WORLD

Maxine Chernoff é autora de cinco livros de poesia, incluíndo New Faces of 1952, que ganhou o prêmio Carl Sandburg em 1985, Japan e Leap Year Day: New and Selected poems. Seu primeiro livro de ficção, Bop, foi premiado com o Friends of American Writers Award e o LSU/Southern Review Short Fiction Award em 1987. Sua segunda coletânea de contos, Signs of Devotion, foi eleito New York Times Notable Book em 1993. Entre seus três romances está American Heaven, finalista do Bay Area Book Reviewers Award de 1997. Segundo o escritor Ricardo Cortez Cruz, American Heaven é “o mais importante trabalho sobre o Sonho Americano desde O Grande Gatsby”. Sobre seu último romance, A Boy in Winter, publicado em 1999, a crítica Katherine Wolff escreveu no New York Times Book Review: “Chernoff explora o significado dos termos crime e castigo ao mesmo tempo que mantém uma narrativa instigante e rítmica”. Além do New York Times Book Review, obras da autora já foram resenhadas nos jornais The Chicago Tribune, The Washignton Post e The Los Angeles Times, entre outros. Seu trabalho foi incluído também em dois recentes estudos críticos sobre literatura americana contemporânea, The American Prose Poem, de Michel Delville e Breaking the Sequence, de Marjorie Perloff (Princeton University Press). Atualmente, Maxine Chernoff é co-editora da revista New American Writing, e Professora do departamento de Criative Writing na San Francisco State University. Ela vive na Califórnia com o poeta Paul Hoover e seus três filhos. (Matias Mariani)

Maxine and Hoover, Chicago 19

You sound a bit lonely up there on the hill.
Georgia O’Keeffe
to Alfred Stieglitz, 1937

1.

Magnification
reinstated
set donors
to quiver
a tender replica
of sulphorous
ancestors
gradual creosote
becalmed
singer
splintered wholly
as when we fail
in Lake George window
to view
the world
as plain
or sphere

 

Você soa um tanto solitário aí em cima do morro.
Georgia O’Keefe
para Alfred Stieglitz, 1937

1.

Ampliação
restaurada
lança doadores
ao tremor
uma tenra réplica
dos ancestrais
sulfurosos
criolina gradual
cantor
silente
fragmentário
como quando não conseguimos
na janela do Lago George
ver
o mundo
como plano
ou esfera

 

2.

Skeletal (blur) nor riper
shock
a glistering gaze
anvilled
a burst of verily
(to view) glass
raised up
“a small white dot”
an ossuary
in neutral air
an intuition (finally)
to pleasure a retort
or slap
a pearl

 

2.

Esquelético (borrão) choque
nem mesmo maduro
íris cintilante
cingida
eclosão de verdadeiro
(para ver) vidro
elevado
“pequeno ponto branco”
um ossário
em ar neutro
uma intuição (finalmente)
de agradar uma resposta
ou tapa
uma pérola

 

3.

An older dreamer
darkly views
a western water
comatose (green)
is likely best
to crime a harvest
swimming  lights
blissfully whole
the Berkeley Hotel
through shocked
dwarfed holiness
dark for dark
feathered
churlish
dawned

 

3.

Um sonhador envelhecido
observa torvo
a água ocidental
comatosa (verde)
é presumido melhor
incriminar uma lavoura
luzes que nadam
inteiras em êxtase
o Hotel Berkeley
através de pequena
santidade espantada
escuro por escuro
emplumada
vulgar
esclarecida

 

4.

Easily vocal
bloom in winter
relapse to     a curtain parted
preserved the whistling
silver dish
(or lily)
and the clustering
leaves
(too dry)
semi-transparent
above the city
fixed on film
the shadowed
camera shuts
its eye
in late November
modestly
as rain

 

4.

Facilmente vocal
floresce no inverno
reincide em       uma cortina partida
o silvante disco prateado
(ou lírio)
preservado
e os feixes de
folhas
(tão secas)
semi-transparentes
sobre a cidade
fixada em filme
a obscura
câmera fecha
seu olho
no final de Novembro
modestamente
como chuva

 

5.

And Alfred’s
leverage vetoed
fuming prayer
radar
listless
sentient balefuls
slavering for
antic vacuum
lustre
a motif
in nature
as in art

 

5.

E a influência
de Alfred vetava
rezas enfurecidas
radar
apático
seres malévolos
adulando por um
vácuo burlesco
esplendor
um tema
na natureza
como na arte

 

6.

Sometimes anthracite
seasick effluvium
“classical serenity”
whistles distance
leverage    of priesthood
makes a photo
intolerable
kindness gaining
vagrancy license
everyone targets
instant carnality
museum redresses
ancients
here (in space)
the grace
and depth
of
open sky

 

6.

Às vezes antracito
eflúvio mareado
“serenidade clássica”
assobia distância
influência do sacerdócio
faz uma foto
intolerável
gentileza ganhando
licença de vadiagem
todos almejam
lascívia instantânea
museu emenda
antigos
aqui (no espaço)
a graça
e profundidade
do
céu aberto.

 

7.

If  boodle and book
open and rescue
dress
unctious
as in
exposure
when a crane ladles
buildings up
culpable as in
rarely imagined
an  alibi    a season
progress
list quickly
location
“of things in light”

 

7.

Se suborno e livro
abertura e salvamento
vestem-se
untuosos
como em
exposição
quando um guindaste conduz
prédios ao alto
condenáveis como
raramente imaginado
um álibi       uma estação
progresso
liste depressa
localização
“de objetos na luz”

 

8.

Shyly ensconsed
on clean water
of a sort and promised
sparks the shoulder
should I
rather closely
and meanwhile
veins      he said
lanterns to you
but scarcely
used up
luxury
in fact      a clearing
a sceptor
surveyed
rutted weather
thrashed
as a country
before her
opens spaces
too

 

8.

Timidamente abrigado
em água de certo modo
limpa e em fagulhas
prometidas o ombro
devo eu
bem perto
e enquanto isso
ele disse      veias
para você lanternas
mas apenas
luxúria
usada
na verdade     uma clareira
um cetro
examinado
tempo sulcado
refugado
como um país
diante dela
espaços abertos
também

 

9.

Dainty automation
automatic
shutter or rain
for example
freely shaken
“How can I
be jealous of
a place?”
an answer
(undisguised)
or presentation
flustered
lauds her
a listing air

 

9.

Deliciosa automação
automático
obturador ou chuva
por exemplo
livremente abalado
“Como posso
ter ciúmes de
um lugar?”
uma resposta
(desmascarada)
ou apresentação
alvoroçada
louva-lhe
um ar embevecido

 

10.

King Lear subsumed
between gone
gauntness strikes a furthermore
perhaps mimetic
occult and
rustic birds   (ergo limit)
poor old other
fate forged
recent
gestured
departure
to Eastern gardens
tourists
here
a home

 

10.

Rei Lear subordinado
em ida macilência
golpeia ainda pássaros
talvez miméticos
ocultos e
rústicos   (logo limite)
outra pobre velha
sina forjada
recente
tateada
partida
para os jardins do Leste
turistas
aqui
um abrigo

 

11.

Herself (though armor)
itself like maps
ledger’s sleeping
she      not knowing
moonlit feather
stellar     smaller “i”
patient limitless
nature
learned to purr
kabuki workhouse
love
to silk a sorry
landscape      together
weathered droll
and wings of letters
rumored       as singing

 

11.

Ela (embora armadura)
isso tal mapas
livro-razão adormecido
ela      não sabendo
pena sob lua
estelar menor eu
sem limite paciente
natureza
aprendeu a ronronar
oficina kabuki
amor
sedar uma
paisagem    deplorável
cômico desgastado
e asas de cartas
ditas        cantantes

 

12.

Numbers Precambrian
presence perchance
to shine and turn and
“Go ask Esso”
mordant abbey
a liquid custom
to minimize slope
as black Ford
finds
a valid form
in folds
and contours
of “extracted”
renovation

 

12.

Números presença
Pré-cambriana porventura
brilhar e virar e
“Pergunte para Esso”
mordaz abadia
um hábito líquido
de minimizar declive
enquanto o Ford preto
encontra
uma forma válida
em dobras
e contornos
de renovação
“extraída”

 

13.

Cold gone corner
be winter’s waster
point to chilly brief sigh
not dreamed but counted
old school mystics
a monument results
when blown
to simple grief
faced whitely
as old heroes
stick to lips
fashioned
a  false good gesture
prologue oiled by
here the eye
eternal
moving

 

13.

Ido canto frio
seja o pródigo do inverno
aponte o fresco suspiro breve
não sonhado mas contado
místicos da velha guarda
um monumento acontece
quando explodido
em simples mágoa
enfrentada em branco
como antigos heróis
cravam-se em lábios
fabricados
um falso gesto bom
prólogo untado pelo
aqui o olho
movendo-se
eterno

 

14.

Remorse
an immolation
proper
frequently guillotined
as in taxes
insinuated
promises
discordant I
for drowsing
tensions
forgotten
crevices eyesockets
combat
oppressive green

 

14.

Remorso
uma imolação
cortês
muitas vezes guilhotinada
como em impostos
promessas
insinuadas
eu em desacordo
por tensões
sem esforço
esquecidas
frestas órbitas oculares
combatem
verde opressivo.

 

15.

Until raw weather
a spring
announces  in shirttails
parade near hexagon
cancelled
an instrument of single mirth
wastrel tendencies
(fire)
learns to breathe
or eat or
rather
(she suggests)
to echo
inner
objects

 

15.

Até tempo úmido
uma primavera
anunciada em pedaços de camisas
desfilam próximo ao hexágono
cancelado
um instrumento de júbilo único
tendências perdulárias
(fogo)
aprende a respirar
ou comer ou
ainda
(ela sugere)
ecoar
objetos
internos

 

16.

Two thousand painters
queasy    evidence
shuffling
(albeit) history
bribery and leverage
of a sort
cushioned nodding
listlessly
dry
waterfall
against the blue
pelvis
laddered up as
elevations
resurrect
the light

 

16.

Dois mil pintores
sinal    repugnante
embaralhando
(embora) história
corrupção e influência
mediana
aceno acolchoado
apaticamente
seco
cachoeira
contra a pelve
azul
empilhados como
elevações
exumam
a luz

 

17.

Riddled tongues
are dumb to hector
grievance
given a design
for nodding
hunger
diesel headlong
ashen staircase
chassis cadenced
steady slow
and hurt

 

17.

Línguas obscuras
se calam a provocações
mágoa
imbuída de forma
para acenar
fome
ímpetos à diesel
escadaria cinzenta
chassis cadenciados
firmes lentos
e feridos

 

18.

Bones
of sun-bleached
highway
a country
“of form”
and      “light a problem”
so Luminists
describe
a moral life (aptly)
and     in attention
to dust
a reason

 

18.

Ossos
de estrada
descoloridos pelo sol
um país
“de forma”
e      “luz um problema”
assim Luministas
descrevem
uma vida moral (habilmente)
e      em relação
à poeira
uma razão

 

19.

To say it freely
side by side
the human eye
(or what else
is there?)
the lens to film
the sunspots
hazy        notice how
a door is opened
casting
reference
on wet
stone

 

19.

Para falar abertamente
lado a lado
o olho humano
(o que mais
poderia ser?)
a lente para filmar
as manchas solares
enevoadas     repare como
a porta se abre
projetando
referência
sobre pedra
molhada

 

20.

To preserve
the memory
of nature
glass must hold
firmly
not
water    or if there’s
height
nearby distance
distorted
by the eye’s
dumb gestures
all the labor
“photographic”
extractions of
a hollowed frame

 

20.

Para preservar
a memória
da natureza
vidro precisa manter
firmemente
não
água       ou se há
altura
distância próxima
distorcida
pelos gestos
mudos dos olhos
todo o trabalho
extrações
“fotográficas”
de uma moldura oca.

 

21.

In bed
in Mexico, Spain
and Peru,
she felt most
colored
by blasted design
and in creation
untouchable haze
the eye
lies closer to borders
than sudden downpours
and clocks renovate
but don’t remove
the meditation

 

21.

Na cama
no México, Espanha
e Peru,
ela se sentiu muito
colorida
pelo desenho crestado
e em criação
névoa intocável
o olho
repousa perto das fronteiras
que repentinas tempestades
e relógios renovam
mas não removem
a meditação

 

Tradução: Matias Mariani