UMA TRAGÉDIA NÃO NEGRA

No filme Crimes and Misdemeanors (1989), escrito e dirigido por Woody Allen, há uma cena em que o personagem Lester – um bem-sucedido e pernóstico produtor de cinema e televisão, interpretado por Alan Alda – sintetiza, em resposta a uma pergunta que um jovem lhe dirige, sua teoria sobre a comédia. Lester narra que um aluno, durante aula em Harvard, lhe propõe a seguinte indagação: “Whats’s comedy?”. Sua resposta: “Comedy is tragedy plus time”. Lester argumenta que só com o passar do tempo é que se pode desentranhar a comédia, o riso, de eventos ou situações trágicas.Qual a razão de começar esse texto sobre a “tragédia carioca” do poeta Vinicius de Moraes com a lembrança dessa passagem fílmica? Ora, não se trata aqui, obviamente, de promover a gargalhada com relação ao Orfeu da Conceição[2], mas antes, de reconsiderar, tirando vantagem do tempo transcorrido desde sua criação e de sua primeira encenação, alguns aspectos contidos na peça de Vinicius de Moraes que, hoje – e a partir de uma suspeição não digo.

Redescobrindo Hilda Siri

A memória, como é sabido, é uma instância fundamental para a aquisição do conhecimento: não só como receptáculo na origem do mesmo, quando as sensações estimuladas pelo mundo exterior, após transformadas em imagens, são recebidas e armazenadas no cérebro, mas também como arquivo, onde o conhecimento é retido e mantido sob formas maleáveis.

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Guillermo Parra

Guillermo Parra sempre esteve entre o inglês e o espanhol, entre os Estados Unidos e a Venezuela. Nascido em Cambridge, em 1970, de pai venezuelano e mãe norte-americana, seus primeiros anos de vida transcorreram em uma eterna mudança entre países, forjando para si mesmo um gosto literário ambidestro que cristalizou em seus estudos de literatura. Com seu blog Venepoetics (http://venepoetics.blogspot.com), ele se dá a conhecer na órbita letrada nacional: uma iniciativa sem igual na promoção literária venezuelana que desde 2003 abre aos leitores falantes de inglês as portas não só de poetas consagrados como José Antonio Ramos Sucre, mas também de vozes jovens e de iniciativas críticas locais, através de traduções de seu próprio punho e letra.

DA MÚSICA OVO-PODRE E DA POESIA ZUMBI

A PBC (poesia brasileira contemporânea), assim como a MPB (música popular brasileira, para quem não se lembra), morreu. Quem constatou a morte da segunda não fui eu, mas Chico Buarque de Hollanda, que declarou, explicitamente: “A canção morreu” (e a canção era o gênero musical por excelência da MPB).

Imaginação Pataquérica

Tal como o título sugere, trata-se de um texto-provocação de Charles Bernstein (publicado pela Chicago University Press em 2016 no livro Pitch of Poetry) em que se abordam, através de ajustes/ataques (fits), textos poéticos que admitem conceitos contraditórios (antinomianismo) na interpretação/performance de sua formação (midrash). Os bent studies, ou estudos torcidos (como a colher que se dobra, do mágico – explica o autor), trazem à baila os protagonistas abaixo – dramatis personae verticais x horizontais: os que defendem , em última análise, a poesia inovadora contra os “classicalistas”, que a excluem das aulas e das antologias. A essa poesia inovadora Charles Bernstein atribui uma imaginação pataquérica – inspirando-se quiçá em Alfred Jarry, o pai da patafísica – um termo plurívoco, com uma porção de derivados.

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Raúl Zurita

Raúl Zurita é um poeta nascido em Santiago do Chile em 1950. Apesar de sua nacionalidade, a Itália é país significativo em sua vida, partindo de sua ascendência italiana pelo lado materno. Aprendeu italiano e espanhol simultaneamente, e a literatura de Dante Alighieri foi a primeira a impactar em sua sensibilidade artística. Teve uma infância difícil, porque pobre e órfão de pai logo ao nascer. Sua avó, que cuidou de sua criação, odiava o solo chileno e seus compatriotas italianos, que triunfavam enquanto ela enfrentava a miséria.

O occitano na França

O acontecimento que se situa na origem da decadência da língua occitana é a Cruzada contra os Albigenses, que começa no ano 1209 e que tinha como objetivo lutar contra a heresia Cátara. Esta Cruzada provocou a perda do poder dos senhores do Sul (occitano-falantes), que foram substituídos polos do norte (que falavam francês). A partir desse momento o francês começa lentamente a instalar-se entre as classes altas e a ser utilizado na administração e também na literatura. O occitano será a língua falada polo povo durante séculos mas será prescrita dos usos oficiais (oficialmente a partir da ordenança de Villers-Cotterêts de 1539, mas de facto desde muito antes) e da literatura culta. A partir da Revolução Francesa e sobretudo da Lei Ferry de 1801 de escolarização obrigatória acelera-se o processo de substituição também nos usos orais. O occitano e as outras línguas regionais da França vão ser proibidas nas escolas. A transmissão geracional da língua rompe-se de maneira maciça no primeiro quarto do século XX.

Um lugar sob o sol do além

Há algum tempo, escrevi um pequeno texto de apresentação na revista Cult sobre o filósofo e crítico russo-alemão Boris Groys (1947), pouco conhecido no Brasil. Como o tenho lido com muito interesse, pensei em estender a apresentação de seu pensamento aqui no seminário de psicanálise. Posso garantir que é dos mais originais entre a gente que, por ora, vive. A piada vai ficar clara mais adiante. Não por acaso Groys foi escolhido para escrever o catálogo da exposição The Air is on Fire, composta de desenhos, fotografias, pinturas e animações de David Lynch, exibida na Fondation Cartier pour l’art contemporain, em Paris, de 3 de março a 27 de maio de 2007.

Francesco Careri: Arquitetura e Poiesis

Em princípio, Careri não se considera nem arquiteto, nem artista, nem professor. Careri informa que se apresenta às populações nômades, aos emigrados e aos refugiados que se estabeleceram e ou passaram pela periferia de Roma, onde ele atuou com seu grupo denominado “Stalker” e, com suas sucessivas turmas peripatéticas de alunos, como poeta.