o largo. O que ressalta no caminho é o asfalto pesado. Automóveis. A forma dos automóveis contrasta com a da rua. Farmácia em seguida cortiço. A fachada da igreja neoclássica encoberta pela fuligem. Travessas com asfalto carbonizado. O céu, apesar de claro de verão, espelhando exatamente o asfalto morto. Árvores de tamanhos semelhantes. Apagadas. Paredes de prédios. Nas esquinas, lanchonetes sujas. Ruído igual dos motores. Pouco antes do largo, em frente à farmácia das prostitutas, uma rua aérea, com janelas despencadas. Entre as avenidas, o posto de gasolina. Como se as sombras fossem imagens. O neon do cinema. E, na praça, uma mulher nua inteira de pedra exposta ao sol.

(Ossos de borboleta, 1996)

022294

Takes the avenue as a landmark. Goes down one of the cross streets until reaching a square. On the way, notices the heavy asphalt. Cars. The shapes of the automobiles contrast with the roads’. Pharmacy followed by projects. The façade of the neoclassic church covered with foliage. Cross streets with lanes of charred tar. The sky, despite its summer clarity, perfectly mirrors the dead asphalt. Trees of similar sizes. Burnt out. Walls of buildings. Dirty diners on the corners. Noise from the motors. Just in front of the square, directly facing the prostitutes’ pharmacy, an aerial street, blown out windows. Between the gas stations, the avenues. As if the shadows were images. The movie house neon. And in the square a naked woman entirely of stone exposed to the sun.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

POEMA
    para Wilson Bueno

Iemanjá
de tão branca
Vela o vento
erva

que cobre os leitos
Arzúa, estrela
León
Virxen

Um de teus nomes
Jaca, Nájera
Sangüesa
Las Médulas

Ou Ruta
de los Dinosaurios
acordando
Santiago

*

A lua em Virgo minúcia pura
exuberante
ramo de arruda
azul

Cangas de Onís
Estella, úmida
luxo
para o Buda

*

manjar azul
dos deuses arco-íris
de Dan
Eco de Liríope

POEM
    for Wilson Bueno

Iemanja
(so) white
Veil the wind
herb

covered beds
Arzúa, star
León
Virgen

One of thy names
Jaca, Nájera
Sanguesa
Las Médulas

Or Route
of the Dinosaurs
waking
Santiago

*

The moon in Virgo pure detail
exhuberant
grass path of
blue

Cangas of Onís
Estella, humid
luxury
for the Buddah

*

blue flan
of the rainbow goddesses
of Dan
Echo of Lirope

Excelsa Mãe
dança
e seu cavalo
balança o mar

(Céu-eclipse, 1999) ??

Exalted Mother
whirl
and your horse
twirls the sea

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

171196

 1
Nunca morei numa rua chamada Vidro. Chutei uma vez paralelepípedos. Cada dia passava como se num espelho — de ecos. Telefones, fios. Uma vez andei de barco num lago. Nunca me vi em meu próprio reflexo. Falas, conversas — uma só figura e pessoa. Alto-falante mudo. Também morei num apartamento minúsculo. Gosto do nome das ruas de alguns amigos. Amherst, Mílvia, Sírius. Não tenho tempo para nada. Meus cabelos caíram. Talvez isto seja tudo.

 2
Meus antepassados vieram da Itália. Sicília. Nápoles. Veneza. Alessandro Bonvicino — Il Moretto. Também de Pontevedra, na Galícia. Meus antepassados, de mãe, vieram de minas. Meu nome: meu pai tirou de um cartão de visita.

 3
Nunca passei por uma rua chamada Tesoura. Uma lacraia se move, por atalhos. Formigas caindo no olho. Giuliano Della Casa, água e tinta, gosta dos quadros de Alessandro Bonvicino. Giuliano vive em Modena, via Sant’Agostino, 33. Passei alguns anos fechado, aqui mesmo, num quarto. Há uma rua chamada Tesoura. Inhambu é o nome de um pássaro. Gosto de tomar aspirinas e hipnóticos. Uma onda de luz me abandona agora — como a um fósforo, antes de partir. Há um sol e uma lua, ao mesmo tempo, no Boulevard Wilshire. Sabine Macher mora no 7 bis rue de Paradis. Alguém mora na Legion Dr. O pneu da bicicleta não é um círculo. Há uma avenida chamada Precita. O céu, ontem, estava oblíquo.

 4
Vejo você mais tarde. O filho de onze anos de David gosta de selos estranhos. Alguém está fazendo garage sale, neste momento. Não senti uma queixa abafada na docilidade das flores, esta manhã. Também não vi um pássaro esguio, comendo insetos, esta manhã. Alguém mora em Gumtree Terrace. A água corre para o mar. A lua não fica cheia em um dia. Há uma rua chamada Lepic. Há uma outra, Lindero Nuevo Vedado. Aquela calçada está suja. Sweet William é o nome de uma flor. Elefantes não fiam pontas de agulha.

 5
Talvez tenha morado numa rua chamada Sí dar. Há uma rua chamada Campeche. Rose e Andy moram com certeza na Cedar Street. Maçãs não significam nada. Dizem que existe um sedativo especial para lesmas. Ninguém explica certas expansões do verde. Árvores grandes não dão frutos, apenas sombra. Sequóias e conchas enlouquecem os homens. Uma mulher esmerilha, pelo telefone. Há uma rua chamada Cedro. Cilícios consentem dias e arames. Estátuas

          fazem parte
      do
        universo

(Céu-eclipse, 1999)

111796

 1
I have never lived on a street named Glass. Once I kicked cobblestones. Each day passed as in a mirror—echoes. Telephones, wires. Once I took a boat out on a lake. I’ve never seen myself in my reflection. Words, conversations—only one character, one person. Megaphone mute. I’ve also lived in a tiny apartment. I like the name of the streets of some of my friends. Amherst, Milvia, Sirius. I don’t have time for anything. My hair fell out. Maybe this is it.

 2
My ancestors came from Italy. Sicily. Naples, Venice. Alessandro Bonvicino.—Il Moretto. Also form Pontevedra in Galicia. My maternal ancestors come from mines. My name: my father took it from a business card.

 3
I’ve never run across a street named Scissors. A centipede moves sideways. Ants fall in the eye. Guiliano Della Casa, water and paint, likes the paintings of Alessandro Bonvicino. Guiliano lives in Modena, Santa Agostino Street 33. I spents some years, right here, closed up in a room. There is a street called Scissors. Inhambu is the name of a bird. I like to take aspirin and opiates. A light wave abandons me now—as a match before leaving. There is a sun and a moon, all at once, on Wilshire Boulevard. Sabine Macher lives at 7 Paradise Street. Somebody lives on Legion drive. The bicycle tire is not a circle. There is an avenue called Precita. The sky, yesterday, was overcast.

 4
I’ll see you later. David’s eleven year old son likes foreign stamps. At this very moment someone is having a garage sale. I didn’t feel like complaining due to the docility of flowers this morning. I also didn’t see a thin bird, eating insects, this morning. Some- one lives on Gumtree Terrace. The water runs to the sea. The moon doesn’t fill in during day. There is a street called Lepic. There is another, Lindero Nuevo Vedado. That sidewalk is dirty. Sweet William is the name of a flower. Elephants don’t thread needles.

 5
Maybe I’ve lived on a street called Si Dar. There is a street called Campeche. Rose and Andy, certainly, live on Cedar Street. Apples mean nothing. They say that a special sedative exists for snails. Nobody explains certain expanses of green. Large trees don’t bear fruit, just shade. Sequoias and shells drive men insane. A woman investigates by phone. There is a street called Cedro. Cecilia senses the millennia and wires. Statues

          are part
      of the
        universe.

(Tr. Jennifer Sarah Frota and Douglas Messerli)

CASAS SEM DONO
     para Lucio Costa

Farol — caixa de madeira, parede de viga, um sofá — sacos, onde a cabeça, talvez abrigo. Meia-parede, o domínio do jardim, feldspato: cabeça reclinada na pedra — olhar, profundo, à noite, para a rua, cega. Largar-se, num muro baixo, tragando o cigarro, à vista, para quem passa — variação da casa, sob o toldo em frente, onde dorme, sempre. Dorso nu, braços cruzados à cabeça: colcha vermelha entre o corpo e o degrau — vaso oferecendo sombra, trama de branco e azul, na calçada, sob a lona. Outra caixa, vazada, como cadeira. A rua, estreita, como porta, atravessando. Luz da tarde: a escada-passagem como quarto, sob árvores-frechais — acima, de plástico leve, cadeira branca — arbusto, prédio, varanda.

(Céu, eclipse, 1999)

OWNERLESS HOUSES
     for Lucio Costa

Traffic light — wooden box, slat walls, a sofa – bags, maybe to shelter the head. Half-wall, garden’s realm, feldspar: head leaning against stone – looking deep into night, the street, blind. Lounging on a low wall, dragging at a cigarette, in sight of a passerby, housing variant, under the awning in front where he always sleeps. Bare back, head in crossed arms: red bedspread between body and step – flowerpot casting shade, white and blue weave, under canvas on the sidewalk. Another box, emptied out, as chair. The narrow street, crossing, as door. Afternoon light: stairway as room, treeroot-groundsill below—above, white chair of fragile plastic – bush, building, veranda.

(Tr. Michael Palmer)

Josely Vianna Baptista
     (1957)

O QUE SONHO…

     Araño en la pared con la uña,
     la cal va cayendo
     como si fuese un pedazo de la concha
     de la tortuga celeste.
     ?La aridez en el vacío
     es el primero y último camino?
     Me duermo, en el tokonoma
     evaporo el otro que sigue caminando.
     “El pabellón del vacío” (frag.)
     José Lezama Lima

o que sonho apenas
uma idéia, o aceno
de uma orquídea ou
o avesso e o só de
uma odisséia íntim

  1. o que sonha nad

a mais que sulco,
tokonoma oco na pa
rede nua, meia-lua
tinta no olho de d
aruma quando
o dia ainda
são brumas em
f u g a

(AR, 1991)

WHAT I DREAM…

     Araño en la pared con la uña,
     la cal va cayendo
     como si fuese un pedazo de la concha
     de la tortuga celeste.
     ?La aridez en el vacío
     es el primero y último camino?
     

Me duermo, en el tokonoma

     evaporo el otro que sigue caminando.
     “El pabellón del vacío” (frag.)
     José Lezama Lima

what I dream only
an idea, the wave
of an orchid or
the opposite and the
lonely of
an intimate odysse

  1. what dreams

nothin
g more than furrow,
tokonoma hollow on
the w all nude,
half-moon
paint on the eye of
the aroma when
the day still
are mists in
f l i g h t

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

me
guarda
contigo
como
teu
umbigo
,
raso
e
narciso
,
te
abraça
comigo
como
se
a
perigo
,
paraíso

(AR, 1991)

keep
me
with you
like
your
umbilicus
,
shallow
and
narcissus
,
embrace
yourself
with me
as
if
in
peril
,
paradise

(Tr. Marta and Scott Bentley)

leonado o desenho d
e um verso fosforec
e no escuro: brilho
próprio de órions,
pós de ferrugem no
espelho curvo, velo
s, reflexos, núcleos
de sentido que o ve
rso caranguejo sid
era à superfície e
m vermelho-coríndon
, grafismo sangüíne
o onde se abismam e
perdem os outros s
entidos: a olho nu
asteróides marinho
s parecem meteoros
(teu nome à margem
de um poema abandon
ado), espuma os ve
rsos que esta cart
a esquece, brancos
, no sudário de est
relas – idéia avessa
a tua desgeografia

(Corpografia, 1992)

tawny the
sketch o f
a verse phosphoresc
e the dark: brilliance
peculiar to orions,
rust powders in the
curved mirror, fleece s,
reflexes, nucleus of
meaning that the ver se
crab a mazes to the
surface and
m red-
corundum ,
bloody graphism o
where it is sunk in and
lost the other s
enses: with a naked
eye marine
asteroid
s resemble meteors
(your name at the
margins of a
poem abandon
ed), foam the ver
ses that this lette r
forgets, white,
in the cerement of st
ars — opposite idea
to your
disgeography

(Tr. Marta and Scott Bentley)

Carlito Azevedo
     (1961)

FÁBULA (REAL) DOS LAGOS DO MÉXICO
     Para Enylton de Sá Rego e Sarah

Veja estes
lagos de montanha

irão secar

(como da fruta o
azedo do carvão o êxodo da
cor como fibrilas cristais vítreos
xistosidades como tudo o
que a vista vê)

mas deles

mas da larva dispensando
brânquias e
nadadeiras

despertará adulta
agora já a

salamandra

ex-larva
axolotl tigrinum

que nenhum sol

há de secar

(Collapsus linguae, 1991)

(REAL) FABLE OF THE LAKES OF MEXICO
     For Enylton de Sá Rego and Sarah

Look at those
mountain lakes

they will dry up

(as of the fruit the
sour from the coal the exodus from the
color like fibrils crystals vitreous
foliations like all that
which the sight sees)

but from them

but from the larva dispensing
branchias and
flippers

will awaken adult
now the

salamander

ex-larva
axolotl tigrinum

that no sun
will dry up

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

VENTO

A manhã e alguns atletas desde cedo que estão dando voltas – à Lagoa.
Outros seguem para o Arpoador (onde o ar é de sal e insônia
e a beleza ri com uma flor de álcool entre os dentes).
O mar desdobra suas ondas sob o violeta dos
olhos da menina no alto da pedra.
Um falsete fica reverberando sem querer morrer.
Dos cabelos desgrenhados do meu filho
se desprega, ao vento, como um
sorriso, como um relâmpago,
um pensamento triste.

(Sob a noite física, 1996)

WIND

The morning and a few athletes since early on go around—to the Lake.
Others follow to Arpoador (where the air is of salt and insomnia
and beauty laughs as a flower of alcohol between the teeth).
The sea unfolds its waves under the violet of the
the girl’s eyes atop the rock.
A falsetto reverberates without wanting to die.
From my son’s disheveled hair
loosens, in the wind, as a
smile, as lightning,
a sad thought.

(Tr. Marta Bentely and Scott Bentley)

PENNA: UMA EXPOSIÇÃO

Na fazenda – onde os insetos
ganham residência no cristal;
na casa em Botafogo – esmagada
pela luz e pelo pulso da pedra;
ou na paz final das Laranjeiras:
a caixinha-de-música fia
– pela eternidade adentro –
o sono da menina morta.

(Sob a noite física, 1996)

PENNA: AN EXPOSITION

At the farm — where the insects
gain residence on the crystal;
at the house in Botafogo — smashed
by light and by stone pulse;
or at the final peace of Laranjeiras:
the little music-box spins
— throughout eternity —
the sleep of the dead girl.

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

MULHER

Rude calcário
lacera a pele
fina, de arroz;

carícia oculta
corais, e luvas
mudam-se em puas;

cristal, graveto,
farpa, granito:
qualquer palavra

fere este corpo
(que entanto a guarda
e afia como

novo esqueleto:
interno em gume,
externo em grito).

(Sob a noite física, 1996)

WOMAN

Rough calcareous
lacerates the fine
skin, of rice;

occult caress
corals, and gloves
change themselves into prongs;

crystal, kindling,
splinter, granite:
any word

wounds this body
(that meanwhile guards
and sharpens as

a new skeleton:
internal in edge,
external in scream).

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

HOTEL INGLATERRA

I

Hotel
Inglaterra

não o negro
pórtico,

a escadaria
dourada

ou a gravidade
da insígnia:

dois leões
empinados

(diz-se
rampantes)

II

se penso
na morte

nem sobre
as lavândulas

à porta o
dulçor da

brisa que
encrespam,

tampouco
o corpo

jacente (e
por terra

HOTEL ENGLAND

I

Hotel
England

not the black
portico,

the golden
stairway

or the gravity
of the insignia:

two lions
rearing

(so-called
rampant)

II

if I think
about death

not even about
love and you last

at the door
sweetness of the

breeze that
ripples,

either
the body

lain (and
on the ground

III

a navalha
aberta

e enfim
cumprida,

a grossa
toalha

— já se esvai
a vida —

freando o
repuxo

de sangue
dos pulsos)

IV

se penso
na morte

apenas
me fala

tua
tabuleta

na noite
mais clara

— concisa,
sincera:

Perdão
Não Há Vagas.

(As Banhistas, 1993)

III

switchblade
open

and at last
accomplished

the coarse
towel

— now vanishes
the life —

braking the
recoil

of blood
from the pulses

IV

if I think
about death

your
signboard

only
shows me

on the clearest
night

— concise,
sincere:

Sorry
No Vacancy.

(Tr. Marta Bentley and Scott Bentley)

Claudia Roquette-Pinto
     (1963)

GEORG TRAKL

sete vistas esperam atrás do nome
jardim que foi salvo, tonsura de muros:

árvore branca do desejo,
coberta de flores-do-equívoco

poças gêmeas olheiras
sob uma rajada de pétalas

um astrolábio, perdido na fuga

um par de seios – faróis
que os dedos acabaram de acender

a criança de olhos-guilhotina:
razão (manhã) decapitada

a palavra sarça ardente

um punho fechado teu coração

(Zona de sombra, 1997)

GEORG TRAKL

seven views wait beyond the name
saved garden, tonsure of walls:

white tree of desire,
covered with flowers-of-equivocation

twin pools circles under the eyes
below a squall of petals

an astrolabe, lost in the flight

a pair of breasts—highbeams
which the fingers have just lit

the guillotine-eyed child:
reason (tomorrow) decapitated

the word bramble ardent

a closed fist your heart

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

CADEIRA EM MYKONOS

I

nela não se auréola nem é falsa
a idéia, que dela se alça,
como o fogo da lenha
um grego, aliás, quem a
aprisionou, como a um inseto
sobre a camurça-conceito:
na língua, terceiro objeto,
menos cadeira, se a escrevo
tampouco devo (se a quero)
nos arrabaldes das sílabas
buscar madeira de mobília
preciso (para que a tenha)
adestrar-me ao negativo,
ao branco contíguo
da parede, hauri-la
como figura: literal
(modo-de-éden) nua
entre lençóis de cal

II

ícaro sem penas
noiva muda em cendais de secagem rápida
quadrúpede engendrado para solidões

(Zona de sombra, 1997)

CHAIR IN MYKONOS

I

it gets no glory not even false
the idea which emanates
like fire in a woodpile
a greek, by the way, who
imprisoned it, like one would an insect
about the suede-concept:
in the language, third object,
minus chair, and i write it
much less must i (if i want it)
on the outskirts of the syllables
to fetch furniture wood
(i need in order to have it)
to become skilled in the negative,
in the continuous white
of the wall, absorb it
like figure: literal
(mode-of-eden) naked
between sheets of whitewash

II

icarus without feathers
mute bride in fine ashen quick-drying veils
quadruped created for solitudes

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

MEIA-ÁGUA

duas conchas
tua sombra quando encosta à minha
areal mais exíguo da
fronha, língua
de areia confinando com a escuridão

corpo
casca de borco (ambos)
quando abandonamos o nítido
por um pouso menos claro

poço
e poço de sono
sobre nossas águas gêmeas
a noite hesita em refletir

(Zona de sombra, 1997)

MID-WATER

two shells
your shadow when up against mine
shoreline thinner than
pillowcase, tongue
of sand bordering with darkness

body
hull upside down (we two)
when we abandon the well-marked
for a less clear landing

waterwell
and well of sleep
around our twin pools
the night hesitates to reflect

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

NO ÉDEN

peça a ela que se desnude
começa pelos cílios
segue-se ao arame dos
utensílios diários
insônia alinhavando-se
de tiros,
a infância seus disfarces
é preciso
que se arranque toda a face
deixar que os olhos descansem
lado a lado com os sapatos
na camurça oscilante
de um quarto
isso, se quer (sequer desconfia)
tocar o que se fia (um par
de presas, topázios)
entre os vãos das costelas
abra o fecho ela desfecha
no escuro o quadrante onde vaza
a luz e suas arestas

(Zona de sombra, 1997)

IN EDEN

ask her to undress
begin with the eyelashes
followed by the wire of
daily utensils
(insomnia alleviating itself
of shots,
childhood its disguises)
it’s necessary
to strip the entire face
to rest the eyes
side by side with the shoes
in the oscillating suede
of a bedroom
this, if you wish (even if you distrust)
to touch what one trusts (a pair
of prey, topazes)
between the rib’s voids
opens the closure she discloses
in the dark the quadrant where
the light and her edges
spill

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Da banda dos metais operosos
sobe um tinir, um retinir caduco
– a tosse aguda do serrote,
o mote renitente, cego,
do martelo, quente no prego.
Agora a serra dispara
o ruído que espirala,
quer chegar a um lugar mais alto,
mais raro, feito de ar.
Canto que só se interrompe
de encontro ao tronco de eucalipto
(no atrito
que desce um tom na escala)
e rasga a tarde esticada com um grito.

(previously unpublished, 2000)

from the operable metal band
rises a sound, a falling resound
a sharp hack from the hand-saw,
the tough epigraph, blind,
of the hammer, hot on the nail.
Now, the saw discharges
a noise that spirals,
wants to arrive at a higher place,
rarer, made of air.
Song interrupted only
by meeting with the trunk of a eucalyptus
(in the friction
falls an octave on the scale)
and tears the taut afternoon with a scream.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Promising Names

Antonio Moura
Anibal Cristobo
Tarso M. de Melo

Antonio Moura
     (1964)

HONG-KONG
     A Edson e Fátima Secches

Paira
   sobre as cabeças
uma alta quantia de estrelas

Na terra
   olhos vendados
onde se lê grafitado: à venda

Sob
o céu
esticado
– tenda –
   o burburinho-mercado
prega
(pregão)
a milhõe$
        $
         $
      $
       $
$
de planetas

(nuvens com etiquetas)

à noite
   o sol é ouro especulado

(Hong-Kong & outros poemas, 1999)

HONG-KONG
     for Edson and Fátima Secches

Hovers
over heads
a large quantity of stars

On earth
   blindfolded eyes
where one reads graffitied: for sale

Above
the sky
stretched
   —tent—
the clamoring market
nail
(proclaim)
the million$
        $
         $
      $
       $
of planets

(clouds with labels)

to the night
   the sun is speculated gold

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

MOCAMBO

Meio-dia

olho-Sol
esbugalhado: Ó

os
so
retorcido: S
em brasa

sob a
pele sub
humana
esti — papiro — cada
seca sobre a carne zero
exposta ao
céu — miséria
a pino

Corpo — haste
ainda em riste

neste

cemi
tério-favela, semi
lírio

(Hong-Kong & outros poemas, 1999)

HIDEOUT

Mid-day

solstice-ocular
ogle: Oh
os
sif
ied
twisted: S
smoldering

above the
skin sub
human
stre — papyrus — tched
dry above the zero flesh
exposed to the
sky — high
misery

Body — staff
unsheathed even

in this

ceme
tary—slum, semi
lilly

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

NOITES, DIAS
     A Luciana Medeiros

Noites de seda obsedantes
Dias de caos causticantes

Um céu silêncio de estrelas
explosão diamantes

Um sol confusão de homens
nomes entre si distantes

Um céu macio, sexo
Um sol duro, osso

Um mundo sem nexo
exigindo corpo

(Hong Kong & outros poemas, 1999)

NIGHTS, DAYS
     for Luciana Medeiros

Nights, Days

Nights of silk obsessed
Days of chaos embittered

A sky silence of stars
explosion diamonds

A sun confusion of men
names among themselves distant

A sky soft, sex
A sun hard, bone

A world without nexus
demanding body

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Anibal Cristobo
     (1979)

CÉU DO AIATOLÁ

A voz do Aiatolá — UNKNOWN
PERSISTING SUBSTANCE — é também
uma fita de luz

repetida no ar como fluxo magnético
e decomposta em cálculos e ritmos, em calor,
em impulsos binários

e é o monte
com seu kit de fragrâncias e de ventos

e arenga,
domadora de pedras e de imagens.

O must do Aiatolá não é uma distorção: é fulgor
que rege no deserto e nas flores
— nas lajes simétricas
como na ramagem estroboscópica
da árvore e a lua: — Aiatolá’s sky
no alto da torre. —

(Teste de Iguana, 1997)

SKY OF THE AIATOLA

Aiatola’s voice “UNKNOWN
PERSISTING SUBSTANCE” is also
a stream of light

repeated in the air as magnetic flux
and decomposed in calculations and rhythms, in heat,
in binary impulses

and is the name
with its kit of fragrances and winds

and tirades,
tamer of rocks and images.

The must of Aiatola is not a distortion: a blaze
that reigns in the desert, in the flowers
in the symmetrical gravestones
as in the estrustroboscopic
of the tree and of the moon: — Aiatola’s sky
high on the tower. —

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

OFF

Não há beleza: há vôo;
há pássaro no poste ou nada. Vazio
no cenário, estático
na sua arte de confundir as vozes.
Não há gozo; há segundos
de um loop acrobático, expressivo/impressivo
com flores no céu, virtual. Não há
imaginação e não há acordo
com nada
que siga prometendo e esteja teso,
imprimindo seu vôo no revés do ar, não cante
como na primeira manhã. —

(Teste de Iguana, 1997)

OFF

There is no beauty: there is flight;
there is a bird on a telephone pole or nothing. Emptiness
in the scenario, static
in its craft of blending voices.
There is no bliss; there are seconds
of an acrobatic loop, expressive/impressive
with flowers in the sky, virtual. There is no
imagination and there is no harmony
with anything
that follows promising and taut,
imprinting its reverse flight from the air, doesn’t sing
like on the first morning. —

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

SINGLE CACTO

Um traço aqui, com
sua definição
do vazio incessante: este cacto
é uma nova imagem
onde esgotar as forças

e seu corpo não volta a nós;
seu crescimento assim,
vedado
à imaginação, à ilusão
desta luz de mercúrio, destes brinquedos
que repetem a série: “a poesia
era essa maquiagem, esse estado
de coisas,
fenômenos

apresentados ali, na credulidade
de outra linguagem.

Os cactos adormecem na espera, na
voz da lembrança. Não abandonam
seu sítio:

vão inquietar
vão chegar assim até nosso repouso

“O cacto é
essa matéria fútil, espelhada
no árido do dia, quase
intratável?”. É.

Rodeado pelas luzes,
se abandona de si; e a sua
mudez
é cacto, regressa ao infinito. —

(Teste de Iguana, 1997)

SINGLE CACTUS

A trace here, with
its outline
of incessant emptiness: this cactus
is a new image
where to drain the forces

and its body do not return to us;
its growth thus,
sealed
to the imagination, to the illusion
of this mercurial light, of these playthings
which repeat the chant: “poetry
was this make-up, this state
of things,
phenomena

presented there, in the quality
of another language.

the cacti doze in wait, in the
voice of remembrance. They don’t abandon
their site:

they disturb
they even reach us in our rest

“Is the cactus
this futile material, burnished
by the arid day, almost
unmanageable?” Yes.

surrounded by lights
abandons itself; and its
muteness
is cactus, returned to the infinite.

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

Tarso M. de Melo
     (1976)

ESPAÇOS

no espaço o silêncio
de marceau

à luz, escuro
e grávido de som
um gesto

ofício mudo

lúdico
anti-músico
guardando
um pássaro
em cada pulso

(A lapso, 1999)

SPACES

in the space the silence
of marceau

in the light, dark
and pregnant with sound
a gesture

mute occupation

ludic
anti-music
hiding
a bird
in each beat

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

LEITURAS

quase cego,

lendo, acreditando
em deus – personagem
de murilo mendes –
e duvidando de tudo
o que existe
e está vendo

quase, enxer-
gando, sem querer
um ou outro livro
ou todos, ou, como
nunca, nenhum,
mas persistindo

sempre cego
a quase todos
por querer ver
demais o mesmo

(A lapso, 1999)

READINGS

almost blind,

reading, believing
in god—the person
murilo mendes—
and doubting all
that exists
and is seen

almost, see-
ing, without wanting
one book or another
or all of them, or, as
never before, none,
but insisting

and blind
to almost all of them
for wanting to see
too much the same

(Tr. Jennifer Sarah Frota)

1 PALMER, Michael; BONVICINO, Régis; ASCHER, Nelson (Eds.) Nothing the sun could not explain. Los Angeles: Sun & Moon Press, 1997.

2 PALMER, Michael. “Paz and Vanguardism”. unpublished: 1999.

3 BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira, 33a. ed. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 487.

4 IDEM, ibidem, p. 487-88.

[1] PALMER, Michael; BONVICINO, Régis; ASCHER, Nelson (Eds.) Nothing the sun could not explain. Los Angeles: Sun & Moon Press, 1997.

[2] PALMER, Michael. “Paz and Vanguardism”, 1999 (não publicado).

[3] BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira, 33a. ed. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 487.

[4] IDEM, ibidem, p. 487-88.