Cidade adeus de Fabio Riggi

el loco de palenque cerró puertas
pero se queda abierto amor cantante

y donde manos jóvenes serpientes
encantan cuantos dioses emplumados

bajan al inframundo con gusanos
que son los dedos viejos de los pobres

Lugares históricos da poesia: Torquato Neto (1972)

MM: Como você se ligou com a turma Tropicália?

TN: Essa história é muito manjada. Eu fui estudar na Bahia e lá encontrei, conheci um bocado de gente no Colégio e tal; dentre estes tinha um que era amigo de outro e tal e tal, e nessa cirandinha eu cheguei a conhecer Caetano; depois eu conheci Gil; depois eu fui embora pro Rio de Janeiro em 1962, eles ficaram lá; quando foi em 65, tem aquela história conhecidíssima: Bethânia foi pra Bahia (sic) e aí começamos a fazer música, todo mundo. Isto é: a gente fazia música, brincava com música, mas o nosso papo mesmo era cinema; era o que a gente queria fazer mesmo.

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Abreu Paxe

ABREU CASTELO VIEIRA DOS PAXE nasceu em 1969 no vale do Loge, município do Bembe, província do Uíge, Angola, país africano com população estimada em 22 milhões de habitantes. Angola tornou-se independente de Portugal em 1975. Paxe licenciou-se em Língua Portuguesa no Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) de Luanda, cidade com cerca de oito milhões e meio de habitantes. É professor de Literatura Angolana no ISCED e membro da União dos Escritores Angolanos (UEA). É autor, entre outros, de A chave no repouso da porta (2003 − Prémio António Jacinto) e de O vento fede de luz (União dos Escritores Angolanos, 2007). Em 2000, foi o ganhador do prêmio “Um Poema para África”. Para ele “a poesia se realiza nos elementos que se perdem no cotidiano”.

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Jennifer Scappettone

Poeta da safra mais nova, performer, tradutora e professora, JENNIFER SCAPPETTONE nasceu e cresceu em Nova York. É PhD pela Universidade da Califórnia, em Berkeley. Publicou, entre outros títulos, Err-Residence (2007), Beauty – is the New Absurdity, (2007), Thing Ode / Ode oggettuale (2008) e From Dame Quickly (2009). Seu livro mais recente é Killing the Moonlight: Modernism in Venice (Columbia University Press). Seus interesses de pesquisa e ensino abrangem os séculos 20 e 21 com ênfase em modernismo mundial comparado, história e presença da vanguarda hoje, tanto quanto literaturas de viagem, migração e deslocamento, barbárie, multilinguismo e sobretudo, por ora, em cultura italiana e seus ecos.

Sibila, lugares contemporâneos da poesia: Viacheslav Kupriianov

Poeta, prosador, tradutor e crítico russo, VIACHESLAV KUPRIIANOV nasceu em Novosibirsk, em 1939, e vive em Moscou. Durante sua extensa carreira literária, Kupriianov publicou nove títulos entre poesia e prosa, a maioria traduzida em várias línguas europeias, além de editar uma importante antologia de suas traduções de poetas austríacos, alemães, suíços e norte-americanos (Moscou, Raduga, 2009).

Vanguardismo ou passadismo?

destaquea
Desde o final do século XIX, intelectuais brasileiros mantiveram uma intensa relação com aquilo que acontecia nos grandes centros europeus. Não eram incomuns as viagens de artistas brasileiros para países como França e Itália, em especial aqueles de alguma forma ligados ao mundo das artes visuais. Existiam, ainda que operando de modo pouco burocratizado e racionalizado, bolsas que financiavam a permanência de artistas em formação na Europa, a fim de lhes garantirem aprendizado técnico e contato com as tendências estéticas ora em vigor no Velho Mundo.

Criticalidade e vertigem: uma entrevista de Régis Bonvicino

Sibila foi criada para ampliar um diálogo com poetas do Brasil e do mundo inteiro, não apenas do Brasil; para se ter um ponto de vista internacional, para formar uma comunidade que pudesse compartilhar ideias como a de alguma inovação – mas uma inovação contemporânea, não passada, não saudosista. E também para focar em uma questão importante, que parece haver sido abandonada pelo mundo afora, mas que é uma parte que conta muito na literatura: a crítica literária. Dessa forma, Sibila tenta ser livre, na medida em que pensa e permite pensar, e ela concebe um tipo de poesia forte e independente. Ao mesmo tempo, eu sinto que nisso estamos de certa forma sozinhos… um tipo de solidão que partilhamos com amigos locais e amigos internacionais… Mas eu gosto do projeto, um projeto que está sempre aberto a transformações. Já desde uns cinco, seis anos atrás, o objetivo principal tem sido o da crítica, em relação à poesia, em relação à produção de poesia… crítica independente… não há arte sem espírito crítico. Eu poderia passar dias falando sobre a Sibila, que está hoje entre os maiores arquivos digitais de poesia da América Latina, sem verbas estatais, bolsas, apoios públicos, ou universitários. Ainda bem que é assim.

O conto popular ancestral na Rússia e no sertão

Quanto às histórias brasileiras semelhantes àquela que se desenrola na tela, Jerusa assinala que elas perfazem um esquema semelhante ao do trovador Kerib. Basta lembrar que a peregrinação do trovador Kerib “é a do herói em caminho, em serviço amoroso e busca de riqueza, mas é também a do religioso à procura de unidade, integração e compatibilidade do sagrado e do profano” (p. 188). Nos contos populares brasileiros, sobretudo do Nordeste, destaca-se a figura do herói pobre: “vaqueiros, boiadeiros, jardineiros e mesmo heróis sem profissão, que se apaixonam pela filha do poderoso fazendeiro ou ‘coronel’ de terras”. Em razão do amor proibido, esse “herói” é expulso e se autoexila para enriquecer. Passa a peregrinar e, depois de vencer todos os obstáculos, volta à sua terra natal.

O sol também se levanta

SepticemiaComSorrisoArrogante reposta no blog
ChiliquesMilDeBonecasMumificadas postam posts prostrados
AtirandoCãesDificilmenteAteusAosUivosEPreces estes
CompartilhamPela metade a remoção
FixosNoBrilho postam algo ultrapassado
AvoadosSurrupiamMedo reverenciam o seu compartilhar
RimaRetaNaLadeira deu um curtir no comentário
TolíssimoRadiante apertou o botão do deletar