Sobre Celeste Ribeiro de Sousa

Celeste Ribeiro de Souza é pós-doutorada em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo/Universidade de Colônia (2000). Tem doutorado em Letras: Língua e Literatura Alemã também pela USP/Universidade de Colônia (1988) e mestrado em Letras (Língua e Literatura Alemã) pela USP (1979).

Estações do ano

Primavera Primavera perdida num Calor do inverno Roxos em cascatas Trepadeiras em flor Sutilmente enganadas Por ordem superior Orquídeas atentas ao Relógio do sol Pintalgam os muros em Todo o quintal Esperanças despertas Em tempos de Caos Cores expressionistas Afirmando a Luz Colam-se à retina Pintando acajus babaçus baiacus bambus belzebus E os sinos de […]

Uma narrativa safa em época de censura

Robert Weber, livreiro (Buchhändler) alemão, nascido em 24.02.1895 em Elberfeld, na Renânia do Norte, viaja ao Brasil em 1914 e, quando se prepara para voltar à Alemanha, fica difícil fazê-lo, porque nesse meio tempo explode a Primeira Grande Guerra. Assim, fica retido em terras brasileiras. Mas, logo em 1915, é contratado como professor pela colônia alemã de Erechim, no Rio Grande do Sul. Em simultâneo, consegue trabalho como escritor e fotógrafo no jornal Serra-Post e colabora também no Kalender der Serra-Post.

Literatura brasileira de expressão alemã

Em pauta está a produção literária de uma minoria ciosa de sua identidade singular, composta de imigrantes de língua alemã e seus descendentes, cujos antepassados chegaram ao Brasil a partir de 1824 (este é o marco oficial) e que segregaram, e foram segregados, pela população local e nacional, a qual, por sua vez, é pós-colonizada. O Brasil tornara-se um país independente em 1822.