DOIS POEMAS DE YASMIN NIGRI

Separar as tarefas do dia Sair do acordo com o pântano Enumerar lugares mais penalizados Me convidar para um ménage Recusar o convite por medo de decepcionar duas ou mais pessoas de uma vez Traçar estratégias para quando a vida me derrubar tal como Contratar um dublê Traçar espaços para os quais estou indisponível em […]

Quem foi R. D. Laing

Ronald David Laing, ou R.D.Laing foi um psiquiatra e psicoterapeuta escocês que se tornou famoso pela sua abordagem anticonvencional da psiquiatria, sobretudo no tratamento de pacientes esquizofrênicos. Ele nasceu em Glasgow em 1927, estudou medicina na Universidade de Glasgow, serviu como psiquiatra no exército britânico no início dos anos 1950, e posteriormente se mudou para Londres, onde fez sua formação na Tavistock Clinic.

A ÁSPERA BELEZA
DA POESIA QUE RENOVOU O MODERNISMO BRASILEIRO

A poeta paulista Orides Fontela (1940-1998) surgiu na cena literária brasileira da segunda metade do século XX por meio de alguns dos nomes mais influentes das críticas literária e acadêmica (a começar de Antonio Candido). E se revelaria, afinal, a poeta mais importante de sua geração, que reúne autores mais conhecidos, ou menos desconhecidos, como Hilda Hilst, Adélia Prado, Roberto Piva e Paulo Leminski. Entender os motivos da dissintonia entre sua importância e seu reconhecimento pode revelar algo ou muita coisa sobre o estado da poesia brasileira contemporânea, sua recepção pública e sua crítica.
Quando descoberta por Davi Arrigucci Jr. através de um poema publicado no jornal de sua cidade, São João da Boa Vista, em 1965 (o que pouco depois resultaria em seu primeiro livro, Transposição, coorganizado por ele), Orides Fontela, sem o saber, e à mais completa revelia de seus 25 anos, estava ou foi posta no centro do embate mais duro travado nas letras brasileiras desde as primeiras reações e rejeições ao Modernismo de 22.

Má-fé na tradução

Má-fé, no sentido sartriano de enganar não apenas os outros, mas também de enganar-se, é o conceito usado por Cyril Aslanov para discorrer sobre A tradução como manipulação (Ed. Perspectiva e Casa Guilherme de Almeida, 2015). Em seu livro, o professor israelense expõe e comenta casos de falsificações, negligências, censuras, motivações políticas, boicotes, deficiências do Google Tradutor, bajulações, apropriações e também casos em que a má-fé percorre outras camadas do texto, por vezes chegando ao seu estatuto ontológico.
Apesar do cinismo contido nas atitudes descritas acima, Aslanov considera a boa intenção de tradutores, mas considera também o resultado desse tipo de tradução “fiel e laboriosa” quase sem salvação. É inevitável nos lembrarmos de traduções de títulos de filmes e livros que encontramos sempre que vamos às lojas ou ligamos a TV. A propósito, o autor também dedica um capítulo à fraude na tradução simultânea.
Para Aslanov, “o tradutor não está traindo ninguém. Ele apenas procura subterfúgios que tornem o texto aceitável para o leitor”

Revendo o filme O Som ao redor

Esta galeria contém 2 fotos.

Durante os créditos que são mostrados na abertura do longa de Kleber Mendonça Filho , O som ao redor, um filme que vi ontem no Film Festival de Los Angeles – é nos mostrada uma curta história visual da cidade brasileira do Recife, do estado de Pernambuco, no nordeste do Brasil. Os grandes edifícios coloniais, no meio do nada, parecem transformar em anões os trabalhadores nativos do campo, cujo trabalho pesado, obviamente, tornou rica esta parte do país, particularmente a dos senhores de engenhos.

Adeus, Macunaíma

Adeus, Macunaíma! Porque, afinal, ele está morto, e com ele deveria sucumbir essa condescendência tão tipicamente paulista, a que fez do “nenhum caráter” apanágio da malandragem mestiça, refúgio sentimental da brasilidade recôndita, narrativa apascentadora em face do extermínio antigo, moderno e contemporâneo dos povos da floresta. Que mais ilumina essa Ursa Maior melindrosa, além das covas rasas dos milhões de desterrados sem escrita, sem nome nem memória? Será mesmo uma rapsódia que o bardo Andrade quis solfejar, ou tudo não passou de uma pastoral turístico-aprendiz, uma visão triste-sorridente dos enredos dispostos por Koch-Grunberg, uma brincadeira para enganar o calor e salvar-se do spleen araraquarense?

Porque tudo se passa como se não passasse. E daí os folcloristas do pé-quebrado de hoje querem fazer desse folclorismo fantasista de antanho signo da identidade nacional-popular modernista. E juntam e rejuntam Mário de Andrade com Paulo Prado .

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Pascal Poyet

Pascal Poyet nasceu em Rive-de-Gier em 1970. Cursou a escola de Belas Artes de Grenoble. Desde 1998, codirige com Goria as edições Contrat maint (mais de setenta títulos disponíveis), que publicam textos de artistas e de poetas contemporâneos, ensaios, traduções, em obras curtas cuja forma, inspirada na literatura de cordel brasileira, traduz uma utopia de pensamento e de ação.

Bibliografia: L’Entraînement, com Goria, contrat maint, 1998; Compadrio, com Jean Stern, contrat maint, 1998; Abigail Child, Climat / Plus, Format Américain, 1999; Charles Olson, Commencements, ouvrage collectif, Théâtre Typographique, 2000; L’Embarras, Patin & Couffin, 2000; Principes d’équivalences, Fidel Anthelme X, 2001; Expédients, La Chambre, 2002; Peter Gizzi, Revival, cipM / Spectres Familiers, 2003; Au compère, Le bleu du ciel, 2005; David Antin, je n’ai jamais su quelle heure il était, Héros-Limite, 2008; Trois textes cinq définitions, avec Goria, lnk, 2010; Draguer l’évidence, Éric Pesty éditeur, 2011;

Estações do ano

Primavera Primavera perdida num Calor do inverno Roxos em cascatas Trepadeiras em flor Sutilmente enganadas Por ordem superior Orquídeas atentas ao Relógio do sol Pintalgam os muros em Todo o quintal Esperanças despertas Em tempos de Caos Cores expressionistas Afirmando a Luz Colam-se à retina Pintando acajus babaçus baiacus bambus belzebus E os sinos de […]

Nota sobre Frank Stella

O museu Whitney, em Nova York, produziu uma exposição retrospectiva das obras de Frank Stella, considerado um dos mais influentes artistas norte-americanos atuais. A mostra se encerrou em fevereiro de 2016. Suas criações teriam servido de inspiração para muitos dos pintores abstratos dos últimos cinquenta anos, como destaca o catálogo da exposição. No Brasil, seu discípulo mais conhecido é Nuno Ramos, que parece ter herdado de Stella suas concepções abstratas monumentais e também outras ideias sobre o fazer artístico. Segundo Stella, aprender a pintar consiste no ato de olhar outras pinturas e depois imitar “os processos intelectuais e emocionais” desses pintores. Sabe-se que Ramos costuma retomar, numa escala “monstruosa”, obras de outros criadores.